Mais do que a classificação, Vasco ganhou opções



Caio Monteiro marcou seu 1º gol como profissional (Foto: Paulo Sergio/Lancepress)

Caio Monteiro marcou seu 1º gol como profissional (Foto: Paulo Sergio/Lancepress)

Quando o nome de Evander apareceu entre os titulares, o torcedor vascaíno ganhou um motivo extra para assistir o duelo entre Vasco e Remo. Com a classificação bem encaminhada e um time misto, assistir a estreia do menino – tantas vezes camisa 10 da Seleção Brasileira Sub-17 – como titular nos profissionais, se tornou uma das principais atrações da noite.

Jorginho aproveitou o melhor momento para testar o meia: não era uma equipe só com reservas e nem um jogo sem importância. Tinha Nenê ao lado e valia vaga. Nenhuma decisão, mas também não era um simples amistoso. Um erro e poderia custar caro, mas um risco calculado. Uma pressão dosada em cima do garoto.

Apesar do início nervoso, onde passou grande parte do tempo escondido no setor ofensivo pela direita, foi bem. Principalmente quando passou a voltar para compôr defensivamente e trabalhar as jogadas ainda no campo de defesa. Tanto que terminou a partida como o jogador vascaíno com mais desarmes certos: 2. Ainda deixou o gramado com uma assistência para gol, na cobrança de escanteio perfeita na cabeça de Rafael Vaz, e um belo passe para Nenê servir Caio Monteiro no primeiro tento.

Evander, assim como os outros jovens que subiram da base, precisam de tempo. Em campo. São essas oportunidades ao longo da temporada, entrando sem a responsabilidade de decidir, que farão com que se firmem nos profissionais.

Sem lesões e sem pressão para ser o ‘novo Felipe’, Henrique é outro que voltou a render. Após uma série de passagens pelo Departamento Médico, voltou a ganhar oportunidades mesmo sabendo que Júlio César, hoje, é o titular indiscutível, e tem desempenhado um excelente papel na lateral esquerda. Sem a obrigação de resolver, tem tido tranquilidade para cavar seu espaço.

Caio Monteiro, o mais aproveitado por Jorginho até então, foi o primeiro a tirar o peso de balançar as redes na equipe principal. Entrou mais uma vez buscando o jogo e forçando as jogadas pela ponta, mas foi centralizando como centroavante que deixou a sua marca. Se já estava em alta com o treinador, agora ainda mais.

Evander se tornou uma opção para a vaga de Julio dos Santos, quando o técnico entender que precisa de mais criação no meio-campo. Henrique ainda não ameaça Júlio César, mas se mostrou uma opção segura para a lateral quando necessário. Já Caio, que antes parecia estar atrás de Eder Luis como substituto natural de Jorge Henrique, colocou uma pulga na orelha de Jorginho.

Mais do que a classificação para a próxima fase da Copa do Brasil, contra o Remo, o Vasco ganhou opções para a final do Carioca com o Botafogo. O time titular dificilmente terá modificações, mas o banco num jogo tão equilibrado pode ser decisivo.



MaisRecentes

As gratas surpresas de Cristóvão no Vasco



Continue Lendo

Bicampeão, Nenê começa bem o Troféu Ademir Menezes 2017



Continue Lendo

Primeiras impressões sobre o Vasco 2017



Continue Lendo