Substituição no Porto: Sai café, entra tequila



Se na década passada o Porto notabilizou-se por utilizar muitos jogadores brasileiros e argentinos, agora essa história mudou. O elenco atual tem apenas três brazucas, sendo só um titular, e nenhum hermano. E também já houve outras mudanças desde o fim do domínio dos dois países. Até há bem pouco tempo, o Dragão criou uma forte identificação com a Colômbia. Já era também. A bola da vez é o México. E não apenas dentro das quatro linhas. Assim como aconteceu com o país do café, os portugueses aproveitam para criar raízes também na terra da pimenta e da tequila.

Na primeira metade da atual década, o Porto apostou forte em colombianos, e se deu bem. Falcao García, James Rodríguez e Jackson Martínez, além de alguns outros menos badalados, jogaram muita bola e conquistaram títulos até mesmo fora da Terrinha.James, Falcao e Jackson (Fotos: AFP)

O presidente Jorge Nuno Pinto da Costa, que não é bobo nem nada, resolveu ir além. Primeiro levou o time para fazer pré-temporada por lá em 2013. Depois, juntou-se com um colégio de Bogotá no ano passado para lançar a Dragon Force (escolinhas oficiais do clube) por lá. Na apresentação, Jackson (hoje no Atlético de Madrid) e Quintero (emprestado ao Rennes), estiveram presentes.

– É fácil compreender o que nos liga e só quem como eu esteve lá pode dizer como o Porto é querido no país. James Rodríguez me telefonou no dia em que assinou pelo Real Madrid e confessou-me que estava no maior clube do mundo, mas que o clube do coração dele é o Porto. Fizemos questão de que a primeira escola no exterior fosse na Colômbia – disse Pinto da Costa, na ocasião.Pinto da Costa com Jackson e Quintero (Foto: Thiago Correia)

Com o tempo, os craques foram vendidos, e não houve algum tipo de reposição. Agora quem dá a bola é o México. Herrera já está no time desde 2013 e já é um dos capitães. Neste ano chegaram Corona, que veio do Twente, e Layún, emprestado pelo Norwich. Meses depois já estão tomando o protagonismo do time.

Herrera era titular absoluto na temporada passada. Voltou para esta abaixo do esperado, esquentou um banco um pouco, e voltou a ter chances. Já tem brilhado novamente no comando do meio-campo, e marcou um golaço neste domingo contra a Académica.

Gol este, aliás, que teve participação sensacional de Corona. O Tecatito tem apenas 22 anos, foi destaque do Twente entre 2013 e 2015, e chegou chegando no Porto. Rapidinho deixou Tello no banco, e em nove jogos pelo Português, já fez oito gols e deu passe para mais um.Herrera, Corona e Layún (Fotos: AFP)

No apagar das luzes da janela de transferências, chegou Layún. Polivalente e destro, joga como lateral-esquerdo. É outro que tem dado sustentação, está em boa parte das jogadas ofensivas, e é um dos homens das bolas paradas. Nesse jogo com a Académica, cobrou o escanteio do primeiro gol, e fez o lançamento do segundo. Isso tudo sem falar no goleiro Gudiño, de 19 anos. Está no Porto B e está sendo preparado para ser o sucessor de Casillas e Helton. O que já mostra uma ideia de trabalho a longo prazo.

Voltando a Pinto da Costa, aquele que não é bobo nem nada… Depois de levar a Dragon Force para a Colômbia, abriu também em Bulgária, Canadá, Guatemala, Estados Unidos, Espanha e Reino Unido, agora é a vez de ir para o México. E como o próprio site do Porto admitiu, um resultado da popularidade que o Dragão ganhou no país com estes jogadores. Todas da seleção mexicana.



MaisRecentes

CR7 inaugura seu primeiro hotel e vai batizar o aeroporto da ‘Pérola do Atlântico’



Continue Lendo

Clube português promove dispensa coletiva e causa revolta em sindicato



Continue Lendo

Trio brasileiro estreia com vitória pelo Porto em amistoso de pré-temporada



Continue Lendo