Futebol do Vasco não pode ser ligado à presidência



Eurico voltou à presidência em 2015 (Foto: Cléber Mendes/LANCE!Press)

Eurico voltou à presidência em 2015 (Foto: Cléber Mendes/LANCE!Press)

“Ele é o treinador da presidência”.

Com essa frase, na última semana, Eurico Miranda garantiu não apenas Jorginho no cargo de treinador do Vasco até o fim do ano ano, como também afirmou não haver pressão sobre o seu trabalho. E isso explica muito do momento atual vivido pelo time.

O futebol do clube não tem comando. Ou melhor: tem tantos, que se anulam.

Uma coisa é haver uma hierarquia natural, outra coisa é uma sobreposição de poderes. Esta ligação direta entre presidente e comissão técnica/atletas nunca funcionou, tanto que o melhor momento de Eurico no Vasco foi como vice-presidente de futebol. Antônio Soares Calçada presidia e pouco se envolvia.

Havia, naquela época, um responsável direto pelo departamento. Agora, é confuso. Existem os cargos, as funções, mas pouca autonomia.

Esse excesso de intervenção e aparições, ainda que às vezes pareça positivo – no caso de assumir a responsabilidade, por exemplo – na verdade mostra que quem deveria estar gerindo o esporte pouco tem voz. A própria vice-presidência de futebol está vaga, com José Luis Moreira licenciado. E parece que não faz falta ser ocupada, já que tudo é decidido em cima mesmo.

Fora de campo o Vasco consegue alguns avanços, como o retorno do basquete, o início da reforma do Parque Aquático, o novo gramado para treinamento, o Caprres e outras melhorias. Dentro das quatro linhas, porém, esta gestão segue confusa. E isso parece estar afetando diretamente o elenco.

Ter a palavra final é diferente de ser dono da única palavra. Nisso, o Vasco precisa avançar.

Com urgência. Antes que a gangorra pare subir.



  • Fabricio

    Sigam o exemplo do palmeiras estruturem o clube estadio socio torcedor patrocinios…palmeiras esta um degrau acima dos demais

    • Paulo Wagner

      O Palmeiras tem um dono, o Nobre, que inundou o time de dinheiro. Se ele resolver cobrar a dívida que o clube tem com ele, não sobra ninguém.

  • Paulo Wagner

    Enquanto Eurico for o presidente, isso não muda. Na verdade, ele conseguiu apaziguar um clube que estava em convulsão fazia anos, ainda que boa parte do caos fosse causado pelo próprio Eurico. Ou melhor, dominou a política do clube a anulou os adversários. Mas o time patina e as divisões internas parecem claras, apesar do que fala o presidente. O que a torcida espera, nesse momento, é que essas vaidades sejam postas de lado e o time volte a se comportar como time, e não como o bando desgovernado e desinteressado que estamos vendo jogar ao longo de todo o segundo turno da Série B. Se continuar desse jeito, o Vasco vai ser o primeiro “grande” que desce e não consegue subir no ano seguinte ao da queda.

  • Dirceu

    Caro Garrone:
    Não podemos nos surpreender com o estilo de administração de nosso velho dirigente, portando à boca o seu fálico charuto cubano, e representando, nas atitudes e na gestão do nosso Vasco, o autoritarismo de seu fiel (Fidel) espelho.
    Claro sempre esteve, que todo o poder nele seria centrado, não dando qualquer espaço à delegação, base de toda gestão moderna.
    Atingimos ao que pensávamos ser o fundo do poço, empurrados até lá, pela falta de uma administração transparente, competente, sob o comando, exatamente, do decadente Eu Rico (e todos nós) Mirando.
    Mas não esqueçamos, é claro, da enorme ajuda dada por nosso ídolo nos gramados (Roberto Dinamite), e grande decepção na gestão (Boberto Banamite), que deveria ser canonizado no inferno, pelo milagre de fazer ressuscitar o já morto Eu Rico.
    Dinamitada assim, a tumba se abre, e o velho faraó volta a caminhar entre os mortais, prometendo a todos a volta das glórias e o respeito deixados há muito no passado.
    Ele encontra a nossa desgovernada e fazendo água por todos os lados, e se apresenta como o salvador, aquele que nos levaria de volta aos bons ventos, aos bons tempos.
    Fácil convencer a náufragos desesperados, que um barco remendado possa vencer as agruras de um mar revolto e perigoso.
    Muitos nele acreditaram, esquecendo de verificar se a nossa nau continuava ou não furada.
    Se nada de concreto havia sido feito, nenhuma mudança de métodos e rumos, só remendos e palavras de efeito, eles se soltariam na transposição da primeira tempestade, e não tardariam a deixar expostos os antigos furos, inundando pouco a pouco a nossa agora combatida nau vascaína.
    E o que há muito precisamos: uma honesta, transparente, competente e profissional administração; continuou esquecida no mundo dos desejos.
    Mas esta é a condição sine-qua-non, para a consecução de um verdadeiro trabalho para reerguimento de nosso Vasco.
    A continuidade deste atual modelo de gestão autoritário, centralizador, onde a figura do embalsamado faraó, ocupa, como um deus, todos os espaços, não tem condição alguma de nos levar são e salvos de volta para a nossa terrinha.
    Enquanto isso, a água já nos cobre o peito e resta-nos continuar carregando nos ombros a pesada cruz de malta, pedindo aos céus, por um verdadeiro milagre, ou que alguns de nossos irmãos tenham a coragem, para assumir o comando da nau vascaína, lançando ao mar toda essa velha podridão, e que, assim, nos levem, finalmente, de volta à terra prometida, a mesma terra sobre a qual um dia caminhamos felizes e cheios de orgulho por sermos Vasco da Gama.
    Chegarmos à série A, antes uma obrigação, hoje será uma conquista, mas que não mudará em nada a realidade subjacente.
    Sem a coragem e determinação para uma mudança urgente, seremos todos, em breve, náufragos e, o pior, será ver nossos filhos recolhidos por outras naus “inimigas”.

MaisRecentes

Andrey larga na frente na disputa do Troféu Ademir Menezes 2018



Continue Lendo

Um Vasco que precisa nascer prematuramente



Continue Lendo

A derrota dos vascaínos



Continue Lendo