A carta de Nenê e Thalles



Thalles decidiu o clássico com o Botafogo (Foto: Paulo Sergio/Lancepress)

Thalles decidiu o clássico com o Botafogo (Foto: Paulo Sergio/Lancepress)

Quem mora no Rio de Janeiro sabe o valor de uma sombra. Um guarda-sol na praia custa tanto quanto uma água de coco. Ou até mais. Em São Januário, ela foi tão disputada quanto a partida. Nas arquibancadas e no campo.

Vascaínos e botafoguenses se aglomeraram pelo lado das sociais de São Januário em busca de um canto mais fresco. Uma cobertura que fizesse aqueles 36º parecerem ‘apenas’ 32º. Chocolate e sol não combinam. Nem na Páscoa.

Madson e Julio dos Santos pareciam aproveitar mais a sombra no lado direito do que os espaços que haviam nas costas de Diogo Barbosa. Uma rede bem esticada por aquele canto e o sono seria inevitável.

O Vasco tocava bola como quem roda a travessa de bacalhau no fim do almoço, torcendo para que alguém assumisse logo a responsabilidade de finalizar aquilo. ‘Eu não, você’. ‘Não, mata tu’. E ninguém define nada. Enquanto isso, o Bota se organizava para arrematar a sobremesa.

Mas com Nenê em campo, sempre há uma luz no fim do túnel. Pelo meio, onde o 10 costuma brilhar, um toque simples e eficiente, como aquela pitada de limão que só sua avó sabe dar naquele peixe de Páscoa. Um rabisco tão singelo e delicado que mais parecia escrito com uma pena. Arte, não descarte.

Thalles, de peso em outros tempos, pareceu o mais leve da equipe. Um corte para a esquerda, para o sol. Sem medo de brilhar, fugindo das sombras da marquise, por onde os comuns se escondiam. De canhota, para ressuscitar a perna morta.

O gol não coroou o melhor time em campo, mas o mais eficiente. Sete chutes, um na rede. Dezesseis do Botafogo, apenas um nas mãos de Jordi. O Vasco não foi o menino mais disciplinado para merecer os melhores ovos, mas soube escrever a melhor carta. De linha única, é bem verdade. Mas com tudo que precisava ter: qualidade e objetividade. Narrada por Nenê e assinada por Thalles.

No futebol, assim como na Páscoa, vale mais uma carta com o endereço certo, do que 16 sem destinatário. Mas para chegar ao Natal sem sustos, o Cruz-Maltino precisará de mais boas ações do que uma simples cartada única.



MaisRecentes

Maxi López no Vasco



Continue Lendo

Vasco retorna com mais dúvidas do que soluções



Continue Lendo

Números de Neymar não são simulados



Continue Lendo