Números detalham a fragilidade tática do Vasco



Herrera ainda não marcou gol no Brasileirão (Foto: Cléber Mendes/LANCE!Press)

Herrera ainda não marcou gol no Brasileirão (Foto: Cléber Mendes/LANCE!Press)

Quem deveria marcar, está criando. E quem deveria estar criando, não está ajudando a marcar. Estes, e tantos outros erros táticos – principalmente – e técnicos, colocam o Vasco na situação que se encontra hoje, na penúltima colocação do Campeonato Brasileiro com apenas 13 pontos conquistados. E os números não negam.

Ao puxarmos as estatísticas gerais do time na competição, ficam nítidas algumas características da equipe que não tem ajudado em seu desempenho. Por exemplo, dos seis primeiros jogadores que mais dão passes nas partidas, todos são de defesa. Guiñazu, com 717 toques, é disparado quem mais acerta. Ou seja, a bola passa mais tempo circulando nos pés dos volantes, zagueiros e laterais, do que entre os meias de criação e atacantes.

Jogadores de defesa do Vasco são os que mais trocam passes (Fonte: Footstats)

Jogadores de defesa do Vasco são os que mais trocam passes (Fonte: Footstats)

Como comparação, no Corinthians, Jadson e Renato Augusto, dois meias, são os que mais se destacam neste fundamento.  No Atlético-MG, líder do Brasileirão, o também meia Giovanni Augusto aparece na 3º posição neste quesito. Já no Grêmio, terceiro colocado, Maicon, Giuliano e Luan aparecem entre os cinco primeiros.

Líderes do Brasileirão possuem meias entre os que mais acertam passes (Fonte: Footstats)

Líderes do Brasileirão possuem meias entre os que mais acertam passes (Fonte: Footstats)

Os números são simples de serem analisados. Quando o Vasco tem a bola, seus homens de criação pouco participam, sobrecarregando o setor defensivo que, além de marcar, ainda precisa sair para jogar e trabalhar a bola. Não à toa o ataque é o pior da competição e a defesa a mais vazada, já que o esquema obriga os defensores a subirem, criando espaços para o contra-ataque.

Tamanha é a dificuldade de seus meias criarem, que são os dois laterais vascaínos os responsáveis pela grande maioria de assistências para finalização. Madson e Christianno superam Dagoberto, Andrezinho e Jhon Cley, o que também explica as frequentes jogadas nas costas dos dois. Sobem, mas não voltam.

Muitas jogadas pelas laterais e poucas participações dos meias (Fonte: Footstats)

Muitas jogadas pelas laterais e poucas participações dos meias (Fonte: Footstats)

Com problemas para criar, fica ainda mais difícil para os homens de frente concluírem. Neste Brasileiro, apenas Riascos, entre os atacantes, estufou as redes. Porém, é Gilberto, que já deixou o clube, o líder no número de conclusões certas ao gol. Para piorar, o zagueiro Rodrigo vem na segunda posição, o que evidencia ainda mais a fragilidade ofensiva da equipe.

Mesmo já tendo deixado o clube, Gilberto lidera estatística (Fonte: Footstats)

Mesmo já tendo deixado o clube, Gilberto lidera estatística (Fonte: Footstats)

O ataque do Vasco precisa ser mais participativo. Não adianta trazer nomes conhecidos, como Nenê, Jorge Henrique, Andrezinho, Herrera e Dagoberto, se quem vai armar é Serginho, Guiñazu e Madson. Não dá para fazer milagre sem a bola. Cabe a Roth fazê-los jogar, não apenas coloca-los em campo.



  • adriano

    “Cabe a Roth fazê-los jogar, não apenas coloca-los em campo “. Perfeita essa frase, se ninguém cria com qualidade como vamos ganhar os jogos?

  • Sebastião

    Dá pena ver o Vasco jogar!

  • ODILON SILVA = RJ

    O VASCÃO num passado não muito distante, teve um técnico maravilhoso, para muitos o maior técnico de todos os tempos, ele se chamava OTO GLÒRIA, ele dizia uma coisa, não se faz omelete sem ovos, isso traduz bem o problema vascaino, falta valores, vontade, comprometimento não falta por parte dos jogadores,o que falta são valores individuais……………..Um grande erro dessa velha nova diretoria foi, assim que assumiu desfazer o meio campo vascaino, primeira coisa que eles fizeram, mandaram o DOUGLAS, MAXI RODRIGUEZ embora,dois exelentes jogadores, o DOUGLAS faz muita falta, daria o toque de bola, a criatividade que o time tanto careçe………………..Hoje o DOUGLAS tá bem no Grêmio, já esse time luta contra degola desesperadamente, erraram muitro, quando mandaram o DOUGLAS e o MAXI RODRIGUEZ embora, se ivessem mantido esses dois jogadores no time, o meio campo pelo menos teria vida, com dois volantes na pegada, teriamos um meio campo forte, criativo, municiador de bola………………………….Agora fazer contas, secar os outros, sofrer, esperar por uma supressa.

  • ODILON SILVA = RJ

    Jogando num domingo as 11:00 da manhã,dia dos país, ingressos custando 50 pratas, time jogando um futebol não convincente, time lutando contra o rebaixamento,não estava estreiando nenhum peruano ou argentino, 42 mil corações vascainos foram ao maracana, isso que é torcida, se faz presente nos piores momentos……………Lotar estádio, lotar o maracana na boa, assim é mole, quero vê nos horas dificeís, o carrocho só é o melhor amigo do homem, porque o acompanha em todos os momentos, nisso a torcida vascaina mostrou sera melhor………………..Basta vê que jogando na segunda divisão, o VASCÃO colocava 60 mil, 80 mil, 90 mil pessoas no maracana, pena que quando isso acontece, não valorizam, não enaltecem a torcida que carrega a cRUZ DE MALTA no peito, a torcida vascaina lota o maraca, bate recordes, e nada se falam ,nada se comentam,total indiferença com o VASCÃO, afzem de tudo para enfraquecer a torcida vascaina……………….Agora eu compreendo porque fazem de tudo, pregam o afsatamento vascaino do maracana, jogando no maracana o VASCÃO é forte, jogando no maracana a força da torcida BACALHAU é explicíta, isso incomoda……………………Joagndo no maracana logo, logo, o VASCÃO vai melhorar radicalmente sua posição em média de público na competição, jogando no maracana, logo o VASCÃO vai sair da décima quarta colocação em mèdia de público no competição, se tivesse jogando no maracana , hoje o VASCÃO estaria entre os promeiros em público na competição, verdadeiro lugar da imensa torcida vascaina.

  • Diogo

    O que eu observo nos jogos são os meias do Vasco se escondendo do jogo, se posicionando mal.. lamentável!

  • Ricardo

    Você lembra quando seu time foi campeão carioca? Lembra que você disse que seu time era competitivo, que a defesa era sensacional e era difícil fazer gol no Vasco? Que dava pra sonhar para o Brasileiro. Mudou de opinião? Você é um grande “engenheiro de obra pronta”.

    • André Schmidt

      Disse sim que a defesa era sólida e difícil de sofrer gols. E era assim com Doriva, não à toa empatou seus 3 primeiros jogos, sofrendo apenas um gol. As goleadas começaram a surgir com a chegada de Roth. O time do Brasileiro é completamente diferente do Carioca, o esquema é diferente e os jogadores também. A análise de um não serve para o outro, por isso as mudanças, inclusive de opinião.

  • William

    Perfeita sua análise. Porém sua constatação está baseada na ciência exata, os números. Além dos números serem incontestáveis, não dá pra jogar a culpa na tática quando Herrera perde um gol embaixo da trave, os zagueiros tentam fazer gol contra em dois lances subsequentes e o goleiro falha (Charles entregava a rapadura direto e o Martín também, contra o Palmeiras).
    Como a bola vai passar pelos meias se quase sempre jogamos com 3 volantes? Em qual jogo tivemos 2 meias? Alguns jogadores não têm psicológico pra jogar num clube da grandeza do Vasco. Outros se acham craques, exemplo de Rodrigo e Luan, que sempre que estão com a bola dão chutões em vez de saírem pelo meio. E isso acontece exatamente por que eles não confiam em entregar a bola para os volantes, já que não temos meia.

    O primeiro passo para melhorar seria colocar o Lucas e o Serginho como volantes, e Nenê e Jorge Henrique no meio, Riascos e Dagoberto na frente. Aí os laterias não precisam subir o tempo todo e não ficam levando bola nas costas.

MaisRecentes

Goleiro chileno pode assinar com o Vasco



Continue Lendo

Lateral revelado pelo Santos é mais uma novidade no time sub-23 do Vasco



Continue Lendo

Sub-23: Vasco contrata meia com passagem pelo futebol turco



Continue Lendo