A tranquila eleição alvinegra



O processo eleitoral do Botafogo caminha para ser um dos mais tranquilos dos últimos anos. Nelson Mufarrej, representante de Carlos Eduardo Pereira, tem tudo para repetir a dobradinha que já saiu vitoriosa no pleito passado. Marcelo Guimarães, candidato alternativo, como seu próprio grupo se apresenta, não deverá se sentir derrotado caso o segundo lugar seja confirmado. Isso porque os avanços da atual gestão justificam o quadro que se desenha nas urnas.

O cenário do Botafogo no fim de 2014, início de 2015, era de terra arrasada. Palavras que o próprio presidente gosta de usar nas conversas com os jornalistas. Receitas, as poucas que tinha, penhoradas e bloqueadas, um plantel em debandada e o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Os imbecis de plantão, vítimas da própria ignorância, falavam que o Alvinegro viraria um ex-clube. Não conhecem a história botafoguense ou, por comodismo, preferem fingir que não conhecem.

Sem medo de trabalhar e se impondo como grande clube, sem abaixar a cabeça e reclamando quando devia. Falando alto, mas sem perder a ternura. Foi assim que Carlos Eduardo Pereira construiu uma história de superação. Logo no primeiro campeonato que disputou o Botafogo foi finalista. Ganhou a Série B, subiu sem nenhum susto, se classificou para a Copa Libertadores e fez muito bonito no torneio continental. O elenco, se não é o mais qualificado, talvez seja o que desperte mais orgulho de seus torcedores. Deu chance a um treinador que tem tudo para ser dos melhores do país nos próximos anos. Pagou dívidas, fez a base voltar a revelar e ser campeã nacional e estruturou o clube. Fez disparar o número de sócios-torcedores. Ajudou a resgatar o orgulho botafoguense.

Com esses avanços, creio que seja previsível o resultado do pleito. Marcelo Guimarães, também de bons serviços prestados ao clube e com boas ideias, provavelmente deverá esperar um pouco mais para realizar seu sonho.



  • JRJRJRJRJJRJRJRJRJRJRJ

    “Nos colocamos entre as oito melhores equipes da América do Sul. O Grêmio, para ganhar suas duas Libertadores, disputou 17. Temos que nos acostumarmos a disputar”. O CEP TEM RAZAO. FOGAO CAMPEAO DA LIBERTADORES 2018. FOGAO NA ALTURAS. EU SOU MAIS O GLORIOSO. FOOOOOOOOGOOOOOOOOOOOOFOOOOOOOOOOOOOOOOOOGOOOOOOOOOOOOOOOFOOOOOOOOOOOOOOOGOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO O MEU SANGUE FERVE POR VC.
    BOTAFOGO SUA ESTRELA SOLITARIA ME CONDUZ…

  • Jorge Luis

    Também concordo que deve ser uma das eleições mais tranquilas e que a política atrapalhe cada vez menos os planejamentos e as boas ideias, que o Botafogo se una mais não só no futebol, mas na política também para que possamos subir mais um degrau e voltar a conquistar os títulos que estão muito escassos. Além é claro de saudar o máximo as dívidas do clube e crescer como instituição. Saudações Gloriosas e Botafoguenses, pois alvinegras e preto e brancas existem várias.

  • Helio Fernandes Gonçalves

    se quiser sonhar alto, o botafogo não pode se desfazer de seus goleiros como muitos querem e sim qualificar mais seu elenco defesa/meio/ataque, para de verdade se conquiste títulos

MaisRecentes

Botafogo: O dilema entre a história de Tite e a pressão sem coerência



Continue Lendo

Libertadores é obrigação! Mas para quem?



Continue Lendo

Nelson Mufarrej x Marcelo Guimarães: o curioso lado da eleição



Continue Lendo