Ânsia pelo desespero



Nenê perdeu pênalti após cinco anos (Foto: Wagner Meier/Lancepress)

O Vasco não joga bem há três jogos. Mas também não perde. Venceu um e empatou dois. Foram dois clássicos – Botafogo e Flamengo – e um jogo contra o pequeno que mais tirou pontos dos grandes, o Volta Redonda, que venceu Fla e Flu.  Mas o desespero bate à porta, ao menos para parte da torcida. Vascaínos nas redes sociais querem mudanças, não dá para continuar assim, dizem. Calma.

É nítida a queda de desempenho da equipe vascaína nos últimos jogos, porém, um declínio mais individual de seus principais jogadores do que tático. Nenê deixou o brilho intenso de lado para algumas piscadelas. Thalles, de virado para lua, voltou a ser estrela cadente. Rodrigo, de segurança defensiva, parece mais um segurança – ruim – de boate, cheio de extremos e deslizes. Mas ainda é o Vasco de Jorginho, que não perde faz cinco meses. Está invicto, imbatível, mesmo apresentando um futebol insosso nas últimas rodadas.

É cedo para desespero, ainda que alguns torcedores tenham toda razão em ter medo de ser tarde demais. Gritar no primeiro sinal de água na proa parece ser sempre a melhor forma de impedir que o barco afunde, mas é preciso também evitar o caos. Principalmente quando não se sabe ao certo se a poça é fruto de um furo no casco ou de uma desatenção de alguns tripulantes.

O Vasco não está bem, mas é. Um bem montado por Jorginho, que mesmo que desafine em alguns momentos, toca uma música audível, ainda que nem sempre dançante ou agradável. É pior que o Cruz-Maltino do início do ano, mas segue fazendo frente aos seus adversários diretos. Suficiente para a Série B? Isso é conversa para depois do Estadual.

O momento do time não é o melhor, mas isso não é tudo. Passar pela pior fase sem saber o que é derrota, mesmo encarando alguns de seus principais adversários, é de se enaltecer. O time está praticamente classificado para a próxima fase, a hora de errar e consertar é agora.

Há quem veja o início de um momento ruim, outros que acham que o pior que pode acontecer já está ocorrendo. Neste caso, estou com o segundo grupo.

Pode ser que o Vasco seja campeão jogando mal, que perca jogando bem ou qualquer das outras duas combinações possíveis. No fim, sempre terá alguém com a plaquinha pronta empoeirada e escrita: eu avisei. Faz parte do jogo, assim como atuar bem ou mal.



MaisRecentes

Em boa fase, Pikachu já entra na lista dos dez maiores artilheiros do Vasco na história da Libertadores



Continue Lendo

Vasco rescinde com mais um jogador do Expressinho



Continue Lendo

Troféu Ademir Menezes: Thiago Galhardo assume o papel de garçom



Continue Lendo