Imagem e ação



Vasco conquista a Taça Guanabara 2016 (Foto: Divulgação/Vasco)

Vasco conquista a Taça Guanabara 2016 (Foto: Divulgação/Vasco)

Não há coração que não bata mais forte quando as ondas do rádio lhe tocam o ouvido. Não há ateu que não procure uma cruz quando os olhos lhe faltam e o que resta são as vistas dos outros. Se assistir futebol é um teste para cardíaco, escutá-lo é a prova final antes do Iron Man. Quem atravessa ileso 90 minutos de ataques em AM ou FM, só pode ser de ferro. Ainda que a dor venha na carne.

Foram cerca de 30 minutos sem transmissão. Longos 1800 segundos sem imagem, mas com ação. Sem tv, sem ti ver. Ligado no ouvido, o caminho mais curto e intenso para o coração. Vasco e Fluminense jogaram a melhor partida que não tive o prazer de ver.

No ‘desligar’ das câmeras, ligou-se o rádio. No mudar de meio, acendeu-se algo em Manaus que não foi o sol, a pino desde cedo. Se o primeiro tempo foi morno, o segundo foi quente. Ao menos foi o que o rádio me contou. Logo ele, que constantemente me faz voltar no tempo, me mostrou um Eder Luis diretamente de 2011. Rápido, incisivo e garçom.

Se o jogo na televisão era lento e insosso, pelas ondas se transformou numa decisão típica do início dos anos 90, quando Ézio e Valdir brigavam pelo título de herói. Tudo muito intenso, como sempre deveria ser. O futebol no rádio ainda é o melhor do mundo. Jogo feio vira batalha e partida fácil se torna um show de técnica. No rádio todo duelo é por música, às vezes um solo de guitarra de Steve Vai, em outros um piano de Elton John.

A final da Guanabara, na tv, tinha imagem mas pouca ação. No rádio, ganhou coração. E o que faltava, foi completado pela imaginação. Até Riascos, que driblava e driblava na telinha, escondido pelos satélites decidiu fazer o simples.

O golpe indiscutível do colombiano. Não de Estado, estadual. No dia em que se discute o impeachment na Câmara, longe das câmeras venceram os ‘invencibles’. Um campeão ‘unimpeachable’, incontestável. Para quem assistiu pela tv, e para quem precisou de assistência no radinho.

Pela redenção de Riascos. Pelos milagres de Martin Silva. Pela vibração de Jorginho e Zinho. Por Jorge Henrique jogando de zagueiro. Pela liderança de Nenê. O Vasco é campeão, sim!



  • Antonio

    e viva a máfia da FERJ.

    • Marcos Vinicios

      Chora que eu gosto kkkkkk

  • Douglas

    Fera demais, parabéns

MaisRecentes

Memórias do Morumbi



Continue Lendo

Rescisão de Julio dos Santos com o Vasco é publicada no BID



Continue Lendo

O silêncio dos inocentes



Continue Lendo