A arte de aplaudir



riascos vasco

Riascos foi ovacionado pela torcida (Foto: LANCE!Press)

Em qualquer profissão existem os talentosos e os esforçados. Ambos podem obter os mesmos resultados por vias diferentes. E cada um deve receber o mérito pelos objetivos que alcançam e pela qualidade do produto que entregam. Nem todo camisa 11 é Romário, nem todo técnico é Flavio Costa e nem todo adversário merece vaia.

Aplaudir alguém é saber reconhecer o seu talento. Ou o seu esforço. Aplaudir é se calar diante de algo grandioso, mas ainda assim se fazer ser ouvido. Um grito do corpo que não passa pela garganta. Um impulso da palma que vem da alma.

O Vasco entrou sob aplausos e cantos. O Botafogo idem, mesmo fora de casa. Os dois líderes e invictos. Dois alvinegros jogando para colocar tudo preto no branco. Empataram numa noite onde o talento de Nenê foi ofuscado pelo esforço de Riascos. Assim como a esperança no talento do jovem ataque botafoguense foi substituído pelo do garoto Emerson, zagueiro.

Às vezes o talentoso para na trave, como o camisa 10 no segundo tempo. Às vezes, o esforçado acaba na rede, como o colombiano após passe de Eder Luís. Muitas vezes o técnico sai vaiado. Poucas vezes sai aplaudido. Mais raras ainda foram as oportunidades em que o treinador aplaudido foi o do adversário.

Do jeito que melhor sabe, São Januário voltou a abraçar Ricardo Gomes. Um ato de reconhecimento e esportividade nem sempre visto no futebol. Aplausos ao jogador, ao treinador e ao homem. Pelas vitórias sim, mas principalmente pela história.

A vitória do Vasco era merecida, mas não há injustiça em golaços. Todos devem entrar. Pecado é quando a pintura para na trave ou na ponta dos dedos de um goleiro e se perde na história. A bola de Emerson entrou onde nem Barbosa buscaria. Para quem teve os três pontos na mão, é difícil ter que larga-los para aplaudir. Mas é justo.

Reconhecer e aplaudir o esforço de Riascos, os méritos de Ricardo Gomes e a precisão de Emerson talvez sejam as grandes vitórias de um clássico que terminou empatado, mas que arrancou mais aplausos do que muitos triunfos.

Palmas para os torcedores, das duas equipes.



  • Marcelo Henrique Braga

    Genial, Garone. Parabéns pelo belíssimo texto. Um abraço da torcida alvinegra.

  • Marcelo Henrique Braga

    No caso, André Schmidt… parabéns

    • André Schmidt

      Obrigado, Marcelo! Garone é apelido, pode chamar de qualquer forma. rsrs
      Grande abraço!

MaisRecentes

Caio Monteiro marca seus primeiros pontos no Troféu Ademir Menezes



Continue Lendo

A zona vascaína



Continue Lendo

O ‘novo’ Nenê



Continue Lendo