Aplausos vascaínos



Torcida do Vasco incentivou até o fim (Foto: Wagner Meier/LANCE!Press)

Torcida do Vasco incentivou até o fim (Foto: Wagner Meier/LANCE!Press)

O juiz apita o fim do jogo. Jogadores aplaudem a torcida. Torcedores aplaudem os atletas. Vitória? Não, um 0 a 0 no placar que deixa tudo em aberto para o próximo jogo. Porém, mais um clássico disputado de igual para igual.

O Vasco não venceu o primeiro jogo contra o Flamengo, não encerrou o tabu e não inverteu a vantagem, então, comemorar o quê?

Tão bom quanto ser campeão, é ver o Vasco sendo Vasco.

Time e torcida gostam de jogar contra tudo e contra todos. E, quando o árbitro não expulsou Jonas, esse sentimento uniu ainda mais a arquibancada ao campo. Ganhar o clássico com um a mais não teria nada de Vasco. Com um a menos sim.

O Vasco não é o time da virada apenas dos placares, mas também de situações. Quanto mais difícil para o Gigante melhor. Perdemos títulos quando éramos favoritos e ganhamos como azarões. Assim é a nossa história.

Os aplausos ao fim do jogo, mesmo sem a vitória, não foram pelo resultado, mas pelo espírito do time, que não teve medo de chutes, pontapés e cara feia. De ‘baba’ do Carioca no início do ano, passamos a sérios candidatos ao título. E isso merece aplausos.

Que os rivais sigam desacreditando e desafiando o Vasco. Que o muay thai alheio siga sem punição. Que a cotovelada adversária seja sempre interpretada como acaso do movimento. Sem problemas. No fim, cansados e sangrando, sairemos do estádio novamente aplaudidos e, se Deus quiser, com a faixa de campeão.

Nossa hora chegou. A torcida sabe disso. Os jogadores também.

Bate mais que tá pouco!

Saudações vascaínas! /+/

FACEBOOK – https://www.facebook.com/BlogDoGarone
TWITTER – https://twitter.com/BlogDoGarone



MaisRecentes

Falta de dinheiro ou má gestão? Vasco contratou dois times apenas em 2018



Continue Lendo

A importância de Maxi López no Vasco



Continue Lendo

Ríos diminui diferença para Yago Pikachu no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo