O dilema de Dunga para a Copa América



Dunga costuma ser pé quente. Neste domingo, durante o sorteio dos grupos da Copa América Centenária, o treinador da Seleção Brasileira novamente fugiu de um grupo complicado em uma competição internacional. Afinal, até o mais pessimista torcedor brasileiro sabe que a equipe verde e amarela não terá dificuldades para se classificar em uma chave com Equador (sensação da Eliminatória), Haiti e Peru. Na pior das hipóteses passará em segundo lugar. Mas Dunga tem um dilema maior para resolver. E essa questão tem nome de peso: Neymar.
O ano de 2016 não é só de Copa América e Eliminatória, torneio que Dunga considera muito mais importante do que o título nos Estados Unidos. Contudo, existe um extra: a Olimpíada. E a medalha de ouro é a única conquista que falta na galeria verde e amarela. Onde entra Neymar nessa história?
A edição centenária do torneio continental acontece em junho, logo depois do fim da temporada europeia. O capitão brasileiro, caso o Barcelona chegue a final da Liga dos Campeões (dia 28 de maio), nem terá tempo de descanso para o jogo contra a Venezuela (dia 4 de junho). Se o Brasil chegar até a decisão (dia 26 de junho), Neymar, assim como ano passado, terá um período de férias diferente dos demais companheiros de clube. E esse período de retorno à Espanha é quase em cima do início dos Jogos do Rio de Janeiro, em agosto.
É neste ponto que viverá o dilema de Dunga. Afinal, não é segredo que o ouro olímpico é uma obsessão da CBF. Além disso, o Rio será a sede da Olimpíada e existe uma desilusão muito grande da torcida após a última Copa. Nesse ponto, caso precise optar onde poderá usar Neymar, evidente que o treinador da Seleção terá um forte argumento com o Barcelona em liberá-lo para o torneio (que não é data Fifa e assim os clubes não tem obrigação de ceder seus atletas). Contudo, será que os catalães vão ser generosos em não criar barreiras para avalizar a ida de um de seus principais alicerces para dois torneios desgastantes?
Essa vertente é que deve tirar um pouco de sono de Dunga. O técnico da Argentina, Tata Martino, já confirmou que Messi não virá ao Rio de Janeiro em agosto. Até porque o ouro olímpico por lá não é artigo raro e ele não quer desgastar seu principal jogador. Outro quesito importante é que a Conmebol deverá fazer pressão para que as seleções levem o que há de melhor na edição comemorativa da Copa América. Com isso, a CBF e Dunga poderão ficar em xeque: ter que fazer a famosa “Escolha de Sofia” em relação a utilizar Neymar no torneiro realizado nos Estados Unidos ou na Olimpíada.
Certo é que os próximos meses serão de muito planejamento e estratégia para contar com Neymar em ambas as competições. Afinal, dois títulos na sequência vão trazer maior estabilidade e menos pressão no trabalho de Dunga. E com o principal jogador brasileiro em atividade nos dois torneios, a possibilidade se torna mais favorável. E acredito que o capitão brasileiro queira estar jogar as duas, o que pode ser um grande argumento para o Barcelona liberá-lo. Veremos as cenas dos próximos capítulos em breve.


  • Neymar: grandes coisas – só brilha em clube e amistosos da Seleção. Quando é a vera, o cara treme…

MaisRecentes

Dunga dá voto de confiança a Gil e Renato Augusto e nova chance para Coutinho na Seleção



Continue Lendo