Queimando etapas no bom sentido. Uma onda de otimismo



É recordando o passado que pegamos na experiência de outrora lições para que o futuro seja melhor. E o momento do Botafogo é um convite para isso. Tenho até hoje a sensação de que o time de 2007, liderado por Cuca, poderia ter entrado para a história como um dos maiores de todos os tempos. Tinha condições, inclusive, de ter feito uma tríplice coroa. Perdeu a final do Carioca para o Flamengo nos pênaltis. Isso para não lembrar o gol e a expulsão de Dodô nos acréscimos do segundo tempo. Ana Paula de Oliveira e o frango de Julio Cesar afastaram o Glorioso da Copa do Brasil. Perdeu para o River Plate na Sul-Americana em uma tragédia do outro mundo. Desandou no Brasileiro mesmo tendo ficado invicto nas primeiras 10 rodadas.

Aquele time, porém, começou a ser construído um pouco antes. En 2003 o Botafogo subiu para a Primeira Divisão. Em 2004, sofreu para se manter nela, tanto que escapou de uma nova degola na última rodada. Em 2005 começou a se reafirmar como força, chegando a liderar a competição por algumas rodadas e ir para a Sul-Americana, o que na época era valorizado. Em 2006, além do título carioca, foi crescendo no Brasileiro e chegou a sonhar com Libertadores. Nesses anos todos o Botafogo foi se preparando para ter um time caro e competitivo. Mas que fracassou em 2007 por coisas do tipo: estava escrito, tinha que ser assim…

Vejo, porém, que o Botafogo de agora parece andar em um ritmo mais rápido do que o da década passada. Está queimando etapas, juntando em uma só temporada, a atual, o que viveu em 2004, 2005 e 2006, por exemplo. Isso porque o fantasma do rebaixamento vai se tornando uma vaga lembrança na cabeça de Sassá e companhia. A Libertadores, nos gols de Camilo, passa a ser um sonho não tão impossível, pelo menos em termos de pontuação. Porém, o mais importante, é que vai montando uma espinha dorsal que pode servir de base para a formação de um grande time em 2017, principalmente com o suporte do patrocínio da Caixa. Jéfferson, Joel Carli, Aírton e Camilo, por exemplo, formam uma base interessante. Para os padrões atuais, Luis Ricardo, Neilton e Dudu Cearense, por exemplo, não são de se jogar fora. Emerson Santos, Fernandes, Leandrinho, Luis Henrique e Sassá, por exemplo, mostram que a base pode colocar seus tijolos nesta construção. Com algumas contratações importantes, 2017 pode ser, dez anos depois, o que 2007 poderia ter sido, mas não foi….



  • EU AVISEI!!!
    “ROLO COMPRESSOR ALVINEGRO COMEÇA A ESMAGAR!!!”
    INTERNACIONAL FOI TRITURADO!
    FLALIXO FOI TRUCIDADO!!!!!
    BRAGANTINO VIROU PAPEL!
    PALMEIRAS VIROU PAÇOCA!
    SÃO PAULO VIROU AREIA!
    SPORT FOI MOÍDO!
    GRÊMIO FOI AMASSADO!
    FLUMINENSE VIROU PURPURINA!
    CRUZEIRO FOI HUMILHADO!
    E SAI DA FRENTE QUE VEM AÍ O ROLO COMPRESSOR ALVINEGRO
    VAI PASSAR POR CIMA DE TODO MUNDO

  • Marco Brasil

    Sim Mansell, concordo. Com essa folga e provável escape do z4, mais do que pensar nessa temporada, creio eu que estamos montando uma espinha para o próximo ano. Diretoria tem que abrir o olho e segurar o camito. Se conseguirem preencher as lacunas com jogadores de nível teremos um time.

  • Jorge Luis

    Mas para isso precisamos de reforços pontuais como um bom lateral direito, um zagueiro jovem e veloz para fazer companhia ao Carli, um substituto a altura do Airton, um meia de qualidade para fazer dupla com o Camilo (que poderia ter sido o Alex, mas que acabou desandando) e finalmente um atacante artilheiro para a reserva do Sassá (Bruno Rangel da Chapecoense vive dando bobeira, é só contratar) e claro, manter os principais jogadores deste ano como Sassá, Neilton, Camilo, Carli, Airton…

MaisRecentes

Gostei do futebol do Marcinho



Continue Lendo

Sassá ou Roger?



Continue Lendo

Vitória com cara de Libertadores



Continue Lendo