O maior medo do vascaíno



Jordi teve grande atuação contra o CRB (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco)

Jordi teve grande atuação contra o CRB (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco)

Todo torcedor, de qualquer time, tem um medo. Cada clube, com sua característica e histórico, desenvolve um temor específico em sua torcida. O do vascaíno é não ter goleiro.

Sai Mazarópi e chega Roberto Costa, o homem das Bolas de Ouro. Acácio assume e para as bolas de couro. Germano, seu sucessor no trono, vence o Rio, ganha o Brasil, conquista a América e carrega o tesouro. De toda dúvida, sentimento comum em todo cruz-maltino, ter goleiro sempre foi uma certeza. Até os anos 2000.

Em abril morre Barbosa. O goleiro sem medo. Quatro meses antes nascia Hélton para o futebol. O novo arqueiro negro. Outro destemido, com seus vôos magníficos. Depois veio Fábio, até 2004.

Do ídolo cruzeirense até Fernando Prass foram dez temidos, assim, separado, diferente de Hélton e Barbosa: Cássio, Tadic, Éverton, Fabiano Borges, Erivélton, Roberto, Ellington, Sílvio Luís, Tiago e Rafael. E chegou o temor.

Em 2015, Martín desfalcou e o Vasco sentiu. Sofreu com Charles. No fim, caiu. Como havia ocorrido quando teve, em 2013, Diogo Silva, Alessandro e Michel Alves. Goleiros que não passavam confiança nem com forte reza, nem Pai Nosso e nem Ave.

Nesta quarta, contra o CRB, Silva não jogou. Mas com Jordi, dessa vez, o medo não aflorou. Teve a noite que sonhou quando criança em Volta Redonda. Deu a volta por cima com defesas incríveis da redonda. Foi Barbosa no arrojo e Hélton na elasticidade. Tudo isso com pouca idade.

Olhar as traves cruz-maltinas desguarnecidas de Martin dá medo. Mas ver Jordi travar bem suas batalhas dá esperança.

Seu nome talvez nunca entre no hall dos imortais, como o bom e velho Moacyr e seus dedos tortos. Porém, que seja reto em sua trajetória de mortal. Mas com milagres ocasionais, para deixar sempre a dúvida. Nunca o medo.



  • Cleber Aguiar

    Muito boa matéria!

  • Marco

    Muito boa materia, so esqueceram de mencionar um dos grandes goleiros do meu Vasco, ANDRADA.

  • Marco

    Desculpe, esqueci de mencionar que, afora “aquele tecnico” do Vasco, o qual nem o nome quero mencionar, apos a expulsao contra a Ponte ano passado (2015), todos imaginavam que o garoto (Jordi) voltaria apos cumprir a suspensao, mas foi barrado pelo tal “tecnico”, pelo que viramos saco de pancada por varias rodadas, ate a chegada de Martin. Com Copa America Centenario, e os jogos de Classificacao para a Copa do Mundo, vamos precisar, e muito, do Jordi.

  • Marcio Vieira

    Pura verdade, muito bem escrito.
    Saudações

  • Willians

    Ele foi muito bem no jogo. Mas apenas com as mãos.
    Com os pés continua assustando toda a torcida.
    Tem que treinar muito com os pés, pois nossos zagueiros já estão acostumados a recuar a bola p/ Martin, que com muita calma até com chutão se sai bem. Ainda mais se um dos zagueiros for o Jomar!
    Que Deus nos ajude!

  • Marcos Vinícius

    Tomara que a mula do Celso Roth tenha visto esse jogo. Ele teimava em deixar Jordi no banco e escalar aquele inútil do Charles. Contribuiu imensamente para a queda do Vasco.

MaisRecentes

Próximos seis jogos podem definir o destino do Vasco no Brasileiro



Continue Lendo

As mãos invisíveis



Continue Lendo

As mudanças no Vasco pós-Milton Mendes



Continue Lendo