O dever de casa e a volta da palmatória



Vasco não conseguiu os três pontos (Foto: Paulo Sérgio/LANCE!Press)

Vasco não conseguiu os três pontos (Foto: Paulo Sérgio/LANCE!Press)

Nada mais feio no Dia dos Professores do que não fazer o dever de casa. O Vasco não fez e perdeu pontos preciosos que farão falta no fim do ano quando receber o seu boletim definitivo. A arbitragem também não fez a dela e mais uma vez foi protagonista num espetáculo em que deveria ser apenas mediadora. É como se o importante em uma sala de aula fosse o quadro e não quem escreve nele.

O time de Jorginho tinha a obrigação de vencer a partida e se lançou ao ataque nos minutos iniciais como uma criança que corre ao tocar o sino do recreio para pegar a bola e a quadra livre. Nos 15 primeiros minutos, a Chapecoense fez a ‘de fora’, e praticamente apenas assistiu ao Cruz-Maltino jogar.

Mas o Vasco foi para o intervalo mais cedo, pareceu cansado – ou frustrado – e os catarinenses entraram no jogo. Os dois jogavam para uma nota na média, nada além disso, e o empate parecia justo. Parecia, até que o ‘professor’ Jorginho resolveu corrigir a bagunça que estava instaurada. Colocou Diguinho, reposicionou os garotos na sala, arrastou a cadeira de Gallo mais pra frente e achou o ‘feng shui’ da classe.

Ainda assim, o gol vascaíno só saiu em um lance em que o inspetor não viu Rodrigo montar no coleguinha e empurrar para as redes. Merecido pelo esforço, mas não pelo lance. Irregular.

Era a nota que o time cruz-maltino precisava. Não para passar de ano, mas ao menos para melhorar a média após um trimestre ruim. O final promete ser bem complicado e subir um pouco a média agora seria fundamental para não acabar reprovado.

Quando a equipe carioca já aguardava ansiosa o toque do sinal para o fim da aula, uma surpresa: a volta da palmatória. Nem mesmo com a mão colada ao quadril o castigo foi evitado. Pênalti marcado para a Chapecoense. Logo em cima do mesmo Rodrigo. Absolvido uma vez e punido em outra. Ambas injustas.

A batida da cobrança foi de Bruno Rangel, mas a da palmatória foi de Ricardo Marques de Oliveira, o árbitro da partida. Após ‘esquentar a mão’ do zagueiro vascaíno, teve a oportunidade de fazer o mesmo com Tiago Luís, após o aluno claramente meter a mão na borracha da mesa do amiguinho – Nenê – e tirar-lhe a chance de apagar o resultado ruim no Maracanã. Mas a madeira, dessa vez não cantou. E seu silêncio, no apito, foi tão sentido quanto o castigo antes imposto.

O pau que deu em Chico passou longe de Francisco. Mesmo os dois estudando na mesma escola…

Lances polêmicos da partida entre Vasco e Chapecoense (Foto: Reprodução/Twitter)

Lances polêmicos da partida entre Vasco e Chapecoense (Foto: Reprodução/Twitter)



  • Sergio Ricardo de Andrade

    Eu achei que o respeito fora de campo tinha acabado com a era Roberto Banana… Eurico esta certo em vir a público criticar,provar e chamar os Árbitros de “LEVIANOS INTENCIONADOS” ! O presidente que invadia gramado ou mandava jogador meter a “P” no fim de jogo tem que voltar se quiser evitar o pior! Pedir a punição e o afastamento do futebol dos árbitros que “roubarem na cara de pau como este Sr ou “Sra” Ricardo Marques Ribeiro e seus assistentes na CBF não basta tem que ir na justiça Desportiva e Comum manifestar o repúdio e mostrar as img claras que mostra a invenção do pênalti da Chapecoense e a clara má fé na não marcação do pênalti e se for preciso nós torcedores faremos abaixo assinado e encaminhar a quem for pois temos que acabar com esse “poder ” do apito!!! Vamos começar já!! Um erro não pode ser compensado por outro porem claramente foi visto a má intenção da arbitragem a nível nacional….O DEP ROMÁRIO PODERIA FAZER A NOVA CPI DO APITO!!!

  • Dirceu

    Depois de 10 dias de treinamento, parece que nada foi aprendido. Não vimos coisa alguma de novo, o que nos faz entender que o time só conseguiu desaprender.
    Posso salientar que a teimosia de Jorjinho em relação à escalação do Herrera beira a estupidez. No entanto, a ineficiência de nosso time ficou por conta do fraco e cansado futebol apresentado pelo nosso meio de campo, nas figuras de Nenê, Andrezinho e Julio dos Santos. Todos ridiculamente inoperantes e sem criatividade. Assim, fica difícil vencer um time que se fecha na defesa.
    Em resumo. meias de criação e jogadas ensaiadas pelas laterais, foi o que não vimos no jogo desta noite, comprovando que a semana de “treinos” não foi bem treinada e que os nossos velhinhos ficaram um pouco mais velhos, mais lentos.
    Essa era uma oportunidade imperdível, que pode nos ter tirado a possibilidade de tornar realidade, o milagre que precisamos fazer para fugir do novo vexame.

  • Vinicius Leal

    A imagem diz tudo, esse juiz filho da puta ainda me vem dar entrevista pra tentar explicar oque não tem explicação, ficou pior ainda com essa argumentação ridícula dele, ladrão desgraçado.

  • Fiuza

    10 dias de treinamento e os Caras cansaram antes do fim do primeiro tempo.
    10 dias de treinamento, os jovens da base sendo convocados e ganhando status e o Jorginho insiste cm os velhos.
    10 dias de treinamento e o time ainda não aprendeu a fazer gols
    10 dias de treinamento e a Teimosia de jorginho e a inoperancia de Herrera não mudaram
    10 dias de treinamento pra ganhar um jogo, e o time empata e reclama do Roubo Alheio
    10 dias de treinamento e nada mudou…..
    E nem vai mudar,10 dias não muda a cagada de 10 anos de péssima gestão,precisa de muito mais do q isso.Precisa sim de VERGONHA NA CARA, BONS PROFISSIONAIS, UM BOM PRESIDENTE E BONS DIRIGENTES.

  • Claudio

    Falem sério, ficar reclamando da arbitragem pq não ganhou da Chapecoense, é dose!
    Se tivesse jogado bem , ganharia com tranquilidade. A Chapecoense teve 2 gols anulados, e o Rodrigo empurrou e apoiou no jogador deles pra fazer o gol. O time não está nessa situação por causa das arbitragens, é pq é ruim mesmo, vacila muito, e o torcedor quem paga o pato por esses dirigentes incompetentes, essa é a verdade!

  • ODILON SILVA = RJ

    Talvez se o juiz não tivesse errado naquele momento, talvel dificilmente o VASCÃO deixaria de ganhar o jogo, agora o motivo dessa situação desesperadora do time no campeonato não é de exclusividade da arbitragem, não é mesmo……………………Se tivesse enxergado melhor, daria para detectar que o time que começou o campeonato não daria para fazer bonito na competição, depois de todo fracasso inicial da competição foi quando viram que falta muita coisa para fazer um campeonato decente………………Esse time atual não daria para ser campeão brasileiro, mais se tivessem com esse time desde que começou o campeonato, não estaria nessa situação………………………Desde que começou o campeonato que os vascainos estão avisando, precisa investir forte, precisa pagar bons salários, precisa contratar bons jogadores, precisa de investimento de primeira grandeza, mais atual diretoria acredita no bom,bonito,barato, nem sempre isso funciona……………………….

  • Leo O

    A atuação do árbitro foi claramente dolosa. No lance do Rodrigo, a bola bate claramente na barriga, enquanto o jogador do Chape dá uma “cortada” e nada é marcado.

    Não é preciso ser muito inteligente para concluir que há má vontade da arbitragem com o Vasco.

MaisRecentes

Caio Monteiro marca seus primeiros pontos no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

A zona vascaína



Continue Lendo

O ‘novo’ Nenê



Continue Lendo