Cinco fatos que acirraram a rivalidade entre Vasco e Atlético-PR



Com o braço, Edmundo balançou as redes em 97 (Foto: Frame/Youtube)

Com o braço, Edmundo balançou as redes em 97 (Foto: Frame/Youtube)

Um ano e meio após a trágica briga entre as torcidas de Vasco e Atlético-PR, que ficou conhecida como a Barbárie de Joinville, as duas equipes voltam a se encontrar. Um jogo que começa tenso, por seu histórico de violência e por novamente o Cruz-Maltino não viver um bom momento.

Mas o que faz dois clubes tão distantes, que jamais disputaram uma final de campeonato entre eles, se tornarem rivais a ponto de protagonizarem cenas lamentáveis como as de 2013? Alguns eventos, principalmente extracampo, ajudaram a acirrar essa disputa entre o Gigante e o Furacão.

E que parem por aí.

1 – CASO IVENS MENDES

Em maio de 97, o Jornal Nacional, da Globo, denunciou um suposto esquema de na CBF, que culminavam na interferência direta nos resultados dos jogos. Uma das conversas divulgadas pela emissora seria entre o presidente da Comissão Nacional de Arbitragem de Futebol – CONAF -, Ivens Mendes, e o presidente do Atlético-PR, Mario Celso Petraglia. Na gravação, Ivens supostamente teria pedido R$ 25 mil para o Furacão ser beneficiado numa partida de Copa do Brasil contra o Vasco. As investigações nunca avançaram e nem foram concluídas, mas os vascaínos acabaram derrotados por 3 a 1, em Curitiba, e Edmundo, o principal jogador do time, foi expulso pelo árbitro Oscar Roberto de Godoy. Era o início da disputa Eurico x Petraglia, Vasco x Atlético-PR.

2 – GOL DE MÃO

Ainda em 97, o ‘troco’ do Vasco. No reencontro entre os clubes após a eliminação do Vasco na Copa do Brasil, os times se enfrentaram no Campeonato Brasileiro. Em São Januário, Juninho Pernambucano abriu o placar e Luisinho empatou. Aos 30 do segundo tempo, Evair cruzou da esquerda e Edmundo, de mão, deu a vitória ao Cruz-Maltino, para desespero e reclamação dos paranaenses.

3 – FUGA DO REBAIXAMENTO E FIM DO SONHO ATLETICANO

Em 2004, um dos jogos mais marcantes entre os dois times. Na penúltima rodada do Brasileiro, o Vasco tentava desesperadamente fugir da zona da degola, enquanto que os paranaenses brigavam pelo bicampeonato nacional. Na chegada dos atleticanos a São Januário, torcedores quebraram o vidro e cercaram o ônibus da delegação. O clube paranaense alegou falta de escolta.
Com um gol do zagueiro Henrique, aos 21 do segundo tempo, os vascaínos se livraram da queda e praticamente tiraram o Furacão da disputa pelo título.

4 – GOLEADA HISTÓRICA

Para ‘apimentar’ ainda mais a relação entre os clubes, o Atlético-PR, em 2005, aplicou um sonora goleada sobre o Vasco, a pior de sua história no Campeonato Brasileiro. Na Arena da Baixada, um massacre de 7 a 2 imposto sem piedade. Derrota até hoje entalada na garganta dos vascaínos.

5 – A BARBÁRIE DE JOINVILLE

A gota d’água na rivalidade entre os clubes. Com o Vasco mais uma vez precisando de uma vitória para não ser rebaixado – como em 2004 -, as duas torcida entraram em confronto logo no início da partida, quando placar marcava 1 a 0 para o Atlético-PR. O jogo foi paralisado, mas reiniciado mais de uma hora depois, com vários feridos e alguns em estado grave. Por fim, goleada atleticana por 5 a 1 e o segundo rebaixamento da história vascaína.



MaisRecentes

Revelado pelo Vasco, Lorran acerta com clube do Chipre



Continue Lendo

Com Maxi López e Henríquez, Vasco chega a 37 estrangeiros contratados nos anos 2000



Continue Lendo

Maxi López no Vasco



Continue Lendo