As gratas surpresas de Cristóvão no Vasco



Guilherme Costa entrou no 2º tempo contra o Barcelona-EQU (Foto: Rafael Ribeiro/Florida Cup)

Guilherme Costa entrou no 2º tempo contra o Barcelona (Foto: Rafael Ribeiro/Florida Cup)

Ainda é um Vasco 2017 com cara de 2016. Talvez um cinto novo, um sapato melhor engraxado, uma gravata diferente, mas basicamente o mesmo. Muriqui e Escudero eram os únicos nomes novos na estreia da temporada contra o Barcelona de Guayaquil – vitória por 2 a 1 -, Evander e Guilherme Costa, porém, é que foram as surpresas. Boas.

Meia-atacante na base, a jovem promessa se tornou camisa 5 com Cristóvão Borges. Mas não como Marcelo Mattos. Mais um ‘8’, como foi o próprio treinador em seus tempos de jogador – inclusive chegando à Seleção Brasileira. Se falta dinâmica – uma das críticas em seus primeiros jogos como profissional -, sobra visão de jogo e qualidade no passe.

O chute de média distância, uma das características de Evander na base, ficará mais raro nessa posição. Entretanto, se distancia dos volantes adversários, consegue jogar de frente e com mais tempo para pensar o jogo, algo que não tem quando atua mais avançado.

Se os erros de posicionamento, como no lance do gol equatoriano, ainda precisam ser corrigidos – mais do que normal para o pouco tempo de treinamento na nova função -, vontade e qualidade para marcar o garoto demonstrou, mesmo conhecendo a posição apenas como ‘adversário’. Não à toa conseguiu cinco desarmes e oito antecipações e cortes.

Evander é inteligente, conhece a bola e o futebol. Tem capacidade para se adaptar, até onde o físico não atrapalhar. Mas é necessário tempo.

É melhor um talento se arriscando em campo do que confortavelmente sentado no banco. A vaga de Nenê – que seria a sua original – ele não toma. Então, é justo que se procure outra. Talvez Cristóvão tenha achado. Mas é cedo.

Mais velho que o jovem novo volante é Guilherme Costa. Quatro anos e três dias após estrear como profissional no amistoso de despedida de Pedrinho, contra o Ajax, da Holanda, o meia voltou a ter uma nova oportunidade no Vasco. Exatamente com o mesmo velho técnico que o alçou ao time profissional durante o Carioca de 2012, deixando-o no banco pela primeira vez na carreira em partida contra o Boavista.

Caindo pelos lados do campo – mais pela direita do que esquerda -, mostrou personalidade e qualidade nos 45 minutos em que esteve em campo. Finalizou, tabelou e brigou. Mesmo com o longo período inativo – não disputava uma partida desde o Estadual de 2016, quando defendeu o Boavista -, mostrou que pode sim fazer parte do elenco e não apenas para compor. Dá para ser efetivo.

Do que tem hoje no plantel, Guilherme é quem mais se aproxima, por características – inclusive físicas, de Nenê. Canhoto, de bom porte físico, que sabe pensar o jogo e bom na bola parada, é uma opção interessante para Cristóvão.

Mais do que uma partida na Florida Cup, o Vasco ganhou opções.

GUILHERME COSTA CONTRA O BARCELONA-EQU
– Dados Blog do Garone

45 minutos em campo
0 gols
0 passes para gol
2 assistências para finalização
1 finalização certa
9 passes certos
1 passe errado
0 cruzamentos
0 lançamentos
o dribles
2 perdas de posse de bola
1 falta sofrida
1 falta cometida
1 impedimento
0 desarmes
2 antecipações



  • Edison Lopes

    Gostei dos dois jogadores.Não sei como o Evander vai se adaptar, e , acredito que o Guilherme, se continuar jogando, tem tudo prá se firmar. Amèm.

  • Dirceu

    Concordo plenamente com sua análise, vimos o mesmo jogo.
    Para mim a grande surpresa foi o Guilherme. Uma das nossas antigas promessas, de quem se esperava muito, mas, ao que parece, não foi bem preparado no passado ou não tiveram a paciência para vê-lo evoluir.
    Esteve muito bem o tempo todo e foi uma pena ter perdido aquele gol na jogada com o Henrique pela esquerda. Considero que encontramos uma boa alternativa pra o meio campo.
    Com relação ao Evander, não temos dúvida de sua qualidade técnica, e ele esteve bem para um primeiro jogo em uma posição que nunca havia jogado. Como complemento, diria que ele precisa se movimentar mais, buscar e chamar a bola. Para tanto, tem que entrar mais ligado, com mais energia, com mais confiança.
    Todos concordam que tem qualidade acima da média, mas é preciso que lhe façam entender que precisa mostrar em campo, que pode ser um craque, que se faz necessariamente com talento, mas que não se tornará em realidade, sem o trabalho duro, a suor e vontade de vencer sempre.

  • Rocha Leblon

    Pelo menos agora que os jogadores Masters forma dispensados a garotada vai ter mais chance Na lateral acho que o Henrique tem mais equilíbrio que o Allan no momento (apesar de o Allan ser mais técnico) . E é a oportunidade do Cristóvão dar chance tb ao Andrey no lugar do J. Santos . Quanto ao Evander é uma boa experiência , apesar de achar que qd for a Vera o Cristóvão vão botar O M. Mattos ou outro volante se for contratado.. Ainda por cima qd o Wagner jogar junto com o Nenê . os volantes vão ficar mais sobrecarregados e o Cristóvão vai apertar mais a marcação do meio . Pelos menos temos mais variações táticas , como botar tipo 3 volantes com o Mattos de pimeiro volante e o Douglas e Evander vindo de trás (como o esquema tático do Botafogo) e o Wagner é o Nenê alimentando o Luís Fabiano (se vier) ou Thalles

    • Carlos Geovanni

      Agora me diga porque só o Jorginho não não viu isto,,Evander pra mim sempre mereceu oportunidade. outro que vai se firmar quando entrar vai ser o caio Moteiro o molegue e bom de bola e rapido,

  • Alessandro Louzada

    Acredito que essa “mudança” que Cristovao esta promovendo, seja pra adaptar o Evander em uma posiçao mais recuado, Douglas esta na seleçao e é titular ABSOLUTO, Mattos voltando de lesao. Ideal seria Mattos como primeiro volante, Douglas e Evander responsaveis pela saida de bola, Wagner/Andrezinho/Escudero responsavel pela armaçao, mais centralizado. Nene e Muriqui no ataque. Assim podemos ter variaçoes taticas, em jogo que precisa de um jogador de area, usa o Thalles, recua o Nene e tira o meia armador. Precisa de mais velocidade? Abre Muriqui de um lado, centraliza Nene como falso 9 e coloca Eder(Necessaria uma contrataçao) no lugar do meia armador. Existe uma infinidade de formaçoes que pode ser usada. 4-1-4-1, 4-2-3-1, 4-1-2-1-2, 4-5-1, 4-3-3. Totalmente o contrario do ano passado, time sem variacoes taticas e uma formaçao principal horrivel e pessimamente treinada.

  • Marco

    Parece que pelos comentarios, a maioria tem o mesma visao de um futuro proximo: M.Mattos, Douglas, e Evander. Pergunta, o que aconteceu com Mateus Pet? Pode ser que, tendo mais tempo e espaco, esses que deveriam ter aparecido para 2017/18, ja puxados em 2016, possam finalmente aparecer

MaisRecentes

Após mudança de técnico, Vasco foi o time que mais pontuou no Brasileiro, ao lado de Palmeiras e Cruzeiro



Continue Lendo

O ‘anti-gol’



Continue Lendo

Vasco volta a vencer três jogos seguidos na Série A do Brasileiro após cinco anos



Continue Lendo