O filho do ‘Peixe’



Romarinho entrou bem contra o São Paulo (Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

Romarinho entrou bem contra o São Paulo (Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

Jorginho jogou o anzol no último jogo do Vasco na Copa do Brasil tentando fisgar algumas novas opções para o time. Riascos enfim voltou a cair na rede e agradou, mas o peixe que chamou a atenção no fim da partida foi outro: Romarinho.

Herrera era quem deveria ter mordido a isca do treinador, mas se escondeu feito ‘tatuí’. Coube à cria do Baixinho se lançar sem medo em mar revolto.

O garoto chegou ao clube sem que a torcida esperasse nada. E agora começa a nadar. O filho do ‘Peixe’, peixinho é? Não. E nem precisa ser, basta estar – ou querer ser – um pouco melhor do que o argentino. E, para isso, convenhamos, não é necessário ser nenhum ‘peixinho dourado’.

Um ‘pacu’ virado para a lua já basta.

E disso o seu pai sabe muito bem. Nasceu voltado para uma lua cheia vermelha, em dia de eclipse, mudando a maré e revigorando a pescaria.  Ganhou fama de ‘espada’ fora das quatro linhas, e dentro delas entortou muitos cabeças de ‘bagre’que só sabiam jogar na ‘bicuda’.

Um peixe de águas doces e salgadas. De(o) (R)rio e do mar (praia).

O caminho de Romarinho provavelmente será tão difícil quanto o dos ‘salmões’ que tentam subir os rios. Ainda cru, pode ser que também venha, no futuro, a fazer mais sucesso no ‘japonês’, ou em qualquer outro lugar do Oriente, do que no Brasileiro. Mas isso não o impede de nadar nesse cardume vascaíno que muitas vezes tem deixado a desejar.

A comparação será inevitável, por mais que saibam que estão colocando lado a lado ‘tubarão’ e ‘sardinha’. Mas é bom para o atacante começar a se acostumar com as ‘traíras’ que existem no futebol. Ser frito é o medo constante de todo o peixe, faz parte do jogo. Resta saber qual tempero lhe cairá melhor.

Romarinho ainda não é peixe grande, no tamanho, mas foi na atitude. Poderia estar comendo ‘camarão’, jogando futevôlei no Pepê e colhendo os frutos – não do mar, dos gramados – que seu pai plantou, mas está lá em São Januário, bem longe da praia, mais tranquilo que um ‘tricogaster’ no aquário, falando pouco e suando muito.

Pode não ser o suficiente para ganhar mais chances este ano, mas vem ganhando o respeito. E, nesse mar, isso é fundamental.

Contra o São Paulo, assim como já havia feito contra o Figueirense, soube aproveitar seus poucos minutos ‘na água’. Nadou pelos dois lados, não teve medo de tentar ‘atravessar os corais’ e muito menos de liderar o cardume ofensivamente.

Romarinho dificilmente vai ser o ‘marlin azul’ que foi seu pai, com seu bico(quinho) mortal e seu temperamento único. Nem por isso precisa ser Marlin, o ‘peixe-palhaço’ de Procurando Nemo.

O jovem atacante mostrou que não está fora d’água e que não foge da (‘ar)raia’. Ainda precisa ficar ‘cascudo’, levar umas ‘bicudas’ e ‘papa-terra’ suficiente para garantir seu espaço no elenco do ‘Bacalhau’ , mas seus primeiros mergulhos, profundos e incisivos, sem toques laterais como um ‘caranguejo’, animaram mais que o nome.

Só existiu e existirá um ‘Peixe’. Nem mesmo o DNA conseguirá fazer outro igual. Romário foi a versão alfa. Romarinho, apenas um ‘beta’.

O ‘Peixinho’ quer nadar sozinho. Se não der para ser a ‘estrela do mar’, ok. Mas se está corren… ops, nadando mais que os outros, que ao menos lhe deem a chance de sair de sua ‘concha’. Determinação e vontade não parecem faltar ao garoto.

Que faça ‘bonito’ nas próximas paellas… Perdão, pelejas.



MaisRecentes

Ríos se torna o 2º estrangeiro com mais gols pelo Vasco na história do Brasileiro



Continue Lendo

As duas faces de um empate



Continue Lendo

Artilheiro do Vasco, Pikachu vem tendo sua maior média de gols da carreira



Continue Lendo