Cinco momentos de Everton Costa no Vasco



Everton Costa comemora seu gol pelo Vasco (Foto: Ricardo Ramos/LANCE!Press)

Everton Costa comemora seu gol pelo Vasco (Foto: Ricardo Ramos/LANCE!Press)

Ele queria. A torcida apoiou e torceu. Mas Everton Costa não poderá retornar aos gramados.

O problema cardíaco, diagnosticado em abril do ano passado, infelizmente acabou encurtando a carreira do jogador de apenas 29 anos. O Vasco foi o último clube defendido pelo atleta e também onde marcou seu último gol como profissional.

Confira cinco momentos marcantes da rápida passagem de Everton pelo Cruz-Maltino:

A ESTREIA

No dia 9 de fevereiro de 2014, Everton Costa fez sua estreia pelo Vasco. O atacante entrou no lugar de Bernardo, aos 13 minutos do segundo tempo, na partida contra o Nova Iguaçu, em Volta Redonda. O jogador fez boas jogadas e deixou William Barbio duas vezes livre para marcar, mas o jogador não soube aproveitar e o placar terminou em 1 a 1.

O 1º GOL

Contra o Duque de Caxias, em 23 de março, já atuando como titular, marcou o segundo gol do Vasco na goleada por 4 a 0, em São Januário. Foi seu primeiro e único gol com a camisa vascaína. Este seria também o último de sua carreira.

SEMIFINAIS CONTRA O FLUMINENSE

Nas semifinais do Campeonato Carioca, contra o Fluminense, Everton Costa foi um dos destaques do time nas duas partidas. Rápido e incisivo, foi quem criou as melhores oportunidades da equipes nos jogos e se tornou uma das esperanças cruz-maltinas para a final.

EXPULSÃO NA FINAL

No primeiro jogo da decisão do Estadual, contra o Flamengo, protagonizou dois lances capitais. No gol do Vasco, marcado por Rodrigo, ficou à frente do goleiro Felipe, impedindo a saída do camisa 1 para cortar o cruzamento. Porém, no início do segundo tempo, acabaria expulso logo no início após receber o segundo cartão amarelo.

O ÚLTIMO JOGO

No jogo seguinte a perda do título Carioca com um gol impedido não anulado, o Vasco voltava a campo para enfrentar o Resende, pela Copa do Brasil. Everton Costa, que não participou do último jogo da decisão, retornava ao time. Ainda no primeiro tempo, o jogador se sentiu mal, recebeu atendimento, mas retornou ao jogo. Porém, logo no início do segundo tempo, voltou a passar mal e acabou substituído. Chegou a desmaiar fora do campo e acabou deixando São Januário de ambulância. Encerrava-se ali a carreira de Everton Costa.

ACOMPANHE O BLOG DO GARONE NAS REDES SOCIAIS:

Facebook – https://www.facebook.com/BlogDoGarone
Twitter – https://twitter.com/BlogDoGarone



  • Reginaldo Rabelo

    Jogador esforçado, nada mais que isto(não é pouco, quando se compara com Douglas e outros mais que estavam naquele time de 2014).
    No caso da expulsão contra o Flamengo(qdo vencíamos o 1º jogo por 1 x 0), foi estupidez do Adilson Batista. Everton Costa havia levado o 1º amarelo, cometeu uma falta passível de cartão não aplicado(quando o Guinazu foi à beira do gramado para sugerir ao Adilson Teimoso Batista que o substituisse) e acabou sendo expulso ainda no início do 2º tempo. O adversário estava morto mas, com mais um, acabou empatando.
    Não participou do jogo final, pois cumpria a suspensão pela expulsão. É bom sempre lembrar que no jogo final(que vencíamos também) o Adilson Teimoso Batista voltou a ser decisivo. Entramos com um ataque(?) formado por Felipe Bastos e Bárbio(ambos para marcar os laterais adversários como gosta(va) de fazer o Prof Pardal) e o Thales sozinho contra todos. Pois bem, aos 35 do 2º tempo o pseudo treinador tirou o Thales(desafogando a defesa adversária para colocar o Aranda) ficando sem nenhum atacante. O gol do título foi impedido, mas o Adilson foi decisivo pois no lance da cabeçada na trave – que antecedeu o gol – o Wallace(1,91m) estava sendo marcado pelo Reginaldo(1,65m). Em todos os escanteios até aí o Wallace vinha sendo marcado pelo Thales e não conseguiu cabecear uma única vez. É lamento? É. Mas, para não esquecer que não fomos prejudicados apenas pela arbitragem. O inimigo estava em casa(Adilson Teimoso Batista).

    • Matheus Teixeira

      Sou Palmeirense e vim ler a matéria, mas fiquei impressionado com o comentário do leitor Reginaldo Rabelo, quanta coerência em um comentário! Bela análise. Parabéns!

    • rodolpho

      Reginaldo ótima analise, quando o framenguinhu já estava quase morto e não oferecia muito perigo ele me coloca o Aranda com toda aquela vontade rapidez e raça, SQN. um jogador que corre com as pontas dos pés parece que ele corre com dor, tem qualidade técnica porém não há altura do nosso vasco.

    • luciano

      Excelente comentário de Reginaldo Rabelo, apenas corrigindo, quem marcava walace nos escanteios era o zagueiro Rodrigo e não Thales como mencionado

  • Matheus Teixeira

    Sou Palmeirense e vim ler a matéria, mas fiquei impressionado com o comentário do leitor Reginaldo Rabelo, quanta coerência em um comentário! Bela análise. Parabéns!

  • Nathan Olympio

    Muito interessante o comentário do Leitor Reginaldo , concordo plenamente com as citações feitas por ele , entretanto , não tem nada a ver com a matéria . É triste ver um jogador que estava começando a conquistar seu espaço , ter que encerrar a carreira assim , nem imagino a frustração dele nesse momento

  • ODILON SILVA – RJ

    Um bom jogador, rápido, objetivo, taticamente tipo do jogador que todo técnico gosta, ataca pelas pontas, fecha pelo meio, ainda se faz presente na área adversária. Gosta dele, foi uma boa contratação da gestão anterior, lamentável seu problema, que ele seja feliz em sua nova empreitada em sua vida particular.

MaisRecentes

Só coração não basta



Continue Lendo

90 anos de São Januário: as maiores goleadas do Vasco



Continue Lendo

90 anos de São Januário: os maiores artilheiros



Continue Lendo