Freguês antigo, moral renovada



Julio dos Santos foi bem contra o Fluminense (Foto: Cléber Mendes/LANCE!Press)

Julio dos Santos foi bem contra o Fluminense (Foto: Cléber Mendes/LANCE!Press)

Mais um domingo comum no futebol carioca. Vasco vencendo o Fluminense, pênalti não marcado ao nosso favor, e o nosso rival mais uma vez tendo as dimensões do campo ‘alteradas’ em seu benefício. Tradição. Ou destino, como preferirem.

De diferente, apenas a forma com que Doriva montou a equipe e o sentimento pós-jogo em relação a última partida. A vitória segura sobre o Tricolor mostra que não somos o patinho feio como muitos apontavam. Não nesse Estadual.

Rodrigo voltou muito bem ao time e Luan teve atuação irreparável. No meio, Serginho e Guiñazu neutralizaram o adversário, mostrando que o entrosamento pode render bons frutos. A pegada dos dois manteve a segurança defensiva e deu liberdade aos apoiadores.

Errando praticamente nada e levando perigo nos passes em profundidade e cruzamentos, Julio dos Santos mostrou que brigará por uma vaga na criação vascaína. Com o paraguaio ao seu lado, até Marcinho passou a ser mais participativo.

Quem já garantiu o seu lugar foi Gilberto. Tendo feito apenas dois treinos com os titulares, o atacante fez uma boa estreia, se posicionando bem entre os zagueiros e deslocando por trás da linha de zaga, sempre com perigo. Poderia ter saído como herói se o árbitro tivesse marcado a penalidade.

Por mais que não tenha sido um clássico digno de ser relembrado no futuro, a vitória vascaína veio de forma incontestável e sem sustos. E esse posicionamento soberano em campo era o que vinha faltando ao time. O Vasco dominou do início ao fim e em momento algum foi ameaçado.

A equipe não criou dezenas de oportunidades, mas foi incisivo quando teve chance. Botou duas bolas no travessão e poderia ter tido uma vitória mais expressiva se tivesse aberto o placar ainda no primeiro tempo.

No fim, a vitória serviu para dar moral ao grupo e mostrar para nós mesmos, torcedores, que não temos o que temer nesse Carioca. Pelo contrário, podemos sim sonhar com a taça.

Afinal, nós temos que ter medo de alguém nesse Campeonato Carioca? Do Flamengo, que empatou com Macaé e Madureira, dois times que vencemos ? Do Fluminense, que foi engolido pelo Gigante no ‘Niltão’? Ou do Botafogo, cheio de apostas igual a gente?

A vitória sobre o Flu valeu três pontos, e mais do que isso. Valeu para arrebanhar mais alguns incrédulos torcedores que antes blasfemavam que estávamos muito atrás de nossos rivais cariocas.

Na boa, não estamos. Longe do ideal de Vasco sim, mas do atual momento dos outros não.

Pra cima deles, Gigante!

ACOMPANHE O BLOG DO GARONE NAS REDES SOCIAIS:
Facebook – https://www.facebook.com/BlogDoGarone
Twitter – https://twitter.com/BlogDoGarone



  • Thicardozo

    Bom jogo…todos foram muito bem.
    Concordo que o Gilberto foi muito melhor que Rafael Silva e Thales, mas é preciso avaliar que ontem o Julio Dos Santos esteve em campo e jogou muito bem, deu outra fluidez ao meio campo e colocou boas bolas para o Gilberto, coisa que nem Bernardo e nem Montoya vinham fazendo…

  • Dudu

    A defesa está bem. Os volantes melhor ainda. Falta apoio dos laterais e acredito que o Lorran dá mais gás na ala esquerda. Julio dos Santos não pode sair do time e deve ser testado no lugar do Marcinho, que ontem até mostrou movimentação. O Madson vai bem e apoia bem, acho que faria boas jogadas com o Montoya. Também acredito que encontramos um centroavante e a briga vai ser boa com Thales que entrou ontem e mostrou vontade como sempre.

    Pelo pouco que vejo o Vasco joga com 8 jogadores atrás da linha da bola cercando a zona da mesma esperando um erro do adversário pra sair pro jogo de forma rápida. Essa saída de jogo que não está encaixando ainda. O Vasco tem que ter laterais que apoiem…

  • tulio

    Gostei do Gilberto. Parece mais centroavante que o Talles.

    Precisamos de um armador e lateral esq.

  • Reginaldo Rabelo

    Boa atuação. Continuam devendo, e não sei se têm condições de pagar, os jogadores Christiano e Rafael Silva(no caso do primeiro, eu experimentaria o Henrique – que considero superior ao Lorran – e no segundo iria de Yago ou Bernardo.
    Montoya agita muito, mas produz pouco e o melhor é fixarmos o Júlio dos Santos por ali, pois ele compensa a “tão falada lentidão” com passes em profundidade e precisos, enquanto o Marcinho é importante pela cadência e colocação(o passe que ele deu ao Gilberto no lance do pênalti não marcado foi precioso).
    A entrada segura e altiva de John Cley(que lançamento espetacular nas costas da zaga, em diagonal, para o Yago e que escanteio bem batido que resultou no pênalti sobre o Luan), Yago(sempre serelepe, corajoso no drible e veloz) e Thales(muito lutador), mostram que temos razão quando cobramos o aproveitamento da turma ex-base(Jordi, Luan, Jomar, Henrique, Lorran, Jonatas Paulista, John Cley, Yago, Marquinhos do Sul, Guilherme Costa e Thales) ao invés de contratações de efeito abstrato como Bruno Ferreira e Erick Luiz(nem bem chegaram e já emprestados ao Bragantino), Erick Daltro, Romarinho, Victor Bolt, Aislan.
    Para contratar meia-boca é melhor dar chances aos garotos que se acostumaram a vestir essa camisa há muito tempo e não sentem seus efeitos e peso.

  • ODILON SILVA = RJ

    Já foi……………….

MaisRecentes

Caio Monteiro marca seus primeiros pontos no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

A zona vascaína



Continue Lendo

O ‘novo’ Nenê



Continue Lendo