‘Em time que está(va) ganhando…’



Chapecoense venceu o Vasco por 1 a 0 (Foto: LANCE!Press)

Chapecoense venceu o Vasco por 1 a 0 (Foto: LANCE!Press)

‘Em time que está ganhando não se mexe’. Esse é o bê a bá do futebol. A máxima suprema do esporte bretão. Quando uma criança nasce, ganha uma camisa do time e uma placa com esta frase para que ela nunca se esqueça. Pelo visto, ainda não a fabricavam quando Celso Roth veio ao mundo.

Após mudar o esquema tático e dar sua cara ao time, conseguindo duas vitórias consecutivas, o treinador decidiu abrir mão da alterações e desfazer o 4-4-2 que vinha dando certo. Para colocar Biancucchi em campo, herói da vitória contra o Avaí, mudou muito mais do que devia e o Vasco perdeu muita mais do que podia.

Riascos havia feito boas partidas sob o seu comando, atuando ao lado de Gilberto, porém, foi recuado para fazer a função de Jhon Cley na direita. Com a obrigação de marcar, foi completamente nulo ofensivamente e ainda deixou o camisa 9 mais uma vez isolado na frente, como era com Doriva. O time perdeu em marcação, já que o colombiano não aguenta fazer o sobe e desce, e no ataque, já que o argentino não possui a mesma velocidade.

Com uma simples mudança, Roth conseguiu desfigurar a equipe, que estava com 100% de aproveitamento. Se a ideia era lançar o primo do Messi, recuar Júlio César e tirar o frágil Christianno teria sido uma alteração mais simples, mantendo o gringo fazendo a função na esquerda, na linha de quatro e não centralizado como tentou.

O erro foi tão gritante que, no intervalo, o técnico desfez a modificação. Porém, a expulsão de seu lateral, com um minuto da etapa final, impediu que o 4-4-2 voltasse a ser colocado em prática. Na dúvida entre os esquemas, acabou lhe restando apenas o 4-4-1 e o estilo ‘salve-se quem puder’.

Talvez agora o comandante cruz-maltino tenha entendido o por que dos gritos de ‘burro’ no meio de semana. Foram pela permanência de Christianno em campo e não pela atuação – discreta – de Júlio César ou entrada de Rafael Silva.

Celso Roth tentou mudar o que vinha dando certo, e errou. Tentou corrigir, mas Christianno não deixou. O Vasco jogou os 90 minutos com sua zaga reserva por motivos de força maior. Mas jogou o primeiro tempo sem sua linha de meio-campo por opção do treinador.

Como nenhum erro passa impune, depois de muito insistir e os vascaínos abdicarem de jogar, a Chapecoense chegou ao seu gol. Merecido.

Afinal, ‘água mole em pedra dura, tanto bate até que fura’. Mas Roth também não deve conhecer essa frase.



MaisRecentes

Mais do que casa, São Januário é a arma do Vasco



Continue Lendo

Em fase artilheira, Pikachu já é um dos maiores goleadores do Vasco neste século



Continue Lendo

Maxi López assume a 4ª posição no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo