A longa pré-temporada do Vasco



Douglas foi um dos destaques do Vasco (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco)

Douglas foi um dos destaques do Vasco (Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco)

O Vasco parece estar em uma eterna pré-temporada. Há anos. Quando não falta uma definição de jogo, é escassa a variação dela. Ou o físico falha. Entre estar sem ritmo e ficar desgastado, sobram poucos jogos. Sempre há uma explicação para a falta de bom futebol. Em início de ano, ainda mais.

Contra o Vila Nova, Cristóvão não teve Nenê. Não teve também, novamente, os dois pontas abertos. Wagner foi titular, assim como no clássico com o Flamengo, deixando Guilherme Costa no banco. Um dos melhores do time nos primeiros jogos do ano parece ter perdido a posição por ser mais jovem que seus concorrentes. Em campo, porém, apresentou, até o momento, mais que Andrezinho e Wagner, dupla que iniciou o duelo desta quarta-feira.

Cristóvão testou um Vasco com dois meias como volantes nos primeiros jogos do ano. Desistiu. Depois, com wingers. E parece te desistido. No duelo com os goianos, abriu mão do 4-2-3-1, fazendo um 4-4-2 clássico com Thalles e Kelvin na frente. Não funcionou.

Com 11 partidas em 2017, a equipe parece estar ainda em pré-temporada. Quando dá sinais de que encontrou um padrão e que começará uma evolução, altera o esquema, a postura, e recomeça do zero.

Jean por vezes foi terceiro zagueiro. A liberdade dada para Douglas Luiz, Wagner e Andrezinho, entretanto, virou libertinagem em alguns momentos, com os três caindo pelo mesmo lado, dando espaço no meio-campo.

Melhorou no 2º tempo, mas quase foi tarde demais.

O lado direito vinha sendo a principal arma ofensiva do time nas últimas rodadas. Wagner e Andrezinho, porém, povoaram a esquerda e isolaram Kelvin e Gilberto. O rápido atacante teve que mudar de lado para criar. No primeiro lance, iniciou a jogada do gol.

Lado esquerdo, pé canhoto e tudo direito. Thalles usou o pé cego para arregalar os olhos da torcida. Como que por deboche, a bola ainda tocou o travessão antes de entrar. Um beijo de boa noite na testa e um até logo para o camisa 1, que nada pôde fazer.

Um alento para uma equipe de poucos gols, que precisava da vitória para avançar. Tranquilidade, entretanto, que durou pouco. A dificuldade para criar e o excesso de lançamentos – 48 no total – logo voltaram ao roteiro vascaíno.

O Vila cresceu, e empatou em um pênalti contestável. Em um gol, porém, que vinha fazendo por merecer. A bola no ar deixou as duas equipes no mesmo patamar. No chão, os goianos mostraram mais fome. Os vascaínos, mais qualidade.

Com a balança equilibrada, a partida caminhava para a igualdade. Até que o maior peso do Vila Nova mudou de lado.

A defesa montada por Mazola Júnior vinha tão bem no jogo, que acabou superada apenas por ela mesma. A infelicidade de Brunão contrastou com a alegria de Wagner. Na cabeçada errada do zagueiro, uma testada certeira do meia e a classificação para a próxima fase da Copa do Brasil.

Muito pouco para quem almeja um ano mais tranquilo que os últimos. Muita sorte – e pouca bola – para quem não pode dar mole para o azar.



  • Luciano Silva

    É de olhos visto que a “pre-temporada” não vai terminar enquanto esse treineiro do Cristóvão continuar . A equipe não tem nenhum padrão de jogo e jogadas ensaiadas . Tem colegas que dizem que é para ter calma que é início de temporada , porém já estamos jogando campeonatos importante é a equipe tem que mostrar serviço . Eu demitiria o Cristóvão hj mesmo . Tentaria trazer o Dorival Júnior (que está balançando no Santos) ou em último caso traria o Guto Ferreira . SV

  • Vander Vasco

    eterna “pré-temporada” mal feita a anos… é sempre a mesma coisa… e esse ano tem um agravante, começou com um pseudo-técnico, o eterno auxiliar no “comando”… sinceramente se continuar com ele no Brasileirão vão esperar superar o pior turno de todos os tempos como em 2015 pra mudar o que será tarde demais????

    • Alessandro Louzada

      Verdade..mas o problema nao é demitir ele, é achar um substituto decente.

  • Jose Ferreira

    minha nossa esse não serve nem para ser técnico de futebol de botão,
    ganha do vila nova na sorte e no erro e ainda acha que tá bom, só falta
    ele disser que foi mais a cara do Vasco. Perdeu de 4 grandes já.
    VERGONHA. PAGO PRA VER ISSO.

  • Jose Ferreira

    O CARA NÃO CONSEGUIU GANHAR DE NENHUM GRANDE, E QUANDO GANHA DOS PEQUENOS ACHA QUE TÁ BOM. QUE TÉCNICO É ESSE?????? PAGO DE SOCIO EXIJO MEUS DIREITOS

  • Alessandro Louzada

    Cristovao é muito incoerente, assim como Jorginho. Por mais que Andrezinho mereça uma oportunidade em sua posiçao, Guilherme vem jogando bem e nao merecia banco, pelas características ele pode jogar aberto ou centralizado. Existe uma infinidade de taticas que ele pode usar, Manga esta pronto e ate hj n recebeu sequer 10 min em campo? Nao seja como a maioria dos tecnicos Brasileiro que sao “anti gringos”, veja o exemplo do Abel, deu chance pra Orejuela e Sornoza, HOJE eles fazem o time jogar. Acha que Muriqui vai entrar em forma apenas treinando? Se nao colocar pra jogar 20min TODO JOGO, nao tera ritmo NUNCA.

    • Carlos Geovanni

      mas o guilherme não é armador , o andrezinho e o nene sim ele errou em tirar o garoto para colocar o vagner , ganhou a posição no nome !

      • Alessandro Louzada

        Nene é armador? So se for na cabeça do Cristovao. Apenas Wagner e Andrezinho possuem caracteristicas de armador.

  • Edison Lopes

    Torcer com o coração na mão , rezar para que uma bola entre, como aquela do Talles. O Vasco ainda ão encontrou uma formação que se diga, tem um padrão de jogo definido.Ontem foi muito dificil, o Gilberto não estava bem, o meio de campo deu muitos espaços e a bola não é trabalhada no ataque.Precisa melhorar muito.

  • Bruno Felipe

    O momento de testar formações é esse, no início de temporada. É lógico que o Vasco está ainda em pré-temporada, a maioria dos reforços estão sem ritmo de jogo por estarem muito tempo sem jogar, como Gilberto, Wagner, Jean. O Douglas não fez a pré-temporada com o time, então está desentrosado. O time mudou muito, só a zaga praticamente foi mantida, é cobrar demais padrão tático, volume de jogo e boas atuações com 1 mês e meio de trabalho, nem o Guardiola conseguiria e também estaria testando várias formações. Quanto ao Guilherme ser titular, pelo amor de Deus, qualquer um que acompanhe futebol olha e sabe que ele é fraco, não deve ser nem banco durante o ano, assim como foi em clubes como o Bragantino onde foi emprestado e nem lá se firmou.

    • Carlos Geovanni

      Amigo a maioria dos reforços estão sem ritmo porque nem jogavam nos seus times , kelvin, wagner, muriqui, gilberto e agora o luiz fabiano , o vasco não contratou ninguem que era titular é um time de encostados e regeitados e se algum entrar em forma sera la pela 5,6,7 rodado do brasileiro !

  • Ailton Ferreira

    E o coitado do Evander? Cristóvão parece já ter desistido do garoto. E o Caio Monteiro? E o Matheus PET/Vital? Cadê o Bruno Consendey? Andrey?
    Se não põe os garotos pra jogar no fráquissimo carioca vai botar pra jogar quando? Vai testar eles no Brasileiro?

    Se é só pra entregar colete até eu sirvo pra ser técnico desse time. Só não vê quem não quer que não vamos ter muito mais do que isso com o Cristovão.

    Guilherme costa tem que ser titular desse time, por que que com os veteranos se tem paciência e se deixa jogar 5, 7 partidas na titularidade mesmo jogando mal, e os garotos nunca tem mais do que 1 ou 2 chances e já são sacados da equipe?

    Sem falar em esquema tático, pq parece que nem treinar esse time treina, aliás, treina uma única jogada, bola esticada pro Thales fazer o pivô e ver no que é que dá.

    Não vi críticas ao Henrique aqui, e pra min ele está jogando bem, não compromete, mas tem uma galera que pegou o garoto pra cristo (tipo o JC lá na ESPN). Parece que as pessoas criticam só por criticar, deixa o garoto jogar.

  • Norberto Freund

    Acho que seria normal para qualquer técnico com mudança de elenco a dificuldade em montar um time com padrão e variações.
    Mas o nosso técnico consegue com suas incoerências aumentar essa dificuldade.
    A sua insistência com Vagner foi irritante. Ele ganhou um gol mas não merecia estar em campo 90 minutos, quando no banco tinha Muriqui , Manga e até o Escudero que entrou depois, e que também precisam ganhar condição de jogo.
    Os jogadores do Vasco não sabem o que fazer com a bola , e os mais rápidos como Douglas e Kelvin não encontram eco nos outros. Nem acho que a ausência do Nenê influiu no tal padrão que falta. Será que ele tem um esquema de jogo na cabeça.? O Luan entrevistado na saída falou que os jogadores não estão conseguindo seguir as instruções do técnico.
    Agora tem 11 dias para “entrosar” o time . Mas desafio quem possa dizer qual a posição de Wagner, Escudero, Andrezinho, Guilherme . Nossa pré-temporada poderá ser longa, com Cristovão será lotérica

  • Dirceu

    É preciso que se diga de forma direta e clara, que o time do Vasco tem jogado repetitivamente mal, sem mostrar qualquer organização tática.
    Não existem jogadas ensaiadas, os lances ocorrem aleatoriamente, em função da improvisação dos jogadores; não vemos o time sair desde a defesa jogando, nosso goleiro recoloca a bola em jogo, o tempo todo com chutões diretamente para o ataque com, evidentes, chances mínimas de que a sobra seja de nosso time, e as muitas bolas que lhe são recuadas acabam sendo isoladas em infrutíferas tentativas de ligação direta.
    Os meias não se aproximam dos laterais, inexistindo as triangulações para as jogadas nas laterais, que possam resultar em cruzamentos em direção à área, colocando os atacantes e meias em aproximação, em condições de finalizarem a gol.
    As subidas dos volantes não são sincronizadas em tempo, nem em posicionamento, é nosso meio de campo de criação é muito lento.
    A entrada do Andrezinho, totalmente inapropriada e sem qualquer efetividade, somada a completa falta de entrosamento entre ele e o Wagner, mostraram que nosso técnico está tentando, aleatoriamente, encontrar milagrosamente uma formação para o time que funcione.
    Acontece que os milagres não se fazem a todo momento, em especial no futebol. Um time para funcionar, ser eficiente, precisa estar organizado, treinado para fazer em campo todos as jogadas e alternativas preparadas por seu técnico.
    Conclui-se então, que um time para ser efetivo e obter, consistentemente resultados positivos, precisa de um bom técnico, com capacidade e criatividade para incutir em sua equipe, o padrão de jogo e as alternativas de jogadas, que lhe permitirão criar as inúmeras oportunidades de gol, necessárias à transformação de poucas delas em gol.
    No caso do Vasco, fica claro que o Cristóvão não é, definitivamente, o técnico com essas capacidades, pois até hoje ( não faltarão desculpas), seu time nada nos mostrou.
    Além disso, parece lhe faltar também a coragem para colocar em campo aqueles que estão melhores no momento, deixando no banco as “velhas estrelas”. (Este ponto é comprovado com a escalação do Andrezinho e a persistência em lançar o Escudero e o Muriqui, totalmente sem condições físicas)
    Resumo da ópera: O tempo só traz a melhora, se existir uma clara evolução. Mas se ela não existe, ele correrá sempre contra nós, transformando-se em um inimigo que nos destrói pouco a pouco. Assim, o quanto antes nos livrarmos das incompetências, mas rápido chegaremos às vitórias, às apresentações de qualidade, e nos afastaremos da mediocridade, dos vexames, e do sofrimento.

  • Carlos Geovanni

    Realmente o vasco precisa de um técnico para o brasileirão com cristovão não da pra ficar mas a pergunta é caros colegas QUEM ?
    so vejo o luxenburgo de técnico a altura desempregado e mesmo assim é caro.

    • Ailton Ferreira

      Não cara, Luxemburgo não pelo amor de Deus.
      Tenho certeza que a maioria dos técnicos iriam querer trabalhar com esse elenco atual, não é time pra brigar pra cair, mas também não é pra sonhar com libertadores, mas com técnico, coisa que Cristóvão não é, dá pra ser competitivo sim.

      Opções tem várias, Guto Ferreira seria uma boa por exemplo.

      • Carlos Geovanni

        Amigo para contratar o Guto ferreira ficava com o Jorginho que é muito mais técnico que o Cristóvão .Precisamos de um cara de nome um cara campeão.

        • Ailton Ferreira

          Eu acho que a gente precisa de um técnico que dê um jeito no time, citei o Guto Ferreira pelos últimos bons trabalhos, Luxemburgo vive só de nome ha muito tempo.

  • Dirceu

    É preciso que se diga de forma direta e clara, que o time do Vasco tem jogado repetitivamente mal, sem mostrar qualquer organização tática.
    Não existem jogadas ensaiadas, os lances ocorrem aleatoriamente, em função da improvisação dos jogadores; não vemos o time sair desde a defesa jogando, nosso goleiro recoloca a bola em jogo, o tempo todo com chutões diretamente para o ataque com, evidentes, chances mínimas de que a sobra seja de nosso time, e as muitas bolas que lhe são recuadas acabam sendo isoladas em infrutíferas tentativas de ligação direta.
    Os meias não se aproximam dos laterais, inexistindo as triangulações para as jogadas nas laterais, que possam resultar em cruzamentos em direção à área, colocando os atacantes e meias em aproximação, em condições de finalizarem a gol.
    As subidas dos volantes não são sincronizadas em tempo, nem em posicionamento, é nosso meio de campo de criação é muito lento.
    A entrada do Andrezinho, totalmente inapropriada e sem qualquer efetividade, somada a completa falta de entrosamento entre ele e o Wagner, mostraram que nosso técnico está tentando, aleatoriamente, encontrar milagrosamente uma formação para o time que funcione.
    Acontece que os milagres não se fazem a todo momento, em especial no futebol. Um time para funcionar, ser eficiente, precisa estar organizado, treinado para fazer em campo todos as jogadas e alternativas preparadas por seu técnico.
    Conclui-se então, que um time para ser efetivo e obter, consistentemente resultados positivos, precisa de um bom técnico, com capacidade e criatividade para incutir em sua equipe, o padrão de jogo e as alternativas de jogadas, que lhe permitirão criar as inúmeras oportunidades de gol, necessárias à transformação de poucas delas em gol.
    No caso do Vasco, fica claro que o Cristóvão não é, definitivamente, o técnico com essas capacidades, pois até hoje ( não faltarão desculpas), seu time nada nos mostrou.
    Além disso, parece lhe faltar também a coragem para colocar em campo aqueles que estão melhores no momento, deixando no banco as “velhas estrelas”. (Este ponto é comprovado com a escalação do Andrezinho e a persistência em lançar o Escudero e o Muriqui, totalmente sem condições físicas)
    Resumo da ópera: O tempo só traz a melhora, se existir uma clara evolução. Mas se ela não existe, ele correrá sempre contra nós, transformando-se em um inimigo que nos destrói pouco a pouco. Assim, o quanto antes nos livrarmos das incompetências, mas rápido chegaremos às vitórias, às apresentações de qualidade, e nos afastaremos da mediocridade, dos vexames, e do sofrimento.

  • Felipe Gama

    Todos nós ja sabiamos que com Cristovão só iriamos sofrer. nenhuma novidade ver o Vasco sem esquema de jogo e sem time definido e cheio de contradições. Podem me chamar de louco, mas sinceramente eu apostaria no Fernando Diniz, imploraria pro Jorginho voltar ou garimparia Brasil e Mundo afora algum tecnico novo com a cabeça voltada pro futebol de hoje em dia.

MaisRecentes

Em enquete, Anderson Martins é eleito o melhor do Vasco em campo pelo segundo jogo consecutivo



Continue Lendo

Artilheiro do Vasco no ano, Nenê dispara na liderança do Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

O drible de PV, o gol de Nenê e o 0 a 0 que balançou as redes



Continue Lendo