Guiñazu merece mais respeito



Guiñazu comandou o Vasco no Carioca (Foto: Vasco/Divulgação)

Guiñazu comandou o Vasco no Carioca (Foto: Vasco/Divulgação)

Antiguidade é posto, sempre disse meu pai. Posto esse que carece, no mínimo, de respeito. Aos 36 anos de idade, Guiñazu é o jogador mais velho do elenco do Vasco. É também um dos que a mais tempo está no clube, tendo chegado no fim de 2013.

Guina nunca foi craque e nem nunca fez questão de ser. É o verdadeiro carregador de piano, o cara que tenta fazer a sua função e ainda ajudar os companheiros nas deles. Porém, perto do fim de carreira, fica cada vez mais complicado se multiplicar.

O argentino foi aclamado como ídolo no primeiro trimestre de 2015, taxado de vilão no segundo e virou reserva nos dois outros seguintes. Peça fundamental de Doriva, viveu seu pior momento com a camisa vascaína sob o comando de Celso Roth. Ele e todo o time.

O Vasco melhorou após a saída de Guiñazu? Melhorou. Principalmente porque além de sua ida para o banco, vieram as chegadas de Nenê, Jorge Henrique, a melhora física de Andrezinho, a entrada de Julio César na lateral-esquerda, a utilização de Bruno Gallo e, principalmente, a contratação de Jorginho.

Mesmo passando os últimos meses do ano na reserva, o volante terminou a temporada como o jogador que mais acertou passes. Por quê?! Porque durante todo o período em que foi titular, não haviam meias como Nenê na equipe para assumir a responsabilidade de ficar com a bola e criar. Era passe pra frente e recuo para Guina. Toque para o lateral e volta para o capitão. Joga para o atacante e corte da defesa. Tudo girava entorno dele.

O Vasco não andava. Enquanto isso o cabeça de área corria, de um lado para o outro, sem produzir. O que jamais foi sua função. Guiñazu destrói, não constrói. No fim, cansava, e, claro, faltava perna. Era para desarmar e tocar, não para passar e receber. Deveria ser o que menos tocava na bola, mas Roth fez o contrário e o sobrecarregou.

Guina é um jogador que precisa do físico para jogar. Vive dele, não da qualidade com a bola nos pés. E isso vem decaindo com o tempo, normal. Não dá mais para ser titular e referência do meio – nunca deveria ter sido -, mas merece o respeito por tudo que fez. E correu. Inclusive para ajudar a roubar a bola no primeiro gol do jogo final do Estadual. Lá na frente, onde os meias inexistentes do Vasco na época deveriam estar.

A aposentadoria é iminente, o próprio atleta já deixou claro há tempos. Dar mais uma temporada digna ao jogador, que está sob contrato, antes que seu ciclo no futebol chegue a fim, seria uma questão de respeito – aquele, tão falado pela diretoria. Pelos feitos imperfeitos de El Cholo, que a despedida seja digna, como foi toda a sua carreira.



  • Marcos Vinícius

    Pô,amigo,na boa,sem querer entrar na questão do cara (Guiñazu) como pessoa,mas para mim ele foi um dos responsáveis pelo rebaixamento. Não pela sua reconhecida limitação técnica com a bola nos pés,pois,apesar de ser eficiente,nunca teve talento de meia com ela,mas por o Vasco tomar alguns gols,principalmente nos fins dos jogos,justamente nas costas do capitão,que não tinha fôlego para acompanhar um jogador que tinha acabado de entrar,como aconteceu contra o Figueirense,por exemplo,quando a jogada do gol foi toda em cima dele,isso aos 46 do segundo tempo. Claro que o cara merece seu reconhecimento por tudo o que fez,por ter acompanhado o time,mesmo contundido,em 2013,por ser um líder nato,daqueles que se impõe naturalmente,por chamar a responsabilidade,por tudo isso. Mas insisto em dizer que ele deveria ter tido consciência que não estava bem,principalmente fisicamente,e reconhecer que o time sem ele ficaria melhor,como,de fato,ficou.

    • Carlos Geovanni

      Mas é justamente o que a materia falou e concordo com ela o Guiñazu não tinha que correr com a bola ele não é este tipo de jogado ele toma a bola e da para quem pensa sempre foi assim e sempre vai ser agora o treinado inventou ele de armador ai amigo queimou o cara , mas acho que na segunda divisão ele ainda da caldo , oque distancia ele é o salario.

      • Marcos Vinícius

        Prezado,não disse (aliás,ninguém diria) que ele tinha que correr com a bola,ou que ele é meia ofensivo. Nem Bruno Gallo,que entrou em seu lugar,exerce esse papel. Ele é “volantão”,cão de guarda,e ponto. O que disse foi que sua condição física,principalmente nos fins dos jogos,prejudicou o Vasco. Citei o Figueirense como exemplo,mas tem outros jogos. No primeiro jogo contra o Corinthians,contra o São Paulo,em Brasília,e mais uma penca de jogos em que o Vasco praticamente ficava com um jogador a menos,pois o cara não tinha pernas para acompanhar um atacante,nem conseguia recompor com eficiência. Fui mais claro?

  • Tiago Moreira

    Lindo texto a um atleta que tem compromisso sempre raçudo sempre sempre nosso pitbull

MaisRecentes

Em boa fase, Pikachu já entra na lista dos dez maiores artilheiros do Vasco na história da Libertadores



Continue Lendo

Vasco rescinde com mais um jogador do Expressinho



Continue Lendo

Troféu Ademir Menezes: Thiago Galhardo assume o papel de garçom



Continue Lendo