Muriqui no Vasco



Muriqui atuou pelo Vasco entre 2004 e 2005 (Foto: Reprodução)

Muriqui atuou pelo Vasco entre 2004 e 2005 (Foto: Ricardo Cassiano/Lancepress)

Após 11 anos longe, Muriqui está perto de voltar ao Vasco.

O jogador, que vinha atuando no FC Tokyo, vem se recuperando de lesão e negocia seu retorno ao clube que o projetou no início da carreira. Com pré-contrato assinado com o time japonês, o jogador tenta sua liberação para permanecer no Brasil. A informação foi divulgada pelo site GloboEsporte.com e confirmada pelo blog.

Não é de hoje que o atleta manifesta sua vontade de retornar ao país. Recentemente, em entrevista à FOX, o jogador confirmou o desejo de consolidar seu nome em sua terra natal, já que viveu sua melhor fase da carreira atuando na China.

Esta poderá ser sua segunda passagem pelo Vasco. Entre 2004 e 2005, o atacante defendeu a equipe de São Januário disputando 15 jogos e marcando 3 gols.

– A PRIMEIRA PASSAGEM:

“Muriqui, o Robinho de São Januário”.

Com esta frase, a Revista Placar de novembro de 2004 apresentou a jovem revelação vascaína naquela temporada. Rápido e habilidoso, o meia-atacante de 18 anos já chamava a atenção nos profissionais.

Muriqui em destaque na Revista Placar (Foto: Reprodução/Placar)

Muriqui em destaque na Revista Placar (Foto: Reprodução/Placar)

Revelado pelo Madureira, chegou ao Cruz-Maltino em 2004, com apenas 17 anos de idade, após se destacar no Campeonato Carioca. Na época, o jogador foi contratado pelo atual gerente de futebol do clube, Isaías Tinoco.

Na ocasião, a grande contratação da equipe foi o meia Petkovic, camisa 10 do time no Brasileirão daquele ano. Do Tricolor Suburbano, ainda chegaram o zagueiro André, que retornou ao clube em 2008, e o lateral-direito Boiadeiro, que jamais disputou uma partida oficial pelo clube.

No primeiro jogo-treino, comandou a goleada sobre o Bonsucesso por 4 a 0, marcando dois gols. Seu cartão de visitas logo agradou o técnico Geninho.

Sua estreia aconteceu no dia 13 de junho, na 9ª rodada do campeonato, contra o Palmeiras, substituindo Alex Alves no 2º tempo. E o gol de empate da partida nasceu de uma jogada sua. Após fazer boa jogada individual, foi derrubado próximo da área. Pet cobrou e fechou o placar em 2 a 2.

A boa partida o credenciou a substitui o sérvio, expulso contra o Verdão após o gol, contra o Paraná. Formando dupla com Valdir, deu trabalho ao goleiro Flávio mas não conseguiu tirar o zero do marcador. No jogo seguinte, o brilho.

Com a condição de titular mantida mesmo com a volta de Petkovic – Cadu foi para o banco -, Muriqui foi o grande nome da vitória sobre o Internacional no Beira-Rio. Com um gol e uma assistência, o menino, que completara 18 anos na semana anterior, comandou o triunfo por 3 a 1 e confirmou sua rápida ascensão.

Dois jogos depois, porém, Geninho barrou o atacante, colocando Alex Alves novamente em seu lugar. Ainda assim, seguiu entrando nos jogos e tendo um bom rendimento. Até se lesionar pela primeira vez. Um mês após despontar, um estiramento na coxa o afastou dos gramados por 10 dias, dificultando ainda mais sua volta ao time titular. A lesão ainda o fez ser cortado da Seleção Brasileira Sub-20 que disputaria um torneio no Japão. Seria sua primeira convocação.

Em outubro, o atacante voltou a ser chamado pelo técnico Rene Weber para um período de treinamento. Dessa vez, sem contusões, se apresenta normalmente. Na volta, porém, mais lesões. Foram quatro no total, em ambas as coxas, em um espaço de menos de seis meses, terminando o ano com apenas 13 jogos e 3 gols marcados.

As seguidas lesões se tornaram um enigma em São Januário. Má alimentação, excesso de saídas, erro na preparação física e até problemas dentários foram apontados como os causadores dos problemas. Sem um veredito final, passou o fim de ano sem férias, para iniciar 2005 como uma realidade e não mais como promessa. Em vão.

Às vésperas da estreia na temporada 2015, contra a Portuguesa da Ilha do Governador, nova lesão. Outro estiramento na coxa e o fim da paciência do clube. Quatro meses depois, após longo tratamento, Muriqui voltou a atuar, mas dessa vez pelos juniores. Em sua estreia no sub-20, gol e vitória sobre o Flamengo – que tinha Egídio na época: 2 a 1. O volante Júnior, outro “rebaixado” aos juniores, fez o outro.

Após boas atuações na base, o meia-atacante voltou a ser relacionado entre os profissionais, atuando contra Goiás e Paraná, no Campeonato Brasileiro. Porém, sem se firmar, acabou deixando o clube no fim do ano, retornando ao Madureira, com status de ‘eterna promessa’.

Cinco anos depois, voltou a se destacar no cenário nacional com a camisa do Atlético Mineiro. Marcou 11 gols em apenas 26 jogos e acabou negociado com o futebol chinês, onde se tornou ídolo do Guangzhou Evergrande.

Mais de uma década depois, Muriqui pode voltar ao Vasco para fechar seu ciclo iniciado em 2004.



MaisRecentes

Especial 120 anos: o maior Vasco de todos os tempos



Continue Lendo

Jorginho teve um dos piores aproveitamentos de um técnico do Vasco nesta década



Continue Lendo

A vitória amarga



Continue Lendo