A volta do 4-2-3-1 ao Vasco



Time do Vasco no início do Carioca 2015 (Imagem feita através do app Line-Up 11)

Time do Vasco no início do Carioca 2015 (Imagem feita através do app Line-Up 11)

O mundo dá voltas, já diz o ditado. No futebol, dá várias. E rápidas.

O Vasco mudou de técnico, trouxe reforços, alterou o esquema e agora, menos de um mês após a chegada de Celso Roth ao clube, o treinador volta a utilizar a formação com que a equipe iniciou a temporada.

Sob o comando de Doriva, o time começou 2015 no 4-2-3-1, com dois jogadores abertos pelas pontas, um falso 9 e um homem de criação mais centralizado. Porém, após alguns jogos, Bernardo, Marcinho, Montoya e Rafael Silva caíram de rendimento e começaram a perder espaço.

Entrada de Gilberto fixou o centroavante e Julio dos Santos recuou pelo lado direito, dando liberdade a Madson (Imagem feita através do app Line-Up 11)

Entrada de Gilberto fixou o centroavante e Julio dos Santos recuou pelo lado direito, dando liberdade a Madson (Imagem feita através do app Line-Up 11)

Com status de artilheiros da última Libertadores, Julio dos Santos ganhou uma vaga entre os titulares e, posteriormente, Gilberto também entrou. Apesar de teoricamente ser o meia armador pela direita, o paraguaio, em razão da sua falta de velocidade, acabou se posicionado mais como volante, liberando Madson para apoiar. Com isso, a equipe passou a adotar o 4-3-2-1 com uma postura sólida e não uma variação.

Apesar de mudar em razão de características individuais, o time se encaixou e conquistou o Campeonato Carioca. Porém, a falta de criatividade no meio se acentuou ao enfrentar adversários mais gabaritados no Brasileiro. Doriva não conseguiu solucionar, caiu e Roth assumiu.

De cara, o novo treinador mudou a estrutura da equipe, colocando em campo um 4-4-2 com duas linhas de quatro bem definidas, com volantes e meias atuando lado a lado. Contra a Chapecoense, o esquema foi mantido, mas a entrada de Biancucchi e o recuo de Riascos tirou a velocidade do time.

Vasco venceu Flamengo e Avaí com um time mais fechado e compacto (Imagem feita através do app Line-Up 11)

Vasco venceu Flamengo e Avaí com um time mais fechado e compacto (Imagem feita através do app Line-Up 11)

Na estreia de Andrezinho, a formação foi desfeita. Com três volantes, Celso botou em campo um 4-3-1-2 que não funcionou, principalmente pela distância entre os jogadores. Quanto mais linhas, mais solitário o jogador. Quanto maior a linha, maior a compactação.

Com as chegadas de Herrera, Eder Luís e Andrezinho, além da volta de Dagoberto, Roth passou a ter mais opções ofensivas e decidiu mudar novamente. Mudou mas não inovou. Contra o América de Natal, mandou a campo uma escalação bem semelhante a que iniciou o ano. Não nos nomes, mas no posicionamento dos jogadores.

Formação atual do Vasco sem desfalques (Imagem feita através do app Line-Up 11)

Provável formação do Vasco sem desfalques (Imagem feita através do app Line-Up 11)

Nome por nome, a equipe parece mais encorpada do que a que iniciou o ano. Porém, terá que ganhar entrosamento e ritmo em meio a um campeonato que o Vasco já ‘começa’ com atraso.



MaisRecentes

Ríos se torna o 2º estrangeiro com mais gols pelo Vasco na história do Brasileiro



Continue Lendo

As duas faces de um empate



Continue Lendo

Artilheiro do Vasco, Pikachu vem tendo sua maior média de gols da carreira



Continue Lendo