‘Lembra dele no Vasco?’ – Cobi Jones



Cobi completa 45 anos nesta terça-feira (Foto: Reprodução)

Cobi completa 45 anos nesta terça-feira (Foto: Reprodução)

Dia 16 de junho de 1970. Nesta data, nascia uma das figuras mais folclóricas que passou pelo Vasco durante os anos 90. Ele faz parte de uma espécie de ‘lado B’ cruz-maltino da década que ficou marcada por grandes títulos, com a Libertadores de 98 e o Brasileiro de 97.

Com certeza uma das contratações mais estranhas feitas pelo time de São Januário em toda a sua história. Cobi Jones foi trazido pelo pelo clube em 95, logo após disputar a Copa do Mundo do ano anterior pela seleção dos Estados Unidos.

O americano acabou disputando apenas quatro partidas pela equipe carioca, duas como lateral esquerdo, uma como apoiador e outra como atacante e não marcou nenhum gol. Sempre defendendo o ‘Expressinho’ vascaíno, que contava com jovens que subiam da base e alguns mais experientes que não vinham sendo aproveitados pelo técnico Jair Pereira.

Jones em treino do Vasco (Foto: Carlos Ivan/Ag.Globo)

Jones em treino do Vasco (Foto: Carlos Ivan/Ag.Globo)

Sem sucesso no Brasil mas reconhecido em seu país, retornou rapidamente a sua terra natal. Por lá, Cobi defendeu o Los Angeles Galaxy e o Coventry City. Com três Copas disputadas no currículo, é o atleta que mais vezes defendeu a seleção norte-americana. Atualmente é treinador.

FICHA DO JOGADOR
Cobi N’Gai Jones
Meia, 16/06/1970, Detroit-EUA

ESTREIA DE COBI JONES PELO VASCO

Vasco Da Gama 2 x 1 Campo Grande (RJ)
Data: 21/10/1995
Copa Rio
Local : Campo do Internacional de Jacarepaguá (Rio De Janeiro – RJ)
Arbitro : José Roberto Ezequiel
Público : Não Informado
Gols : Richardson (Vasco 14/1ºT), Pedro Renato (Vasco 42/1ºT) e ? (Campo Grande ?/?ºT)

Vasco – Márcio, Fausto, Valkmar, Leonardo Siqueira, Jefferson, Cristiano, Richardson (Cobi Jones), Geovani (Genílson), Yan, Robinho e Pedro Renato (Igor) Técnico : Alcir Portella

Campo Grande – DESCONHECIDO
Técnico : DESCONHECIDO



MaisRecentes

Ríos assume a liderança do Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

Um Vasco mais consciente



Continue Lendo

A fragilidade defensiva do Vasco



Continue Lendo