O melhor jogador de todos os tempos da última semana



Jorge Henrique decidiu a primeira final (Foto: Paulo Fernandes/Vasco)

Jorge Henrique decidiu a primeira final (Foto: Paulo Fernandes/Vasco)

Não se sabe onde, exatamente, fica a luz individual de cada um. É algo interno, que salta rápido como uma fagulha, ilumina e volta a se esconder. Ninguém carrega sua estrela reluzente numa caixinha, para mostrar a todos. É um brilho que surge, muda a história e se eterniza. Um flash de brilhantismo.

E essa luz muitas vezes surge nos pontos mais escuros, de onde menos esperamos ver uma claridade. Nem sendo clarividente.

No futebol, há os de brilho intenso, os chamados craques. Têm os eternos apagados, de passagem discreta no esporte. E há os cintilantes, que de tempos em tempos mostram seu brilho.

No Vasco, parece haver um dispositivo que produz fagulhas para que se acendam as luzes em meio à escuridão. A penteada de Nenê na bola parece o riscar de um isqueiro que incendeia o time. Uma puxada de canhota e volta. Outra e o retorno para o mesmo lugar. O camisa 10 risca sem rabiscar. Inflama um time apagado num simples movimento, como se fosse um sinal: é hora de decidir.

Quando o meia vira a chave da genialidade, a equipe se transforma. Seu cruzamento, que antes flutuava, dessa vez é certeiro. Riascos, que não era notado, serve de distração. E Jorge Henrique, com seus 1,67 m, ganha no alto do gigante Jefferson.

É o gol do improvável, como foram os de Cocada, de Marquinho e os dois de Jardel. Do incansável, como é todo vascaíno. Do inconstante, que é Jorge Henrique. E por isso, cintila, não brilha.

O camisa 11 é o apagado que pisca sem aviso. É a luz no fim do túnel de um time que não foi bem, mas soube a aproveitar seu lampejo.

É o herói discreto que se esconde com apenas uma bala e a dispara quando mais precisa. Letal, ainda que tantas vezes letárgico. Jorge Henrique é o ‘melhor jogador de todos os tempos da última semana’, como diriam os Titãs.

E é esse brilho que muitas vezes faz de um time comum, um campeão. O brilho nos olhos.



MaisRecentes

Só coração não basta



Continue Lendo

90 anos de São Januário: as maiores goleadas do Vasco



Continue Lendo

90 anos de São Januário: os maiores artilheiros



Continue Lendo