Areia movediça



Jorge Henrique foi expulso com 20 minutos de jogo (Foto: Adalberto Marques/AGIF)

Jorge Henrique foi expulso com 20 minutos de jogo (Foto: Adalberto Marques/AGIF)

Bicicleta sem roda, juiz sem justiça, herói-vilão, puxão que não atrasa (o adversário)… No Vasco, as coisas não funcionam. Não uma ou outra coisa, tudo.

O Vasco no 11 contra 11 tem dificuldades para vencer. No 10 contra 11, pior ainda. Com nove em campo e dois pênaltis contra, que só são marcados quando a arbitragem deseja muito fazer parte do ‘espetáculo’, a missão se torna ainda mais impossível.

A verdade é que o Vasco joga sempre contra 22 – no mínimo: onze adversários e os seus onze. Uma luta interna e externa.

Quando se sabe que Zé Love irá estrear contra o clube, logo o torcedor pensa: ‘Vai meter um’. Dito e feito. Quando se marca algo próximo da área e não se sabe bem ao certo o que é, o vascaíno já crava: ‘É contra a gente’. E é.

A capacidade do Vasco em atrair coisas negativas e improváveis é digna de estudo, mais até do que a formação tática ou a qualidade do elenco. Tudo o que pode dar errado em uma partida, dá. Seja um erro seu ou de terceiros.

Só o Vasco é capaz de tomar um gol de bicicleta de Zé Love – com todo respeito ao jogador. Só o Cruz-Maltino consegue ter um jogador expulso após sofrer um chute na cabeça e empurrar com a perna o adversário.

Só contra o Vasco se marca um pênalti quando o adversário pede escanteio. É como apostar na raspadinha mas ganhar na Mega-Sena: você não acredita, não entende, mas aceita. Quem recebe o prêmio, claro.

Quando se esperava que Jorginho tivesse encontrado os onze, o time acaba jogando com dez. Pior, nove. Quando parece que a vontade vai ser um diferencial positivo, se torna algo negativo, seja na hora de cobrar uma entrada dura ou ao salvar uma bola na pequena área.

O Vasco não funciona nem quando parece estar em alta. Até a vitória faz mal ao time. A equipe parece estar numa areia movediça, quanto mais tenta se mexer, mais afunda.

Para sair, só com corda. Mas do jeito que as coisas andam, é capaz de se enforcar com ela.



MaisRecentes

Ríos se torna o 2º estrangeiro com mais gols pelo Vasco na história do Brasileiro



Continue Lendo

As duas faces de um empate



Continue Lendo

Artilheiro do Vasco, Pikachu vem tendo sua maior média de gols da carreira



Continue Lendo