Matemática do Brasileirão não torna tarefa do Botafogo complicada



A vitória sobre o Grêmio levou o Botafogo a 29 pontos conquistados no Campeonato Brasileiro. A maioria dos matemáticos coloca a linha de corte para permanência na elite nacional em 45 pontos. Aumentando um pouco essa margem, daria para afirmar com segurança que o Alvinegro precisa de mais seis vitórias para afastar qualquer risco de degola. Com os seis triunfos atingiria o seguro patamar de 47 pontos.

Nesta Matemática a tarefa não chega a ser nenhum absurdo. Isso porque jogará em casa, sem contar clássicos estaduais, contra Corinthians, Santos, Ponte Preta, Internacional, Atlético-MG, Coritiba e Chapecoense, em um total de sete confrontos. Ou seja, daria para garantir a permanência na Série A apenas com os jogos em casa, onde tem se mostrado forte desde a estreia na Arena Botafogo.

Além disso, mesmo respeitando os adversários, é possível buscar alguns pontos como visitante, principalmente contra rivais que não fazem campanha brilhante, como América-MG, Santa Cruz, Figueirense e Vitória, por exemplo.

Portanto, fica nítido nesta rápida análise de tabela que permanecer na Primeira Divisão não pode ser considerado algo complicado para o Botafogo. Mas o próprio clube não pode se complicar. Primeiro, é preciso parar com essa onda de lesões que desde o início da temporada mereceria uma investigação mais detalhada. Onde o Alvinegro está errando para ter tanta gente entregue ao departamento médico? Outro ponto, que também aliviaria essa questão, é saber priorizar. A Copa do Brasil, por exemplo, já está perdida. Expor os titulares ao jogo da volta, por exemplo, é uma temeridade. Por fim, agir rapidamente nos próximos dias para tentar encorpar um pouco mais o elenco a fim de dar gordura para o Jair Ventura trabalhar. Um lateral que jogue pela direita é prioridade. Não vejo necessidade de se investir em Rildo, pois atacantes tem de sobra em General Severiano. Melhor usar a verba para reforçar outros setores carentes. Enfim, se trabalhar direitinho o Botafogo tem tudo para escapar do risco de rebaixamento muito antes do fim do Brasileirão, o que lhe permitira mais tempo para planejar 2017, algo importante.



  • Ricardo de Miranda

    Concordo com sua análise. Com relação aos problemas médicos o Botafogo já tomou providências e já conseguiu bons resultados. O caso do Luis Ricardo e do Fernandes foram exceções e não tinha como preveni-las.

  • paulo cesar oliveira

    Mansell, eu custei a aceitar mas o gramado da Arena pode estar matando gente. Todo jogo tem gente arrebentada dos dois lados. Contusões sérias estão acontecendo, somando ao já extenso curriculo de canelas de vidro, como Airton, Sassá ,Lindoso e Fernandes. Acho que a recusa ao Maicon foi fator financeiro, já que seria um reforço de peso e uma solução muito boa para a ausencia do Luis Ricardo.

MaisRecentes

Hora de fazer história



Continue Lendo

A tranquila eleição alvinegra



Continue Lendo

Comprometimento com o clube



Continue Lendo