A mudança de Jean



Jean subiu de produção nos últimos jogos (Foto: Paulo Fernandes)

Jean subiu de produção nos últimos jogos (Foto: Paulo Fernandes)

Jean estreou pelo Vasco na vitória sobre o Resende, por 2 a 1, pelo Carioca. Em apenas 45 minutos, conseguiu dois desarmes, alguns bons bloqueios e deixou o gramado aplaudido pela torcida.

Nos jogos seguintes, entretanto, o volante teve algumas dificuldades no posicionamento. O excesso de vontade em campo muitas vezes vinha acompanhado de brechas defensivas. As subidas do camisa 5, com ou sem bola, deixavam a defesa exposta.

A chegada de Milton Mendes, porém, tem mudado este panorama. E a forma de jogar.

Sob o comando do novo treinador, Jean tem aparecido menos com a bola e mais nos desarmes. A transição defesa-ataque passou a ser de responsabilidade de Douglas Luiz, Andrezinho e Nenê e menos do cabeça de área, antes sobrecarregado.

Posicionado muitas vezes mais centralizado, como o ‘1’ do 4-1-4-1, quando o Vasco tem a posse e Douglas sobe para ajudar na criação – deixando pra trás o 4-2-3-1 -, Jean se encaixou no setor defensivo proposto por Milton Mendes.

Passou a ser uma peça da zaga, não mais de ligação.

No mapa da esquerda, o posicionamento de Jean contra o Flamengo sob o comando de Cristóvão Borges. Na direita, seu posicionamento no clássico com Milton Mendes. Note que o camisa 5 praticamente não cruza a linha do meio-campo na 2ª partida, mas cai dos dois lados para fazer a cobertura. Na 1ª partida, porém, com Cristóvão, além de mais avançado, atuou prioritariamente pela direita, ajudando no corredor, mas dando espaços no meio. (Mapa: Footstats)

No mapa da esquerda, o posicionamento de Jean contra o Flamengo sob o comando de Cristóvão Borges. Na direita, seu posicionamento no clássico com Milton Mendes. Note que o camisa 5 praticamente não cruza a linha do meio-campo na 2ª partida, mas cai dos dois lados para fazer a cobertura. Já no 1º jogo, porém, com Cristóvão, além de mais avançado – algumas vezes se aproximando da área adversária, atuou prioritariamente pela direita, ajudando no corredor, mas dando espaços no meio. (Mapa: Footstats)

A função de levar a bola à frente mudou de mãos, evitando que a receba nas costas. Mais postado, Jean erra menos e se coloca melhor. E os números mostram isso.

Nos cinco jogos pelo Estadual com Cristóvão Borges, o volante teve uma média de 30 tentativas de passes por partida e 2,6 desarmes. Com Milton, nas quatro rodadas até agora, tocou aproximadamente a metade de vezes – 16,7/jogo – e roubou quase o dobro – média de 4 por duelo.

A mudança aflorou a principal qualidade de Jean, os desarmes, e minimizou a deficiência, os passes mais incisivos e as subidas desnecessárias para dar combate no campo de ataque. E tem dado certo.



  • Luciano Silva

    Esse comentário é mais um elemento para vermos a grande diferença entre o péssimo técnico Cristóvão e o M. Mendes . Mas esquecendo o passado ao Jean é o típico jogador que a torcida gosta . Não é craque (longe disso) , porém tem raça e honra o manto que veste. Porém acredito que o Bruno Paulista (que a imprensa portuguesa dá como certo no Vasco) vai tomar conta dá posição , pois como jogou no Bahia e pelo que vimos nos treinos no Vasco é um ótimo jogador. E vai ter jogos no Brasileirão que vamos que ter que fechar a casinha e jogar com 3 cabeças de área , ou seja com B. Paulista , Jean(Gallo) e o Douglas. SV

    • PEDRO IVO COELHO CABRAL

      Com a carência de meias de criação eficientes e de atacante competentes. Melhor encher o time de cabeças de bagre mesmo… pra ver se consegue os 46 pontos no brasileirão. Infelizmente enquanto o S.r Eurico comandar o Clube com suas ideias pra lá de ultrapassadas, o Vasco terá de tomar atitude de time mediano… ou algum vascaíno minimamente consciente acredita que com este plantel teremos condições de encarar times como Cruzeiro, Atlético MG, Grêmio, Santos, Palmeiras, Flamengo e até São Pauli e Corínthians de igual para igual?
      Na casa deles, teremos que fechar a casinha e jogar por uma bola(que nem joga o Bangu quando nos enfrenta por exemplo). Em São Januário teremos que ter muita dedicação e eficiencia se quisermos agredir a meta deles…
      Infelizmente conseguiremos encarar de igual pra igual apenas equipes do segundo escalão nacional e olhe lá. Porque até o Vitória, Ponte Preta, Chape, Bahia, Coritiba, Atlético PR virão ao RJ para ganhar… e na casa deles será uma pedreira… Então devemos viver o momento e jogar para nos mantermos na elite… para quem sabe nos próximos anos possamos gozar daquilo que a instituição merece… para começar, aposenta o S.r Eurico e sua trup. Com uma administração moderna, teremos uma imagem descente para atrair investidores e jogadores dignos de vestir o manto sagrado cruzmaltino…

      • Luciano Silva

        Ta certo parceiro . SV

  • Egberto Casazza

    Cara, vc tá certo em diversos aspectos, mas não teremos dificuldades nesse brasileiro. Não “vamos para as cabeças”, como dizem por aí, mas são poucos os times fortes neste campeonato. Fora que nesta temporada nosso elenco está mais qualificado e os salários estão em dia. SV e bom feriado!

MaisRecentes

Vasco rescinde com dois jogadores dos juniores



Continue Lendo

Quadrilha vascaína



Continue Lendo

Nenê: titular ou opção no banco?



Continue Lendo