Porto acerta com técnico com passado ‘estilo Cuca’. Escolha arriscada, mas pode funcionar



Depois de 11 dias de ter demitido o técnico Julen Lopetegui, o Porto anunciou nesta terça-feira o seu substituto. José Peseiro, que chegou a negociar no ano passado com o São Paulo antes de Juan Carlos Osorio, é o novo comandante do Dragão. Ele fica por um ano e meio. Uma escolha arriscada para o time, que não teve nem um pouco de aceitação da torcida até agora nas mídias sociais, mas que tem o seu fundo de coerência.

Lembram-se de como Cuca era visto Brasil até sua era vitoriosa no Atlético-MG? Grandes ideias, futebol bonito, ofensivo, vistoso, mas que na hora do “vamos ver”… Não ganhava nada. Isso principalmente pelo seu trabalho no Botafogo de Dodô, Lúcio Flávio, Zé Roberto, Jorge Henrique… Era legal ver o Alvinegro jogar, mas o treinador saiu de lá de mãos abanando.

José Peseiro é mais ou menos isso. Da mesma geração de José Mourinho, os dois até fizeram curso de especialização juntos, e depois chegaram a trocar algumas farpas publicamente. Depois de experiências em clubes menores, deu um salto ao ser auxiliar de Carlos Queiróz no Real Madrid em 2003/04. Depois credenciou-se para ir a um grande, e comandou o Sporting entre 2004 e 2006. Lá, perdeu a Copa Uefa dentro de casa para o CSKA e não ganhou nada.

Depois foi para Al-Hilal, Panathinaikos, Rapid Bucareste, seleção da Arábia Saudita e voltou a Portugal em 2012/13 para vencer o seu primeiro título de elite (tinha conquistado antes a Segunda Divisão em Portugal) pelo Braga em 2012/13, justamente sobre o Porto de João Moutinho, Lucho González e James Rodríguez. Depois foi para o Al-Wahda, Al Ahli, e enfim desembarca no Dragão.

Em seus times, sempre priorizou o bom futebol. Organiza bem os seus times, busca ofensividade e tem soluções criativas. Alguns ex-jogadores dele já andaram sendo entrevistados em Portugal, antes ainda da oficialização, e praticamente todos falaram que ele se dá muito bem no vestiário. O que falta então?José Peseiro (Foto: Divulgação)

Talvez o que falte a ele pode ser exatamente o que o Porto tem: hábito de vencer. Está certo que o Dragão já está há algum tempo sem ganhar nada, mas da década de 1980 para cá, domina o futebol português. Desde que saiu André Villas-Boas, o time teve alguns troféus, ok, mas nunca convenceu tanto assim.

Peseiro terá a dura missão de pegar o time com o bonde andando, já no meio da temporada. Material humano para fazer o time jogar bonito como ele gosta, existe. O Porto tem jogadores técnicos, como Brahimi, Corona, Herrera, Rúben Neves, Layún, André André… E outros de liderança, como Casillas, Maxi Pereira, Maicon, e até Helton do banco de reservas.

A grande missão de Peseiro será essa. Juntar o bom futebol, organizado e bonito que gosta, com a capacidade histórica que o Porto tem de ganhar títulos. Caso consiga, pode tranquilamente repetir o que Cuca fez no Atlético-MG.



MaisRecentes

CR7 inaugura seu primeiro hotel e vai batizar o aeroporto da ‘Pérola do Atlântico’



Continue Lendo

Clube português promove dispensa coletiva e causa revolta em sindicato



Continue Lendo

Trio brasileiro estreia com vitória pelo Porto em amistoso de pré-temporada



Continue Lendo