Clubes menores de Portugal fecham contratos com TV e buscam novo fôlego



Os grandes acordos de televisão que Porto, Benfica e Sporting celebraram recentemente tiveram basicamente duas reações. Uma de que o trio poderoso teria mais força para investir, e outra pensando no futebol português, lembrando que os clubes menores ficariam muito para trás. Tudo isso é verdade. Porém, os rivais de Dragões, Águias e Leões já demonstram alguma reação. Claro, dentro de suas realidades… Principalmente Braga e Vitória de Guimarães.

Oito clubes já assinaram os seus acordos com a NOS, a mesma que paga os naming rights do Campeonato Português e que fechou com Benfica e Sporting. A empresa já demonstra que vai investir mais que a Meo, sua concorrente. Académica, Belenenses, Nacional, Arouca, Paços de Ferreira, Marítimo, Braga e Vitória de Setúbal estão neste bolo. Excetuando os Bracarenses, os acordos são para sete anos, começando a valer em 2019.

No comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a NOS não divulgou os valores. Porém, acredita-se que, fora o Braga, os valores variam de 2 a 5 milhões de euros (R$ 8,7 a 43,4 milhões). Enquanto os Minhotos, que são a quarta força do país, vão levar 100 milhões de euros (R$ 434 milhões) pelo contrato válido por uma década também a partir de 2019. Estes números são especulados pela imprensa portuguesa, não são oficiais.

Vale lembrar ainda que estes clubes não vão estampar a marca da NOS, como o Sporting está fazendo, e o Porto com a Meo, abrindo espaço para outros patrocínios e mais renda.

Grande rival do Braga e outro clube importante do país, o Vitória de Guimarães também está muito perto de anunciar o seu acordo. Ainda não houve anúncio, mas o clube deve acertar com a Meo, a mesma do Porto, por 90 milhões de euros (R$ 391 milhões) a partir de 2018/19, também para 10 anos.

Se pensar nesses valores e nos de Porto, Benfica e Sporting, todos acima dos 400 milhões de euros (R$ 1,73 bilhão), claro que a diferença é gigantesca. Porém, pensando em outros termos, essas quantias vão dar outro fôlego aos times.

O Vitória de Guimarães, por exemplo, tem um atual passivo de 12 milhões de euros (R$ 52 milhões). E vai receber 9 milhões de euros (R$ 39 milhões) só dá TV. Vai dar um novo fôlego ao time. E os outros clubes, dependendo dos seus tamanhos, têm algo semelhante. Agora vai caber a cada um ter uma administração responsável e criativa para conseguir lutar contra os gigantes e não deixar a discrepância ser tão grande, pelo bem do futebol na Terrinha.



MaisRecentes

CR7 inaugura seu primeiro hotel e vai batizar o aeroporto da ‘Pérola do Atlântico’



Continue Lendo

Clube português promove dispensa coletiva e causa revolta em sindicato



Continue Lendo

Trio brasileiro estreia com vitória pelo Porto em amistoso de pré-temporada



Continue Lendo