Botafogo: O dilema entre a história de Tite e a pressão sem coerência



O Botafogo conseguiu o que parecia impossível: não somar uma vitória nos últimos cinco jogos pelo Campeonato Brasileiro e fica de fora da Copa Libertadores. Mas quando o ano começou o impossível, para muitos, seria chegar às quartas de final da Copa Libertadores, às semifinais da Copa do Brasil e disputar a vaga no torneio continental até a última rodada do Brasileirão. O momento é decepcionante, pois o Botafogo sempre é analisado pela sua grandeza. Pelo tamanho gerado pela sua vitoriosa história, de títulos e de conquistas.

O Botafogo, porém, também é formado por homens que agora precisam tomar uma decisão: aceitar a pressão incoerente e demitir Jair Ventura, algo que não parecem dispostos a fazer, ou tentar repetir a história, por exemplo, que Tite construiu no Corinthians. Se a diretoria do Timão tivesse aceitado a pressão e demitido o hoje treinador da Seleção Brasileira após o fiasco diante do Tolima, talvez o time até hoje estivesse lutando pela sua primeira Libertadores e por mais um Mundial de Clubes.

O cenário do Botafogo, senhores, está muito longe de ser o de terra arrasada. A vaga não veio por conta de um grupo exausto, que honrou a camisa do time durante a maior parte da temporada. Um time que foi para seu jogo decisivo desfalcado de quatro jogadores. Jair Ventura nunca deixou de ter o grupo ao seu lado, valorizando a base e tentando extrair o máximo de cada atleta. Conseguiu enquanto o fôlego permitiu.

Aos que vão levantar a voz e falar: e a Chapecoense? Não contesto o lindo capítulo escrito pelo clube de Chapecó, este sim saído de um cenário de terra arrasada. Mas com o respaldo dos fatos, podemos afirmar que são pressões completamente diferentes. O elenco da Chape pode ter jogado muito e ser escasso. Mas não chegou às quartas de final de Libertadores e nem às semifinais da Copa do Brasil. Muitos dos jogos que fez, com todo respeito mais uma vez, foram por Pimeira Liga, Copa Suruga, Campeonato Catarinense e por aí vai.

Mas o objetivo da conversa não é comparar Chapecoense e Botafogo, seus feitos, virtudes e defeitos. Mas sim alertar a diretoria para a necessidade de colocar a cabeça no lugar e tomar as medidas necessárias para que 2018 seja mais um ano em que o Alvinegro vai andar para frente.



  • Talvez não ter se classificado para a Pré-Libertadores não tenha sido algo tão devastador assim. A equipe poderá fazer (enfim!) uma preparação digna, aproveitar para fazer uma barca com alguns “atletas” que nada contribuíram (Renan Fonseca, Gilson, Jonas, etc.) e montar um time mais competitivo. Obviamente talvez ocorrerão algumas saídas não tão desejadas, digo talvez porque qual clube tem R$ 20 milhões para pagar a rescisão contratual de Bruno Silva, por exemplo?

    O Botafogo poderá aproveitar o Carioquinha para montar uma equipe mais competitiva. Teremos o retorno de bons jogadores que estavam emprestados ou contundidos, A folha deverá ser reduzida, especialmente com a barca dos imprestáveis acima citados, jogadores que provaram por A + B que não produzem aquilo que se imaginava deles. Guilherme e Victor Luiz, por exemplo, tiveram um bom início de ano, mais já estão muito abaixo do que é esperado por jogadores que ganham o salário a eles pago. Guilherme volta para o Grêmio para ser terceiro reserva, o que deve ser o mesmo destino de Victor Luis. Se o Botafogo tiver juízo também dispensará a dupla bisonha de laterais que veio do América-MG (Gilson e Jonas).

    Tenho esperança que Matheus Fernandes reencontre seu futebol, assim como Leandrinho, que nos foi tirado por contusão quando melhor se apresentava, Ainda tem o retorno do Marcinho, que estava se encontrando quando também saiu por contusão.

    Teremos tempo, mais precisaremos de um ou outro jogador que brilhe. Isso é com a diretoria. O Botafogo terá que envidar todos seus esforços para fazer uma boa Copa Sul Americana e Copa do Brasil. O time é copeiro e poderá ir longe!

    • Luis Emanoel

      Concordo plenamente com o comentário. O Botafogo de 2017 nos deu orgulho ao longo da maior parte do ano. Jair Ventura fez milagres com este enxuto elenco. Não ter vindo a vaga na libertadores talvez tenha sido melhor, pois os erros e equívocos cometidos pela Diretoria não serão mascarados.

    • JRJRJRJRJJRJRJRJRJRJRJ

      Cara até q enfim vejo um torcedor coerente do glorioso. Parabéns pelas palavras sábias e verídicas. BOTAFOGO sua estrela solitária me conduz…

    • thiago

      torço para que leandrinho não conviva com contusões pq estava amadurecendo e sendo útil também como volante de saída assim com o garoto Marcinho que tem potencial, ainda oscilava mas tem muita qualidade… Mateus Fernandes gostei contr ao Cruzeiro dele, em qualidade técnica já é o nosso melhor, mas é jovem que oscile menos ano que vem…é o ano dele…

  • JRJRJRJRJJRJRJRJRJRJRJ

    PRA MIM NADA FOI PERDIDO. COMO TORCEDOR E AMANTE DO NOSSO QUERIDO GLORIOSO, FICAREI SEMPRE COM AS MELHORES EXPECTATIVAS PARA COM O TIME Q APRENDI A AMAR E RESPEITAR SEMPRE. O GLORIOSO VEM EM ASCENCAO A ALGUM TEMPO E TUDO ISSO INDICA Q COLHEREMOS BONS FRUTOS NO FUTURO PRÓXIMO. ESEE ANO FOI APENAS UMA PRÉVIA PARA GRANDES ALEGRIAS A DIANTE.
    BOTAFOGO SUA ESTRELA SOLITÁRIA ME CONDUZ…

  • Bira Fogão

    Eu fui um dos maiores defensores do Jair Ventura; mas, parece-me que ele não está mais com a cabeça no Botafogo.
    A conta do desgaste e da limitação técnica do elenco chegou em novembro. A falta de peças de reposição para o setor de meio-campo só foi sentida em novembro. Menos mal, pois nem sei o que teria sido de nós se essa conta tivesse chegado um mês antes.
    Não obstante, tudo que rolou na última rodada nos foi desfavorável.

  • Bira Fogão

    Sem um patrocínio forte, o elenco de 2018 será montado nos mesmos moldes dos de 2016 e 17; ou seja: com jogadores oriundos da base e das apostas em jogadores desconhecidos e/ou encostados em outros clubes. A miséria que o Botafogo recebe da CEF e da Rede Esgoto de Televisão, mal dará para pagar as dívidas vencidas e vincendas.
    Quem quiser craques ou jogadores de renome, que trate de pôr a mão no bolso. O Botafogo ficaria muito grato!!

  • thiago

    Amigo… O CAMPEONATO CATARINENSE, é mais difícil e competitivo que o Carioca, até mesmo os catarinenses da elite dificultam sempre a vida dos cariocas no nacional, o Botafogo mesmo vencer em Santa Catarina é algo raro uma vez na vida e outra na morte, fora também que em casa sempre tropeça que os diga Avaí, o Campeonato Carioca que times que tem? que divisões disputam?

    Campeonato Catarinense, tem pelo menos 5 times de 10 equipes que disputam o título, no Rio tirando os 4 e olha lá pq o fluminense nunca leva botafogo nem liga mais, graças a DEUS, ano que vem faria que nem atlético pr com elenco limitado ano que vem denovo, jogaria com sub 23 daria chance a quem quer mostrar serviço, Vasco talvez e flamengo que sempre querem a competição, do mais… Texto totalmente coerente…

  • Henrique Calvet

    Acredito sim, que fomos além das nossas forças! Não estou entendendo os comentários de alguns torcedores, que pedem a saída do Jair, do Lopes, etc. Estamos nos estruturando e, vamos sim, chegar perto e, talvez ganhar algum título, mas queremos estar fortes e estruturados, para estar disputando todos os campeonatos na parte de cima. Com calma, a diretoria tem que manter a estrutura atual, acertar os erros cometidos e, seguir em frente. Um passo de cada vez. Abs. e saudações alvinegras.

  • Emerson Vieira

    Que bom que alguém apresenta comentários sensatos sobre o ano do Botafogo!

  • Adalto Odon

    com essa diretoria nao da pra acreditar, 2018 podera ser terrivel.

MaisRecentes

Libertadores é obrigação! Mas para quem?



Continue Lendo

Nelson Mufarrej x Marcelo Guimarães: o curioso lado da eleição



Continue Lendo

O alerta de Jair Ventura



Continue Lendo