Vitória com cara de Libertadores



Na chegada ao Estádio Nilton Santos percebia um otimismo muito grande por parte dos torcedores. Alguns falavam em goleada pelo fato de o Estudiantes ainda não ter disputado muitos jogos oficiais, estando fora de ritmo. Tinha quem lamentasse a ausência de Verón, que na casa dos 40 anos poderia se tornar um peso grande dentro do gramado. Quando alguém me perguntava um palpite arriscava o 1 a 0. Não estava sendo econômico. Seria um jogo de Libertadores. Aliás, de pura Libertadores.

Para quem atuou apenas uma vez em 2017 o Estudiantes se comportou bem. Morreu apenas depois do segundo gol e mostrou que pode dar trabalho na sequência. A irritação dos torcedores com o primeiro tempo do Botafogo até era explicado pelos erros infantis cometidos em alguns momentos. Mas a entrega em campo é de se respeitar. Esse time corre muito desde que Jair Ventura substituiu a Ricardo Gomes (Cadê ele? Deve estar envolvido no tal projeto Libertadores que o fez trocar de clube).

O Botafogo abriu o placar com um gol do mesmo jeito como venceu Olimpia e Colo-Colo, com um golaço. Confesso que achei que o time ia se acalmar e tocar um pouco mais a bola. Porém, a ansiedade seguia grande e foi punida no segundo tempo, quando uma cobrança de falta contou com a ajuda da barreira e de Gatito para devolver a igualdade ao marcador.

Jair Ventura percebeu que o time sentiu o golpe e Sassá foi a campo. Não canso de dizer que este é o centroavante que o Botafogo precisa na Copa Libertadores. Luta o tempo todo, incomoda, tenta se impor, se movimenta e abre espaços. Neste jogo, inclusive, descobrimos seu lado de ponta. Ganhou a bola, foi ao fundo e cruzou para que Rodrigo Pimpão mais uma vez se consagrasse. Que sina para gols importantes. Era a vitória da raça, a vitória de quem não aceitou as previsões de que iria lutar contra o rebaixamento no Brasileiro ou de que iria cair nas fases eliminatórias da Copa Libertadores. Era a vitória de quem, mesmo sem ser brilhante, ensinou ao Estudiantes que Niltão é do Fogão. Acho que eles aprenderam a lição.

* Nenhum jogador deixou o campo machucado? Estranho, muito estranho isso

* Luis Ricardo fora da lista de relacionados? Uma boa explicação valia à pena



  • Jr

    E CLARO BRODER. VITORIA DO GLORIOSO. NA RACA, NA VONTADE, NA DISCIPLINA TACTICA. ESSE ANO E DO BOTAFOGO. #TIVEJOEMDUBAI
    FOOOOGOO FOOOOGOOOO FOOOGOOO FOOOGOOO VAMOS SER CAMPEAO DA LIBERTADORES DAS AMERICAS. BOTAFOGO NAO PODE PERDER PRA NINGUEM. FOGAO O MEU SANGUE FERVER POR VOCE.
    BOTAFOGO SUA ESTRELA SOLITARIA ME CONDUZ…

  • paulo cesar oliveira

    Análise correta, apenas acrescento que o Luis Ricardo estando ainda se recuperando de lesão séria com duas cirurgias não pode ser inscrito nessa fase. E temos o Marcinho, que já deveria ter sido lançado. Se deram chances pro Marcelo e pro Matheus Fernandes, o Marcinho tb pode se sair bem sob pressão. Nossa defesa ainda peca e dá campo ao adversario, deixa chutar contra o nosso arco, mas isso vai melhorar com os jogos. Acho que o Marcinho deveria entrar no carioca, no time principal, para que o Ventura saiba extrair dele e contar com ele . O Marcelo como lateral já deu um gol pro Olimpia, e fez a falta do gol do Estudiantes ,então a posição não é perfeita pra ele. Tem jogado bem mas não é lateral.

    • Celso Muniz

      Marcinho deve jogar os clássicos contra Vasco e Fluminense para ir ganhando confiança e maturidade.

  • Peter

    Jogar no fio da navalha, no limite da exaustão física, com muita garra, determinação e muita sorte, foi o que restou ao fraco e limitado time do Botafogo. O jovem técnico Jair Ventura, tem sido fundamental para o sucesso desse time, embora, vez ou outra derrape em substituições desastrosas. Mesmo que venha a cair na Libertadores, esse time é digno de aplausos, admiração e respeito. A superação é a principal marca do Botafogo atual.

    • Celso Muniz

      Aos fracos e limitados resta a luta incansável, como o futebol hoje é 90% transpiração esse time pode ir muito longe na Libertadores, basta ver outras edições com vencedores com equipes muito abaixo das brasileiras.

  • Ricardo Labruna

    será que o Luis Ricardo ainda não está recuperado?

MaisRecentes

Opções a serem trabalhadas



Continue Lendo

Virou crime querer jogar em casa?



Continue Lendo

Jefferson e Gatito: tem espaço para os dois



Continue Lendo