O lugar do Vasco



Torcida do Vasco começa contagem regressiva contra o rebaixamento (Foto: Wagner Meier/LANCE!Press)

Torcida do Vasco começa contagem regressiva contra o rebaixamento (Foto: Wagner Meier/LANCE!Press)

Sim, o Vasco briga para não ser rebaixado. Apesar do presidente do clube, Eurico Miranda, discordar e afirmar que com ele o time não cai, é inegável que a equipe hoje luta para não ter o terceiro descenso em um espaço de sete anos.

São sete derrotas, três empates e apenas duas vitórias em 12 rodadas, quase um terço da competição. Se mantiver esta média de pontuação no campeonato, chegará ao fim com cerca de 30 pontos. E olhe lá!

A contagem a ser feita agora pelos vascaínos é regressiva. Faltam 36 pontos para se salvar, segundo o corte de 45 utilizado pela maioria dos matemáticos e especialistas. E, olhando para o desempenho atual, onde o time não impõe respeito – olhe ele aí – nem nos chamados pequenos, parece um sonho ainda bem distante.

Analisando os números do Brasileirão desde 2006, quando passou a contar com 20 participantes, vi que é possível se safar com menos de 45 pontos – o Palmeiras no ano passado ficou com 40 -, mas é improvável. O número de vitórias talvez tenha um peso ainda mais importante nessa situação. Com 12 triunfos na competição, claro, combinado com alguns empates que acontecem normalmente, dificilmente o clube cai. Ou seja, neste caso, faltam 10.

Mas de quem o Vasco é capaz de ganhar  na atual situação?

Após a goleada para o São Paulo, é difícil responder essa pergunta. Mas olhando para o elenco cruz-maltino e para o de seus adversários, não é difícil encontrar planteis iguais ou até inferiores. No papel, não é o pior grupo do campeonato, mas coletivamente ainda não se acertou. O Santos, por exemplo, é outro que está na mesma situação.

Vencer seus adversários diretos, pontuar em clássicos e fazer prevalecer o mando de campo serão essenciais para o time. Sendo assim, algumas partidas serão fundamentais na busca pela permanência na Série A. Vencer Fluminense, Palmeiras, Joinville e Coritiba, todos no Rio, ainda neste primeiro turno, é importantíssimo. E se puder beliscar uns empates fora, melhor ainda.

Mas este é um desempenho fora da realidade para o que foi apresentado até este momento.

Faltam 36 pontos e dez vitórias. Essa é a única meta hoje que interessa aos vascaínos, qualquer coisa acima disso é utopia. E abaixo é letargia.

É cedo para jogar a toalha, porém, tarde demais para fazer melhor do que permanecer no lugar de onde nunca deveria ter saído. E não falo do lado da torcida do Maracanã. Onde o cruz-maltino quer ficar não é à direita das cabines, mas sim na primeira divisão.

Que o Vasco volte a brigar pelo o que realmente vale a pena: seu lugar na elite, entre os campeões. E nada mais.



MaisRecentes

Vasco prorroga os contratos de dois jogadores do sub-20



Continue Lendo

Mais do que casa, São Januário é a arma do Vasco



Continue Lendo

Em fase artilheira, Pikachu já é um dos maiores goleadores do Vasco neste século



Continue Lendo