Como Pikachu e Éderson mudaram o ataque do Vasco



Éderson marcou em sua estreia (Foto: Paulo Sérgio/Lancepress)

Éderson marcou em sua estreia (Foto: Paulo Sérgio/Lancepress)

Posse de bola, obsessão de nove em cada dez treinadores. Ou mais. Transformar o domínio em chances de gol, uma árdua missão de todos eles. Inclusive de Jorginho, no Vasco.

A equipe cruz-maltina é atualmente a 4ª no ranking de passes certos na Série B, ficando atrás apenas de Oeste, Goiás e Bahia. Curiosamente, nenhum dos três figuram entre os oito primeiros colocados na competição e nem entre os melhores ataque do campeonato. O Vasco é uma exceção na lista – como era de se esperar pela qualidade do elenco em relação aos outros concorrentes -, porém, ainda assim, sofreu para criar nos últimos jogos.

Sem Riascos, o ataque vascaíno perdeu movimentação, objetividade e verticalidade. Ganhou presença de área com Thalles – às vezes com Leandrão -, mas ficou sem velocidade e penetração. Se tornou previsível, fácil de marcar. As entradas de Pikachu e Éderson no time, porém, parecem ter mudado este panorama.

A dupla foi um dos destaques do Vasco na virada sobre o Bragantino. Com infiltrações pela direita, Yago foi mais atacante que Jorge Henrique, dando opção inclusive para Thalles trabalhar fora da área. No primeiro tempo, o camisa 8 quase marcou exatamente num passe do atacante. Jogada que não acontecia com Julio dos Santos ou William na posição.

Thalles sai para fazer o pivô e Pikachu rompe a última linha na corrida para receber em condição de marcar. Repare que Jorge Henrique, na esquerda, não toma a mesma iniciativa, aguardando o passe no pé. Essa diferença na verticalidade de Pikachu, que JH não demonstra, ajudou na virada. (Foto: Frame/Youtube)

Thalles sai para fazer o pivô e Pikachu rompe a última linha na corrida para receber em condição de marcar. Repare que Jorge Henrique, na esquerda, não toma a mesma iniciativa, aguardando o passe no pé. Essa diferença na verticalidade de Pikachu, que JH não demonstra, ajudou na virada. (Foto: Frame/Youtube)

Apesar da derrota no primeiro tempo para o Bragantino – 1 a 0 -, o Vasco criou oportunidades. As duas principais, em finalizações de Pikachu: num chute de direita – imagem acima – e outra em uma cabeçada – abaixo – em nova infiltração como atacante. Diguinho – outro que alterou a característica da equipe, que agora conta também com a chegada de seu primeiro volante para servir o ataque – e Andrezinho ainda tentaram outras bolas para Yago, mas acabaram quase sempre cortadas. Não geraram gol, mas deu opção para um ataque que estava previsível.

Pikachu aparece no segundo pau para completar o cruzamento de Júlio César. Jorge Henrique participa da criação mas não da conclusão. Thalles puxa a atenção dos dois zagueiros e abre espaço para Yago aparecer no costado da zaga. (Foto:Frame/Youtube)

Pikachu aparece no segundo pau para completar o cruzamento de Júlio César. Jorge Henrique participa da criação mas não da conclusão. Thalles puxa a atenção dos dois zagueiros e abre espaço para Yago aparecer no costado da zaga. (Foto:Frame/Youtube)

A entrada de Éderson, no segundo tempo, deixou ainda mais clara a mudança de postura do time. Com dois jogadores velozes, que por características procuram sempre o gol – algo que falta para Jorge Henrique e Madson -, o Vasco pôde atacar mais pelo chão e usou menos o jogo aéreo, que tem surtido efeito apenas na bola parada.

Com velocidade, mas sem abrir pelas pontas, Éderson se aproximou de Thalles para tabelar e marcou logo na estreia. Jorge Henrique mais uma vez 'aceita' a marcação e não busca a infiltração. Com jogadores fazendo a ultrapassagem, Thalles mais uma vez consegue trabalhar como pivô, deixando de ser o último - e por vezes único - homem de frente. (Foto: Frame/Youtube)

Com velocidade, mas sem abrir pelas pontas, Éderson se aproximou de Thalles para tabelar e marcou logo na estreia. Jorge Henrique mais uma vez ‘aceita’ a marcação e não busca a infiltração. Com jogadores fazendo a ultrapassagem, Thalles mais uma vez consegue trabalhar como pivô, deixando de ser o último – e por vezes único – homem de frente. (Foto: Frame/Youtube)

Andrezinho e Nenê precisavam de opções para seus passes. Parece que Jorginho as achou.

E ainda tem Júnior Dutra para estrear…



  • Junior Peixoto

    O Jorginho precisa acordar e colocar logo o Pikachu de lateral, onde ele realmente rende.
    Se ele é muito ofensivo, que ele arme um esquema de proteção a lateral. O Madson não faz nada além de correr e errar os cruzamentos que ele tenta, mais nada.

  • Dirceu

    Primeiramente, não podemos deixar de ver que o time do Vasco não tem apresentado um futebol a altura de um time, que almeja voltar à série A e encarar de igual para igual seus adversários de Copa do Brasil.
    O time não tem consistência tática alguma. Na defesa, se mostra extremamente vulnerável, sofrendo constantes contra-ataques. Marcelo Matos não tem a velocidade para voltar e cobrir os zagueiros; Rodrigo tem sido responsável por inúmeras falhas; Madson é péssimo na defesa e imprevisível no ataque; Julio César ataca raramente e de tão ruim na marcação, precisa do apoio constante do Jorge Henrique.
    Nosso meio de campo não tem a velocidade para uma rápida transposição da defesa para o ataque e não participam de triangulações nas laterais com os laterais.
    Todos o elogiam, mas para mim o Jorginho formou um grupo, mas não uma equipe taticamente organizada, que tenha jogadas ensaiadas.
    El se mostra tecnicamente fraco. Quem viver verá.

    • Marcelo

      Fraco é o seu comentário amigo….

      • Dirceu

        Meu comentário pode ser fraco, é sempre um julgamento subjetivo.
        No entanto, contra fatos, os argumentos se tornam inúteis.
        Pode você afirmar que: o Rodrigo não tem falhado em vários jogos?; que o Madson também tem sido responsável por inúmeros gols sofridos pelo Vasco?; que o Julio César é fraco na defesa e pífio no ataque?; que temos sofrido vários gols e perigos de gol em contra-ataques, com um único e veterano jogador sendo incapaz de dar cobertura à defesa?; que o ataque não mostra consistência alguma, que não apresenta organização através da repetição de jogadas ensaiadas?; que em todos os últimos jogos do Vasco, a qualidade tática e técnica do time foi muito baixa?
        Para mim, esses fatos demonstram que taticamente não temos um time bem treinado, além da falta de qualidade de vários jogadores.
        Talvez esteja mal acostumado com um Vasco campeão brasileiro, que sempre entrava em campo para vençer e com qualidade, nos dando prazer de ir aos estádios e assistir o bom futebol. Pena que você não os tenha visto, ou se acostumado com a mediocridade da série B, que jamais deveria fazer parte de nossa história.
        Saudações vascaínas.

    • Fernando

      Huahuahuahuahuahua nao tem futebol a altura de voltar a seria A, e esta em primeiro lugar desde a primeira rodada, e classificado na Copa do Brasil? Huahuahuahuahuahua

MaisRecentes

Um Vasco mais simples e uma vitória para a moral



Continue Lendo

Escudero é regularizado pelo Vasco



Continue Lendo

Vasco empresta meia para time potiguar



Continue Lendo