O silêncio dos inocentes



Vasco e Santos atuaram com portões fechados (Foto: Paulo Fernandes/Vasco)

Vasco e Santos atuaram com portões fechados (Foto: Paulo Fernandes/Vasco)

Poucas coisas são tão chatas no futebol quanto um placar de 0 a 0. Com o agravante de não ter torcida nas arquibancadas, torna-se algo insustentável aos olhos. E também aos ouvidos.

Um estádio vazio é um coração que não pulsa, um órgão que perde completamente a sua função.

Remover das bancadas o torcedor não é punir os responsáveis pelas brigas que aconteceram em São Januário, no último Clássico dos Milhões. Muito pelo contrário. Esses, provavelmente, assistiram ao jogo deste domingo docemente repousados em suas poltronas, despreocupados.

Uma partida sem torcida é uma punição ao esporte, não aos culpados. Silenciaram os inocentes. Um crime em decorrência de outro.

Em campo, um reflexo da arquibancada. Um silêncio futebolístico de Vasco e Santos, quebrado apenas em alguns poucos momentos, como num belo chute de Thalles, já no 2º tempo. Um dos raros lances de barulho nos 90 minutos.

Vascaínos e santistas – principalmente – pareciam constrangidos pelo silêncio que os cercava, como se fizessem algo errado, às escondidas. Sem ter a quem fazer berrar, mantiveram em sigilo a estranha experiência de estufar as redes sem ouvir os gritos de gol.

Talvez até o som da bola percorrendo a rede seja diferente sem o ruído ensurdecedor das arquibancadas. Esse, porém, é um segredo que seguiremos sem conhecer.

O Santos teve o domínio da bola, com 61% de posse. Em nenhum deste momentos, entretanto, se mostrou disposto a arrancar um grito de gol, ainda que quase solitário, de seu banco de reservas. De quatro tentativas, apenas uma foi no alvo.

O Peixe fez uso de uma posse defensiva, para evitar os avanços vascaínos. O Cruz-Maltino, porém, buscou a vitória, ainda que de forma tímida.

As triangulações entre Ramon, Wagner e Nenê pela esquerda funcionaram, entretanto, o excesso de cruzamentos facilitou o trabalho da defesa santista. Para o jovem goleiro João Paulo mostrar serviço, apenas nos arremates de fora da área, arma pouco explorada pelo Vasco e que mostrou que pode ser eficiente se melhor trabalhada.

O 0 a 0 acabou se tornando o reflexo do palco montado. Sem o principal personagem – o torcedor -, o jogo, quase como em forma de protesto, se recusou a ter também o seu grande ato: o gol.



  • Luciano Silva

    Tem um ditado que é mais do que certo : quem tem medo de perder , perde a vontade de ganhar . O Vasco tinha que forçar mais . O Santos tava desfalcado e o Lucas Lima não querendo nada com o jogo . Mas essa covardia vem do banco se o MM é ruim imagina seu auxiliar .Pode contar que mesmo o SPFC estando pressionado e se tomar um gol vão ficar abalados , O MM vai mandar o time ficar atrás para tomar sufoco

    • Vander Vasco

      Madson, Paulão, Wellington, Pikachu, Wagner e Nenê juntos pqp… não dá!!! Tem que dar mais rodagem pros garotos Guilherme e Paulo Vitor!!! Chega de lentidão e contra-ataques desperdiados!!!

  • Sergio SF

    Parece que o próximo jogo contra o SP será o jogo da TV Globo na 4ª feira. Mas por que esse será um jogo de vida ou morte para o Vasco? Primeiro porque a tendência é que os 5 adversários que estão diretamente abaixo na tabela sob o Vasco vençam seus jogos. Segundo porque o São Paulo, que vai jogar em casa, vem mordido e desgastado pela sequência de derrotas e o Vasco seria uma excelente oportunidade de reabilitação. Terceiro porque em caso de derrota o Vasco corre risco de ficar apenas a 4 pontos da zona de rebaixamento. E, por último, em caso de insucesso seria um distanciamento considerável para seu objetivo maior, que é a vaga na Libertadores. Por tudo isso esse é sim um jogo de Vida ou morte para o Vasco.

    • Vander Vasco

      O objetivo maior do VASCO é não cair de novo, esse bolo do meio cheio de times entre g6 e z4 ainda tá muito embolado na pontuação, qualquer vacilo despenca rápido! E convenhamos que tem vários times abaixo que são muito mais qualificados e vão subir de produção! No final qualquer coisa a mais é um Bônus!

      #ForaEurico

  • Dirceu

    A questão da violência nos estádios tem como causas a falta de educação formal, moral e cívica, resultado da de agência de nosso sistema de ensino; da ausência de perspectivas dos jovens diante do mercado de trabalho em depressão; e da incompetência dos diverso órgãos de segurança de nosso país.
    Os agentes responsáveis por todos os atos de vandalismo fora dos campos de futebol são facilmente identificáveis e a punição e controle desses marginais seria facilmente efetivada, se houvesse verdadeiramente a vontade política de resolvê-la.
    Claro que o clube tem que ser responsável em seu estádio, pela segurança dos espectadores, como em qualquer casa de espetáculo. Cuidar da presença de um contingente policial compatível e de funcionários suficientes para o atendimento e segurança do público presente é dever de todo clube.
    No entanto, ele não pode ser responsabilizado pelos excessos além do que se espera de um publico que deveria ir ao estádio assistir a uma partida de futebol, muito menos, sofrer punição da perda de mando de campo, e, mais absurdo ainda, ser obrigado a realizar suas partidas em estádio vazio.
    Raciocinasse como se, por estarem vestindo os marginais a camisa do Vasco, a responsabilidade pelos seus atos é da instituição. Ao punir o clube, estaríamos pinindo os infratores?
    Na realidade, como você disse, a punição só é efetivamente aplicada aos inocentes, prejudicando o clube e a grande massa de torcedores que nada tem a ver com essas verdadeiras facções criminosas.
    Uma punição como essa é burra e inócua, só da a certeza aos infratores de seu poder.
    Como sempre, parece mais fácil tirar o sofá da sala, do que extirpar a verdadeira causa.

  • Dirceu

    ….resultado da incompetência…
    Raciocína-se como se …

  • Luciano Marques

    Tem colocar o Guilherme no lugar do Pikachu e colocar o Nenê pelo meio e não na ponta e por fim o Bruno paulista pra dar mais qualidade na saída de bola e e um jogador que se apresenta mais na frente tb.

  • Luciano Marques

    Paulo vitor e Paulinho no segundo tempo com o adversario mais desgastado pra dar mais Dinâmica no jogo.

  • Luciano Marques

    A questão tb e não colocar os garotos faltanto cinco ou Dez minutos pra acabar o jogo no sufoco . Guilherme esta pronto pra começar desde o inicio e tem muito mais qualidade que o Pikachu e joga do mesmo lado e pode fazer a volta pra ajudar na marcação tb.

MaisRecentes

Paulinho ganha onze posições no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

O nascer de Paulinho



Continue Lendo

Memórias do Morumbi



Continue Lendo