Análise tática: Vasco achou seu losango ideal



Andrezinho foi muito bem contra o Sport (Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

Andrezinho foi muito bem contra o Sport (Foto: Paulo Fernandes/Vasco.com.br)

Andrezinho não pode mais ser reserva do Vasco. Se o que lhe faltava era ritmo e condição física, o meia tem demonstrado nos últimos jogos que já superou estes problemas. Foram três assistências nas últimas 4 partidas Ponte, Cruzeiro e Sport – e excelentes atuações no meio-campo vascaíno, o suficiente para garantirem sua vaga em uma das pontas do losango montado por Jorginho.

Ao contrário do que muitos esperavam – inclusive eu -, o apoiador conseguiu ir bem defensivamente – já havia feito essa função no Botafogo -, sem deixar o lado direito desguarnecido com as subidas de Madson. Mais do que isso, conseguiu dar a criatividade e o dinamismo que têm faltado com Julio dos Santos em campo.

A formação foi a mesma utilizada nas últimas partidas, com Gallo pela esquerda, Serginho mais recuado, Nenê adiantado e Andrezinho no lugar do paraguaio pela direita. E foi com a participação de duas destas peças que o Cruz-Maltino abriu o placar contra o Sport.

Análise Vasco x Sport
O camisa 7 iniciou a jogada pela ponta, lançando Madson na direita. O lateral cruzou para Leandrão, a zaga cortou parcialmente e Nenê, chegando de trás centralizado, fechou para pegar a sobra e empurrar para as redes fazendo 1 a 0.

Apesar da formação inicial, os quatro jogadores de meio se movimentaram bastante. Serginho chegou a aparecer no ataque como elemento surpresa, assim como Bruno Gallo muitas vezes centralizou para criar e ajudar na saída de bola, aproveitando que Rafael Silva também cobria o lado esquerdo, acompanhando o lateral. Mais livre para se deslocar, Nenê flutuava livremente no ataque, aparecendo dos dois lados como opção.

Análise Vasco x Sport variação meio

A formação é a mesma dos últimos jogos, mas com uma mudança de peça que ampliou o leque de variações táticas do time em campo. Andrezinho é mais completo e decisivo que Julio e parece estar bem fisicamente. Mesmo que ainda não esteja 100%, sua entrada trouxe uma maior produtividade para a equipe.

Ao contrário do que muitas vezes é feito no Brasil, o treinador vascaíno vem utilizando dois meias de formação – Gallo e Andrezinho – na função de volante, ao invés de dois cabeças de área que ‘sabem sair para o jogo’. São apoiadores que sabem marcar, preencher espaços, e não dois volantes com um pouco mais de qualidade em relação aos outros de sua posição.

Esse, ao meu ver, é o caminho mais inteligente a ser seguido. Mais qualidade, menos ‘brutalidade’.

Acho que Jorginho achou sua última ‘ponta’ do losango.



  • Marlon

    Quarta contra o SP Martin; Madson; Luan; Rodrigo; Bruno Telles(Christiano); Serginho; Gallo; Nene; Romarinho; Rafael Silva e Leandrao.

  • Carlos

    O Andrezinho é meio afobado , o Julio é mais cadenciado , os dois se equivalem .As escaramuças adversárias , inclusive o gol , surgiram de falhas . Perda de bola infantil do Nenê e falha de marcação e cobertura.da defesa . Foi tão ridícula , que pensei , a bola tivesse sido conduzida com o braço do adversário .

  • Roberto Moulin

    ,A copa do Brasil é muito importante ;mas seria uma c0onquista com gosto amargo,se meu querido CR VASCO DA GAMA caísse para a série B

  • ODILON SILVA = RJ

    Nesse momento , nessa situação que estamos, é bom manter esse time mesmo,essa formação, essa tática mesmo, manter o 4-4-2-, manter esse quadrado NENÉ e ANDREZINHO, com dois centrovantes, dependendo das circunstância da partida podendo variar para o 4-3-3-, nessa hora, não tem muito que inventar……………Devemos ate agradecer por ter encontardo uma boa forma de jogar nessa altura do campeonato, onde estamos lutando para fugir da degola, só espero que ainda tenhamos força para fugir do pior.

  • Wellington

    Você tem razão sobre Andrezinho, mas dá um sentimento ruim pelo fato de ver o Julio dos Santos sair do time, pois, ele é muito aplicado taticamente. Mas sem dúvida, Andrezinho deu mais criatividade ao meio campo e sem perder a consistência defensiva. Vale destacar a subida de produção do Rafael silva, está surpreendendo se tornando um jogador perigoso para a defesa adversária. Neste momento o Vasco tem boas chances de não cair, e podemos sonhar com um bom rendimento na Copa do Brasil, acredito eu.

MaisRecentes

Pikachu ganha quatro posições no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

O ‘chef’ Milton Mendes



Continue Lendo

Vasco rescinde com atacante do sub-20



Continue Lendo