Luis Fabiano e a intimidade do gol



Luis Fabiano fez o gol da vitória do Vasco sobre o Bahia (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco)

Luis Fabiano fez o gol da vitória do Vasco sobre o Bahia (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco)

Certos momentos precisam de intimidade. Possuem a necessidade de serem saboreados a dois, apenas. O gol de número 400 da carreira de Luis Fabiano foi assim: ele e a rede, mais ninguém.

Apesar dos olhares de mais de 19 mil torcedores presentes a São Januário, o tento foi a simbiose de duas espécies que vivem constantemente em harmonia: o artilheiro e a malha branca que a bola chama de lar.

Só existe gol fácil para quem sabe fazer. Aos que só conhecem por nome, até o verde do gramado atrapalha. Não é o caso de Fabuloso. Mas ele queria privacidade. E Jean não a dava.

Por duas vezes o goleiro do Bahia parou o centroavante. Na primeira, de forma humana, espalmou sua cabeçada. Na outra, usou do ocultismo para frear o arremate do atacante em seu contrapé.

Fabuloso, porém, reservou um momento íntimo para balançar as redes pela 400ª vez. Só ele e o gol, como numa noite de núpcias. Neste caso, uma manhã.

Antes, entretanto, deixou Pikachu livre para abrir o marcador. Fez o papel de garçom que deveria ser de Nenê, que acompanhou do banco pela primeira vez a atuação do time.

De toda dificuldade que Luis Fabiano possa ter em razão da idade, a perda de olfato ainda não é um dos problemas. Foi pelo cheiro que o camisa 9 se posicionou próximo à trave oposta em que Kelvin finalizou.

Enquanto uns procuram a bola, Fabuloso só visa o gol. E perto dele ficou, empurrando de forma quase que amigável para marcar o segundo do Vasco. Foi como se não quisesse machucar a rede, já tão castigada por ele nestes quase 20 anos de carreira.

Amizade que os vascaínos esperam que seja duradoura e intensa durante este Brasileiro. Que seja fabulosa.



  • Luciano Silva

    O que melhorou foi que o Milton Mendes botou jogadores para correrem para o Luiz Fabiano . O futebol jogado hoje não permite que um time com 11 jogadores , fiquem 2 em campo que não marquem ou pelo menos cerquem . E foi tirando o Nenê que viu-se a melhora do time com a entrada de jogadores mais solidários em campo. S V

    • Flávio Abreu

      O que mais eu vi no Vasco foi jogador que corria, mas não tinha qualidade, não era craque. Quer velocidade, bota o Thales no ataque! Todo o mundo corria, mas a qualidade do passe e dos lançamentos, passavam longe. Nessa brincadeira, foram 3 quedas para a 2a divisão.
      O Bahia jogou sem 6 titulares. Queria ver se ele estivesse completo, se a história teria esse mesmo desfecho…????

  • Gustavo Leite

    Melhoramos mas não estamos nem perto do ideal que esse elenco pode dar. E pode dar um Brasileirão sem sustos somente.
    O time do Vasco, o melhor que temos, com esse elenco é o seguinte:
    1 – Martin
    2 – Gilberto
    3 – Rafa Marques/Breno
    4 – Paulão
    6 – Gulherme
    5 – Andrey
    7- Paulista
    8 – DG
    10 – Matheus
    11-Kelvin
    9 – LF
    É o que temos de melhor. Adiantar DG para a meia direita, usando o flanco do campo, dar ao Matheus a liberdade de arriscar o drible sempre em jogadas de flanco com Kelvin e reforçar a defesa com dois cabeças de área novos e com bastante pulmão. O vasco de 2017, se quiser ficar na Série A, vai ter de jogar no LIMITE SEMPRE. Sábado tem mais,

MaisRecentes

Filantropia vascaína



Continue Lendo

Vasco rescinde com dois jogadores dos juniores



Continue Lendo

Quadrilha vascaína



Continue Lendo