A inversão de Zé Ricardo



Zé Ricardo tem feito um bom trabalho de reconstrução do Vasco (Foto: Jorge Rodrigues/Eleven)

Martín Silva, Yago Pikachu, Erazo, Ricardo Graça e Henrique; Desábato, Wellington, Wagner, Evander e Paulinho; Andrés Ríos.

Zé Ricardo usou exatamente esta mesma escalação nas duas partidas da 2ª fase da Libertadores, contra o Universidad Concepción. Porém, com uma pequena alteração entre o primeiro e o segundo jogo: a inversão de lado de Wagner e Paulinho.

Pode parecer apenas um detalhe, mas fez toda a diferença no duelo de São Januário.

Com um canhoto na esquerda e um destro na direita, os jogadores tiveram mais facilidade para fazer jogadas de linha de fundo, cruzando bolas saindo da linha do goleiro. E foi exatamente assim que nasceram os dois gols vascaínos: de Wagner para Paulinho, no primeiro tento, pela esquerda, e do jovem para Pikachu, no segundo, em jogada trabalhada no lado oposto.

Quando atuam de pé trocado – o destro na esquerda e o canhoto na direita -, a tendência é que estes jogadores busquem o corte para o meio e a finalização com a perna boa, ou então um cruzamento mais fechado, em direção ao gol, como foram os dois de Rildo, por exemplo, que resultaram no tento de Pikachu, no Chile, e um contra, sobre o Volta Redonda, no Carioca.

Ambos, porém, ajudados por falhas individuais dos defensores.

Não dá para contar com estes erros sempre, é preciso construir com mais eficiência. E foi o que fez o Vasco com as mudanças de seu treinador. Antes do primeiro gol, com passe de Wagner para Paulinho, o meia havia levantado duas bolas para a área, pelo lado direito, de perna invertida, em cobranças de falta. Todas nas mãos do goleiro. No primeiro cruzamento pela esquerda, gol.

Se foi uma opção definitiva ou algo apenas para o duelo com o Concepción, só descobriremos no decorrer dos próximos jogos. Mas uma coisa ficou clara: Zé tem conseguido dar opções e variações a um time que até pouco tempo passava mais por um desmanches do que por uma reconstrução.



  • Alessandro Louzada

    Acredito que foi mais pelo fato de Pikachu subir muito e deixar uma avenida la atras, justamente no lado que o Concepcion tinha mais qualidade, que é o lado Esquerdo deles. Ze deve estudar o J.Wilsterman e anular suas qualidades. Mas pelo pouco que conheco do Ze, o Vasco deve ser o mesmo do ultimo jogo.

  • Reginaldo Rabelo

    O que mais me preocupava era a escalação de 2 zagueiros canhotos. Erazo, com sua expulsão infantil facilitou as coisas, além do Paulão ser mais firme.
    No mais creio que o time seja mantido.

  • Fabian Grutzmacher

    O Zé deverá manter o mesmo time apenas com a entrada do Paulão. Isso é bom para ir dando ritmo de jogo e entrosamento ao time. Porém eu particularmente gostaria de ver o Thiago Galhardo no meio junto com o Everton. Acho que seria um time ainda mais veloz.
    Wagner cadencia um pouco demais o jogo. Porém o time está ganhando corpo.

    • Eledilson Duarte Ribeiro

      O ze precisa arrumar três jogadores para as vagas de Wellington, Wagner e Rios, ajeitando nessas três posições iremos crescer muito.

  • Joao Saraiva

    Preferia o Rildo do lugar do Rios, Rios ajuda mais não faz gol, atacante vive de gol. O Henrique melhorou muito, tá aprendendo a fazer cruzamento, mais falta muito ainda, Pikachu muito fraco na marcação, mais rende no ataque, Vagner tá melhorando, mais provável que perca a vaga pra o Geovane Algusto.

    Martin Silva, Ricardo, Paulão, Henrique e Pikachu, Wellington e Desabato, Geovane, Evander, Paulinho, Rildo. Será um provável time.

MaisRecentes

Defesa do Vasco pode igualar feito do time de 1990 na Libertadores



Continue Lendo

Comendo pelas beiradas



Continue Lendo

Em boa fase, Pikachu já entra na lista dos dez maiores artilheiros do Vasco na história da Libertadores



Continue Lendo