Análise tática: a ousadia de Jorginho



Vasco demorou para acertar a marcação (Foto: Paulo Sérgio/LANCE!Press)

Vasco demorou para acertar a marcação (Foto: Paulo Sérgio/LANCE!Press)

Um time sem volantes por definição. Esse talvez seja o sonho de 9 entre 10 torcedores de um clube. A busca pelo futebol moderno e ofensivo, passa por esse tipo de transformação, mas que nem sempre é possível ser colocada em prática.

Contra o Flamengo, Jorginho ousou pôr em campo um meio formado apenas por jogadores com características mais ofensivas desde a sua formação. Bruno Gallo, Julio dos Santos, Andrezinho e Nenê já foram camisas 10 durante suas carreiras e atuaram juntos neste domingo, mas em funções distintas.

A formação não foi diferente da que o treinador vinha adotando nos últimos jogos do Brasileirão, mas as peças sim e elas demoraram a encaixar. Com Gallo como volante e Andrezinho na esquerda – onde Bruno vinha atuando -, a equipe perdeu equilíbrio na saída de bola, já que o meia teve dificuldades para recompôr na primeira etapa.

Análise Flamengo x Vasco - defesa erro

Repare como apenas 5 vascaínos fazem a marcação. Julio e Andrezinho não acompanham a jogada

Com jogadores em novas funções no meio, a equipe teve dificuldades para compactar e se organizar, dando campo para o Flamengo jogar. Até o time conseguir se acertar, o Flamengo já vencia por 1 a 0. Julio e Andrezinho tinham a obrigação de proteger os corredores, mas pecaram nesse aspecto no primeiro tempo, assim como Jorge Henrique.

Tendo Andrezinho para ajudar na criação, Nenê ficou muito preso no lado direito, se movimentando pouco. Com isso, Andrezinho muitas vezes foi obrigado a centralizar para buscar o jogo com Leandrão, deixando a esquerda por conta apenas de Julio César.

A ideia de Jorginho foi boa, talvez possa vir a ser a ideal, não apenas para sair da zona de rebaixamento mas para um projeto a longo prazo. Porém, mudar a formação que vinha dando certo com apenas dois dias de treinamento foi um risco assumido pelo treinador.

Análise Flamengo x Vasco - saída de bola

A vitória com dois gols de bola parada salvou a ‘experiência’ de Jorginho. O acerto no intervalo também colaborou para que a virada fosse possível, mesmo com uma escalação igual. Bastou Andrezinho acertar o posicionamento que o jogo vascaíno melhorou, com Gallo recebendo mais apoio dos homens de meio, tanto na transição quanto na defesa.

O Vasco não jogou bem, principalmente no 1º tempo, mas soube ter paciência para definir quando teve chance. As mexidas nas posições com pouco tempo de treinamento poderiam ter custado a vitória, mas, no fim, os três pontos foram conquistados.

E, por hora, é só o que interessa na Colina.



MaisRecentes

As duas faces de um empate



Continue Lendo

Artilheiro do Vasco, Pikachu vem tendo sua maior média de gols da carreira



Continue Lendo

Sempre eles! Andrey e Pikachu pontuam novamente no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo