Guardem as cornetas para o Carnaval



Jhon Cley quase marcou o 4º no fim da partida (Foto: Cléber Mendes/LANCE!Press)

Jhon Cley quase marcou o 4º no fim da partida (Foto: Cléber Mendes/LANCE!Press)

É impressionante como algumas pessoas preferem destacar os pontos negativos do Vasco ao invés das qualidades do time, mesmo nas vitórias. Se perde está péssimo, se empata está horrível e se ganha não agradou. Se esse é o seu pensamento, por favor, guarde a corneta para o Carnaval. Hoje não!

Sabe a quanto tempo o Macaé não perdia por três ou mais gols de diferença? Desde maio do ano passado. Sabe quantas derrotas eles tinham no Carioca? Nenhuma. Sabe como foi o confronto anterior contra outro grande? Foi 1 a 1 contra o Flamengo. E suado para os rubro-negros.

O Vasco não venceu nenhum morto. Ganhou de um time que vem de bons resultados, sendo campeão da Série C batendo clubes tradicionais como Fortaleza, Juventude e Paysandu, por exemplo. Dos pequenos, talvez seja o mais organizado dentro e fora de campo, mesmo não tendo mostrado isso em São Januário. Mas isso também é mérito vascaíno.

O Cruz-Maltino esteve longe de ter uma atuação de gala, começou sonolento, devagar, enquanto que o adversário deu tudo que tinha nos minutos iniciais. Ou seja, no pior do Vasco contra o esforçado Macaé, o máximo que se teve foram 30 minutos de equilíbrio, mais nada. Daí pra frente, uma vitória tranquila.

Mais uma vez a zaga não sofreu gols, temos a defesa menos vazada do Carioca. “Mas só pegou moleza”, você vai dizer. Eles – os rivais – também, eu te respondo.

Se mais uma vez foi difícil trabalhar a bola no campo de ataque em velocidade, ao menos a equipe mostrou novas alternativas. Foram dois gols de falta e um de rebote em outra cobrança. Todos em chutes de fora da área. É um avanço.

O Vasco ainda precisa melhorar muito. E vai. Segue sendo apenas o início da temporada. No comparativo com nossos adversários reais, não estamos deixando a desejar. Nem nas atuações e nem nos resultados.

O Gigante segue invicto e na briga. Guardem as cornetas para os blocos!

Saudações vascaínas! /+/

ACOMPANHE O BLOG DO GARONE NAS REDES SOCIAIS:

Facebook – https://www.facebook.com/BlogDoGarone
Twitter – https://twitter.com/BlogDoGarone



  • vitor

    Aondi eu assino?

    Vasco Porra!!!

    Imprensa só fala do num sei o que maia do flamengo,quantos gols ele tem?
    Bernado tem 3!!

  • pwagnerbr

    Boa análise. A torcida e a diretoria têm que dar um tempo para o Doriva trabalhar. É um treinador sério, que está montando uma equipe para o brasileiro. Esse é o principal torneio que temos esse ano e tudo o que a torcida quer é se ver livre do rebaixamento o quanto antes. Um ano como foi o do Palmeiras em 2014 na série A, e o do próprio Vasco na série B, é que não dá! Quanto ao Macaé, é um time bem organizado, que subiu como campeão da série C (título que só o Fluminense tinha!), e que deu um trabalhão para o Flamengo no primeiro jogo. Junto com o Volta Redonda, é o melhor dos chamados “pequenos”. Vai dar trabalho!

  • Ronaldo

    Pra mim continua sendo limitado. Na sua análise você foi clubista. Essa ”visão otimista” que vc tem não reflete a realidade. Um time de primeira divisão, gigante, um dos maiores clubes do mundo passando pra ganhar de um time pequeno dentro de casa é uma vergonha. Time limitado, com um tecnico de time pequeno não dá pra esperar muita coisa. O Vasco continua se apequenando e a troca de diretoria mudou pouco essa situação. Montou um elenco com jogadores limitados que só porque empataram com Flamengo e São Paulo acham que vai ter futuro. Eu não tenho dúvidas que com esse elenco não vamos chegar nem a uma final de turno em estaduais. Quanto mais algo maior. Temos que agradecer isso tudo aos sócios que trouxeram de volta o atraso, o retrocesso, a ditadura do Eurico. espero que o mandato dele acabe logo. E que tenhamos um futuro melhor

  • ODILON SILVA = RJ

    Estava morrendo de medo do PIPICO, ainda bem que ele não estava numa noite inspirada.

MaisRecentes

Caio Monteiro marca seus primeiros pontos no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

A zona vascaína



Continue Lendo

O ‘novo’ Nenê



Continue Lendo