Luan e a paciência vascaína



Luan vive um excelente momento no Vasco (Foto: Wagner Meier/LANCE!Press)

Luan vive um excelente momento no Vasco (Foto: Wagner Meier/LANCE!Press)

No Vasco funciona assim: quando o garoto é da base e quase ninguém vê jogar, só lê que o garoto vem bem, que foi convocado para a Seleção Sub-20 e é considerado uma promessa, todos pedem sua subida para os profissionais. Mas basta o jogador errar um lance ou o time não ir bem que já vão logo em cima do mais novo.

Assim como quase tudo na vida, temos o péssimo hábito de valorizar as coisas apenas depois de perdermos elas. Se Luan tivesse saído do clube em 2012 ou em 2013, após lesão e rebaixamento, talvez ninguém reclamasse instantaneamente. É possível que alguns até comemorassem.

Mas hoje a coisa é diferente.

O sucesso de Luan é a prova de que, se tivermos paciência com os jovens que sobem, podemos – e iremos – colher bons frutos. Mas é preciso tempo e calma, e não só com ele.

Para se ter uma ideia, quando falamos em Felipe e Pedrinho, lembramos dos vitoriosos anos entre 97 e 2000. Porém, poucos recordam que o meia estreou na equipe principal em 1995, um ano antes do lateral-esquerdo.

Assim como todo garoto que sobe hoje, eram simples apostas, pouco conhecidos da torcida. Não chegaram arrebentando, viveram altos e baixos, erraram, acertaram, aprenderam, ficaram um longo período no banco, entrando de vez em quando nos jogos e, tempos depois, finalmente assumiram a condição de titulares.

Não é todo dia que nasce um Pelé, um Maradona, um Ronaldo ou um Neymar. Um cara que com 18 anos já está destruindo nos jogos. Não podemos esperar que todos da base estejam prontos com 16, 17, ou que seja com 20 anos. Não é tão simples assim.

Temos uma boa base, temos que aprender a valoriza-la enquanto ainda está no clube para não reclamar depois. Descartar uma promessa é o mesmo que fabricar armas para o inimigo.

Luan deu a volta por cima, calou os críticos e é um dos maiores responsáveis pelo bom momento do Vasco. Assim como hoje ele é peça fundamental, amanhã, Jordi, Lorran, Jhon Cley, Thalles e outros também podem ser.

Mas é preciso paciência.

Saudações vascaínas! /+/

FACEBOOK – https://www.facebook.com/BlogDoGarone
TWITTER – https://twitter.com/BlogDoGarone



  • Leo

    Sempre fui fã desse jogador e sempre falei que merecia uma chance no time titular desde 2013, no ano do rebaixamento antes de se lesionar comentei que ele era MT melhor que Cris e Jomar, mts cornetaram.
    Caso parecido com o Dedé, diferente apenas sua formação de base, mas as mesmas críticas severas em cima do jogador.
    Pra mim o melhor zagueiro do Vasco e do futebol carioca, ainda tem MT à evoluir mas é novo e o que lhe falta é experiência que só se adquire com o tempo e com jogos.
    minha humilde opinião a zanga com ele e o Dedo seria a melhor de todos os tempos que vinos meus meros 23 anos de Vasco.
    Abraços

  • tulio

    Luan não foi bem no brasileiro da serie B ano passado. Aguardarei o Brasileirão deste ano para opinar. Não sou fã do Douglas na zaga. É lento e faltoso.
    Rodrigo é metido a xerife, mas tem liderança. Precisamos de um lateral esquerdo estilo Jumar, o mito.

  • GARONE, gostaria de saber se você tem a intenção de escrever sobre as arbitragens dos jogos Vasco e Flamengo,tendo em vista o clássico que esta por vir e que ja esta na cabeça dos Vascaínos…. A torcida ja inicia o jogo irritada com a arbitragem devido a tantos erros nos ultimos jogos e acredito que isso também afeta o time em campo ….o Vascaíno lê em vários veículos da imprensa que há tempo que não ganhamos deles,,gostaria de ler e ter a relação da quantidade de jogos que não deixaram o Vasco ganhar com erros grotescos e absurdos !! SAUDAÇÕES VASCAÍNAS E ESPERO A VITÓRIA NO CLÁSSICO !!

  • Matheus Brito

    O Luan é promissor desde os tempos do Dedé. No grupo de 2013 qualquer grande promessa poderia se queimar, bem como qualquer promessa ano passado poderia ser taxada de preguiçosa, visto que o time do ano passado era um marasmo só (salvo exceções).
    Uma coisa é apostar na base e esses não vingarem, outra coisa é o cara nem ter oportunidade (Guilherme Costa, por exemplo) e outra coisa totalmente diferente é tentar enxergar talento onde não existe. Imagino a angústia do Doriva em ter que olhar todo dia para o Romarinho e não poder excluir da lista do carioca.

  • Melhorou muito , porém , comete falhas de posicionamento e na marcação . O gol do Nova Iguaçu poderia ser evitado tranquilamente .
    Humildade e Treinamento ! Avante Vascão !

MaisRecentes

Memórias do Morumbi



Continue Lendo

Rescisão de Julio dos Santos com o Vasco é publicada no BID



Continue Lendo

O silêncio dos inocentes



Continue Lendo