Sem protocolo de controle, Guerrero pode ter ingerido chá contaminado



O atacante peruano Paolo Guerrero foi suspenso por causa de doping, enquanto servia a seleção do Peru. Crédito: Conmebol

A tese da defesa científica do atacante Paolo Guerrero no caso do doping do jogador, formulada pelo bioquímico brasileiro L. C. Cameron, é a de que houve, acidentalmente, uma contaminação de uma bebida ingerida pelo peruano. E, segundo informações, essa contaminação teria ocorrido em um local sem o controle da federação peruana, uma vez que, Guerrero, estava a serviço da sua seleção.

O atacante, que estava concentrado em um hotel junto com a delegação do Peru, recebeu a visita da família. Para ter mais privacidade, ele deixou o recinto que estava com o protocolo de controle (de bebidas e comidas, feito pela federação peruana) e se dirigiu a uma ala mais distante.

Neste novo ambiente, sem controle da cozinha por parte da federação, todos pediram as duas bebidas e, num possível erro de manipulação, acabou tendo o seu chá de anis contaminado por uma substância proibida, muito provavelmente, por um chá de coca, muito consumido no país.



MaisRecentes

Entidade de administração promove evento sobre gestão esportiva



Continue Lendo

Evento em Paris vai debater questão do clube-empresa no futebol brasileiro



Continue Lendo

Grupos políticos do Vasco pedem fim de gasto extra em viagens



Continue Lendo