15 anos do histórico duelo Fábio x Edmundo



Fábio levou a melhor sobre Edmundo em 2000 (Foto: Reprodução/Youtube)

Fábio levou a melhor sobre Edmundo em 2000 (Foto: Reprodução/Youtube)

Se você fosse jogador de futebol, terceiro reserva, vindo da base, sem nunca ter feito uma partida como titular no profissional e pudesse escolher entre estrear no Estadual ou em um grande clássico nacional, o que preferiria? Sendo goleiro, que tal fazer sua primeira partida como titular em meio a um duelo entre Romário e Edmundo em pleno ano 2000? Pois foi assim com Fábio.

Atual ídolo do Cruzeiro, o camisa 1 defendeu o clube mineiro também na base mas se transferiu para o Vasco com apenas 19 anos, tendo passado também por União Bandeirantes-PR e Atlético-PR ainda novo. No ano em que o Cruz-Maltino foi campeão Brasileiro e da Mercosul, o arqueiro era, inicialmente, a terceira opção do técnico Oswaldo de Oliveira para a posição. Hélton era o titular e Márcio o – eterno – reserva.

Fábio foi contratado em julho de 2000, às vésperas de completar 20 anos de idade – nasceu em setembro de 80 – e teve sua primeira chance quase no susto. Hélton, titular da Seleção nas Olimpíadas daquele ano, se machucou e Márcio, que já vinha jogando em razão da convocação, assumiu o posto. No banco, o jovem goleiro nem poderia imaginar que sua chance estava próxima, já que substituir goleiro não é algo comum.

Porém, contra o Vitória, no dia 11 de outubro daquele ano, foi a vez de Márcio sentir uma lesão e o garoto ir à campo. Fábio entra no intervalo com o time vencendo por 1 a 0, vê a equipe fazer o segundo, mas sofre dois e deixa a vitória escapar.

Apesar dos gols sofridos – sem culpa -, Fábio acaba virando o titular para o próximo jogo, tendo em vista que não haviam mais opções no elenco – o clube contrataria ainda Max, do Bangu, para não correr o risco de ficar sem goleiro. O adversário era o Santos, de Edmundo, que saíra brigado de São Januário meses antes.

Aos 20 anos de idade, Fábio pela primeira vez seria titular em um jogo de Campeonato Brasileiro. Próximo dos 30, o Animal se via numa encruzilhada: brilhar para mostrar que Eurico e o Baixinho estavam errados, mas correr o risco de perder sua idolatria no clube, ou ser discreto e esperar a próxima partida para tentar conquistar a torcida do Peixe?

Bom, talvez as opções não tenham sido bem essas, mas o resultado do duelo entre os dois aponta para uma direção. Aos 9 minutos do segundo tempo, com os vascaínos vencendo por 1 a 0, o árbitro apita pênalti de Júnior Baiano em Dodô. Edmundo corre para a bola e bate, a meia altura, nem no centro e muito menos no canto, e Fábio faz grande defesa. O juiz manda voltar, para desespero do jovem goleiro, que brilhava pela primeira vez na carreira que se tornaria tão vitoriosa.

O craque ganha uma segunda oportunidade e coloca a bola novamente na marca da cal. Passa a mão no rosto, tenta aliviar a pressão. No início do ano já havia perdido a penalidade que resultara na derrota do Vasco na final do Mundial de Clubes. Ele corre, escolhe o mesmo canto que havia tentado na primeira batida e carimba a trave. Vibração de Fábio e decepção de (com) Edmundo.

O jogo terminou 1 a 1, com Robert empatando no fim, já nos acréscimos. De tantas partidas memoráveis do Cruz-Maltino nesse ano histórico (2000), um empate com o Santos na Vila poderia ter passado batido, se não fossem estes dois personagens: Fábio e Edmundo.

Pela primeira vez brilhou a estrela de Fábio nos gramados brasileiros. Por duas vezes seguidas, Edmundo foi mais vascaíno que qualquer outro time, ainda que inconscientemente. Seria novamente na temporada seguinte, vestindo a camisa do Cruzeiro, hoje devidamente defendida pelo goleiro.

O herói daquela noite viraria ‘vilão’ cinco anos depois, ao trocar São Januário pela Toca da Raposa. Já o derrotado no duelo receberia a idolatria eterna da torcida que naquela tarde era adversária. Coisas do mundo do futebol. Tão redondo e cheio de voltas quanto a própria bola.

FICHA DO JOGO

Vasco Da Gama 1 x 1 Santos (SP)
Data: 14/10/2000
Campeonato Brasileiro
Local : Vila Belmiro
Arbitro : Wilson de Souza Mendonça
Público : 16.872
Gols : Juninho Paulista (Vasco 41/1ºT) e Robert (Santos 46/2ºT)
Expulsão : Jorginho (Vasco)

Vasco – Fábio, Clébson, Odvan, Júnior Baiano, Jorginho, Henrique, Paulo Miranda, Juninho (Alex Oliveira), Juninho Paulista (Pedrinho), Euller (Zezinho) e Romário Técnico : Oswaldo De Oliveira

Santos – Carlos Germano, Preto, André Luís, Sangaletti, Léo (Rubens Cardoso), Anderson Luís (Júlio César), Rincón, Valdo, Robert, Edmundo e Dodô (Canindé) Técnico : Giba



MaisRecentes

Ríos se torna o 2º estrangeiro com mais gols pelo Vasco na história do Brasileiro



Continue Lendo

As duas faces de um empate



Continue Lendo

Artilheiro do Vasco, Pikachu vem tendo sua maior média de gols da carreira



Continue Lendo