O prêmio pela maturidade



O torcedor do Botafogo que ainda não marcou hora no cardiologista deve se considerar um privilegiado por continuar vivo. Porém, é bom não facilitar as coisas e já agendar a consulta antes da fase de grupos. Isso porque esse time encarnou o tal espírito de Libertadores e deve brigar bonito na competição. A classificação diante do Olimpia mostrou um grupo mais maduro, que soube se comportar diante das diversas ocasiões que um Defensores del Chaco lotado proporciona.

Aliás, Jair Ventura e os jogadores já vem dando demonstração de força há algum tempo. Não é fácil para nenhum plantel perder tantos jogadores por lesão e mesmo assim continuar enfrentando uma Libertadores como se nada tivesse acontecido. Montillo veio para ser o cara da decisão e os alvinegros ignoraram a sua ausência no duelo contra o Olimpia. Com ele na equipe talvez não fosse necessário bater pênaltis. Mas o negócio era ganhar. A lesão de Camilo já havia sido ignorada em Santiago.

E se formos falar do gol então. Começar o torneio sabendo que nas primeiras fases você não vai poder contar com o melhor goleiro do Brasil já seria um baque. Perder para o São Paulo outro que deu conta do recado pior ainda. Aí vem o Gatito e se machuca. Entra o Helton Leite e começa a passar um pouco de confiança. Eis que este se machuca e o Gatito tem que entrar na fogueira, pronto para defender pênaltis. E deu no que deu. Eis a tal maturidade deste grupo. 100% nas cobranças de penalidades.

Mais uma vez o Botafogo foi Botafogo. Aliás, foi muito Botafogo. Contra o Olimpia foi um daqueles jogos em que a dificuldade esteve o tempo todo ao lado. Mas que em algum momento todos sabiam que ia dar Fogão. Foi assim em 1993 quando mesmo com os pênaltis contra o Peñarol, após o gol sofrido nos minutos finais, todos sabiam que a Conmebol iria para General Severiano. Bacana aquele título, aliás, William Bacana. Foi assim em 1995 quando Vagner deixou claro desde os primeiros minutos que não daria para o Santos. Foi assim quando Jéfferson pegou o pênalti de Adriano após a cavadinha de Loco Abreu em 2010. Contra o Olimpia, não dava para duvidar que daria o Botafogo. E foi o que aconteceu. Agora vem a fase de grupos, outra pedreira, mas o Botafogo pode ser Botafogo novamente. Por via de dúvidas, lembra da história do cardiologista….



MaisRecentes

O desejo de priorizar o elenco passa por Carli



Continue Lendo

Jogador gosta de competição



Continue Lendo

Uma estreia que permite projetar um bom futuro



Continue Lendo