Ando devagar porque já tive pressa…



“Ando devagar porque já tive pressa”… Sempre que vejo entrevistas de Ricardo Gomes ou de Carlos Eduardo Pereira sobre o atual momento do Botafogo me lembro de trechos de “Tocando em frente”, música de Renato Teixeira e Almir Sater. Treinador e presidente me passam uma tranquilidade completamente incompatível com o que observamos na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro, onde o Botafogo aparece na zona de rebaixamento.

Entendo o motivo dessa tranquilidade. Inclusive compartilho com boa parte dessas opiniões. Para mim o Botafogo não vai terminar o ano lutando contra a degola. O time vai crescer quando passar a jogar na Arena Botafogo, na Ilha, vai ganhar qualidade com reforços como Camilo, Rodrigo Pimpão e Canales e também vai ter mais consistência com a volta de lesionados importantes, como Jefferson.

O problema é que a serenidade e a tranquilidade que Ricardo Gomes, por exemplo, transmite, muitas vezes podem ser confundidas com passividade. O mesmo vale para o presidente. Apesar de acreditar que as coisas vão melhorar, que “É preciso a chuva para florir.”, se faz necessário um pouco mais de energia agora. Pois em alguns momentos a atual campanha me lembra a de 2004, quando o time parecia sempre esperar por um fato novo que ia melhorar tudo, mas, na verdade, o que se viu foi o Botafogo escapando da queda na última rodada.

Voltando um pouco à música, nela tem um trecho que diz “Penso que cumprir a vida seja simplesmente // Compreender a marcha e ir tocando em frente”. A torcida do Botafogo reza para que Gomes e Pereira realmente estejam entendendo a marcha do Brasileirão, pois a caminhada é longa e cheia de espinhos. Se eles estiverem percebendo isso, tudo bem, afinal de contas: “É preciso amor pra poder pulsar// É preciso paz pra poder sorrir”…



MaisRecentes

Jair: decisão acertada e corajosa



Continue Lendo

Botafogo copeiro mostra que pode ir longe



Continue Lendo

Separando os homens dos meninos



Continue Lendo