A volta ao mundo do Vasco



Vasco rodou o Brasil em 2014 (Foto: Patrick Szymshek/LANCE!Press)

Vasco rodou o Brasil em 2014 (Foto: Patrick Szymshek/LANCE!Press)

Literalmente, o Vasco teve que dar a volta ao mundo para retornar à Série A do Campeonato Brasileiro. Para disputar as 38 rodadas da competição, o time viajou aproximadamente 45 mil quilômetros. Isso levando em consideração apenas o deslocamento para jogos do Brasileirão, sem contar as partidas de Copa do Brasil que tiveram pelo meio.

Se você seguir a linha do Equador, a volta ao mundo terá cerca de 40 mil km. Ou seja, cinco mil quilômetros a menos que a distância percorrida pelo Cruz-Maltino.

Para ter uma ideia, o Real Madrid viajou aproximadamente 20 mil quilômetros em sua campanha vitoriosa na Champions League. Obviamente é um competição mais curta, com 13 partidas, porém, envolvendo toda a Europa. Jogaram na Alemanha, Portugal, Dinamarca, Turquia…

Na Itália, por exemplo, a Juventus precisou de apenas 15 mil quilômetros – com as mesmas 38 rodadas do Brasil – para se tornar campeã. Três vezes menos do que o Vasco. Na Série A, por aqui, o Cruzeiro percorreu cerca de 30 mil quilômetros. Menos que a nau vascaína mas ainda assim o dobro que os italianos.

O que isso significa? Não, não devemos reduzir o país, é claro. Mas o campeonato, talvez.

Somos um país com dimensões continentais, e esta talvez seja a explicação mais simples de porque nem tudo que dá certo lá fora funciona aqui. Viajamos mais para um campeonato nacional do que os europeus para um campeonato continental.

Esse é um dos motivos da queda do nível do futebol brasileiro. É por isso que falta tempo para treinar, para se preparar, para descansar… O deslocamento talvez seja pior que o excesso de partidas. Os jogadores passam mais tempo dentro de um avião que no campo.

Como não dá para encurtar o Brasil, nos resta remodelar o campeonato. Né, CBF?

Facebook – https://www.facebook.com/BlogDoGarone
Twitter – https://twitter.com/BlogDoGarone



  • Homero

    Compartilho da mesma opinião do Garone, precisamos de cabeças pensantes e não bolsos gananciosos em nosso futebol.

    • André Assis

      Rumo ao fim…

  • VIAJANDO E CARREGANDO UMA DIRETORIA INCOMPETENTE ! FOI DUREZA !
    AVANTE VASCÃO !

  • Garone;é viajar demais,tem que se pensar em formulas mais bem estruturadas para que os clubes não tenham que se deslocarem tanto em tão pouco tempo.Não fali isso por causa dos jogadores que ganham bem e são pagos para trabalhar,mas devido aos gastos exagerados que que os clubes tem co0m esse deslocamentos constantes e muitas vezes deficitários.

  • pra que diretorira do vasco contratar marcinho nao e jogador de peso a torcida do vasco nao que ele nois torcedores do vasco queremos o meia DIEGO SOUZA E NAO MARCINHO NOIS QUE MEIA DIEGO SOUZA DE QUALQUE JEITO DIRETORIA DO VASCO AGENTE SO ELE NO VASCO EN 2015 O NOME E DIEGO SOUZA NAO VENHA COM DESCULPA DIRIGENTES DO VASCO OU VIU SEU EURICO MIRANDA ZE LUIS E SEU PAULO ANGIONI VAO ATRAIS DE DIEGO SOUZA PARA JOGA EN 2015 NO VASCO

  • Carlos Silva

    Viajando com um time de portadores de necessidades especiais torna tudo mais difícil, assim como foi a volta do Vasco à Série A.

  • Ayron

    Perfeita colocação!

  • antoniocarlos

    foi o pior time do vasco de todos os tempos

  • antoniocarlos

    um verdadeiro time de mulambos com algumas excessoes

  • alex

    Por isso que, na NBA americana, existe a divisão de Lado Leste e Oeste. No Brasil, o Campeonato Brasileiro deveria ter a fase regional, de onde sairiam alguns clubes, que se enfrentariam na fase seguinte, nacional.

  • Mauro CMR

    Falou tudo.
    Esse é certamente um grande fator de queda de qualidade do nosso campeonato.

  • adriano

    Depois que começamos a copiar europeu não ganhamos mais nenhum mundial, Viva aos pontos corridos !!!!!!!!!!

  • quero ver se o eurico miranda consegue montar um vasco igual ao de 1997 ou melhor so vou acreditar num trabalho serio quando o vasco ganhar o titulo carioca.

MaisRecentes

Os celibatários da verdade



Continue Lendo

Pikachu ganha quatro posições no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

O ‘chef’ Milton Mendes



Continue Lendo