As mudanças de Celso Roth no Vasco



Roth fez mudanças em seu retorno ao Vasco (Foto: Paulo Fernandes/LANCE!Press)

Roth fez mudanças em seu retorno ao Vasco (Foto: Paulo Fernandes/LANCE!Press)

Não foi uma apresentação de gala. Muito menos com um futebol bonito de ser visto. Mas valeram os mesmos três pontos que qualquer outra goleada aplicada na rodada. A reestreia de Celso Roth pelo Vasco, na vitória por 1 a 0 sobre o Flamengo, foi eficiente, e era apenas isso que precisava ser.

Apesar do futebol burocrático, o time montado pelo treinador mostrou características bem diferentes da equipe de Doriva. Os laterais atuaram mais recuados, fazendo uma linha de quatro com os zagueiros. Com o antigo técnico, os dois atuavam mais avançados, junto aos volantes.

Time de Doriva atuava mais espaçado, com os laterais formando a linha com os volantes e dois meias abertos na frente, mas que voltavam pouco para recompor (Foto: Montagem/André Schmidt)

Time de Doriva atuava mais espaçado, com os laterais formando a linha com os volantes e dois meias abertos na frente, mas que voltavam pouco para recompor (Foto: Montagem/André Schmidt)

Com o recuo de Madson e Christianno, o Vasco fechou o buraco defensivo por onde vinha sofrendo a maioria dos gols. Ainda assim soube explorar a velocidade pelo lado direito para fazer o seu gol. Isso porque Jhon Cley e Julio César, os meias do time, também atuaram mais atrás e cobriam as laterais quando necessário.

Na segunda linha, Guiñazu e Serginho ganharam a companhia dos apoiadores, que antes jogavam mais à frente. Um 4-4-2 clássico, porém, com os meias abertos, Riascos voltando em algumas oportunidades mudando o posicionamento para um 4-5-1 e com Gilberto avançado.

Logo após perder a bola, a equipe mantinha os dois atacantes e um dos jogadores de meio pressionando para evitar a saída rápida e obrigando o Flamengo a recuar a bola até seus zagueiros. Feito isso, todos recompunham.

Esquema de Roth deixa o time mais compacto defensivamente, com os meias ajudando os laterais e duas linhas de quatro bem definidas; Gilberto e Riascos pressionam os volantes (Foto: Montagem/André Schmidt)

Esquema de Roth deixa o time mais compacto defensivamente, com os meias ajudando os laterais e duas linhas de quatro bem definidas; Gilberto e Riascos pressionam os volantes (Foto: Montagem/André Schmidt)

Marcando atrás do meio-campo, o Vasco atraia o adversário e abria espaços para Riascos e Gilberto aproveitarem a velocidade. No primeiro tempo, enquanto tiveram pernas para isso, deu certo. O que se viu na etapa final, foi uma equipe no sacrifício, onde a organização perdeu para o cansaço.

Outra peculiaridade do esquema montado por Roth, é a pouca posse de bola. Sempre que teve ela em seu domínio, o Vasco procurou definir de forma rápida. Apesar do placar magro e das poucas chances de gol, o primeiro tempo do time mostrou uma clara evolução. Depois, o físico pesou.

Jogando feio ou bonito, verdade é que a vitória veio. Nesta altura do campeonato, com o time na zona de rebaixamento, 1 a 0 é goleada.



MaisRecentes

Ríos assume a liderança do Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

Um Vasco mais consciente



Continue Lendo

A fragilidade defensiva do Vasco



Continue Lendo