‘Guerra médica’ expõe divergência entre grupos políticos no Vasco



O presidente Alexandre Campello tem sido criticado por seus oponentes devido ao número de jogadores machucados. Crédito: Reprodução/Internet

Desde a última semana, uma “guerra médica” é travada dentro de São Januário. Movimentos de oposição à administração do presidente Alexandre Campello, têm criticado abertamente o número de lesões que os jogadores têm sofrido recentemente. E o alvo maior das críticas é a pouca utilização do CAPRRES (Centro Avançado de Prevenção, Recuperação e Rendimento Esportivo). Campello se defende, e afirma que as lesões não estão relacionadas ao trabalho do departamento médico.

O presidente Alexandre Campello, que é médico ortopedista, e já trabalhou no clube, declarou que não consegue enxergar uma relação das lesões que têm afligido o elenco vascaíno com a mudança de protocolo adotada no departamento médico.

Mesmo sem o gerente científico Alex Evangelista, que acabou demitido e foi trabalhar no futebol da Europa, o presidente cruz-maltino tem utilizado toda a estrutura do CAPRRES, como sempre foi feito anteriormente.

Uma pessoa que conhece bem a parte médica do Vasco, disse à coluna que, realmente, a utilização do centro é a mesma, porém, os procedimentos estão um pouco diferentes dos realizados na gestão anterior. Ele acredita que,para evitar alguns equívocos, será necessário rever os métodos adotados recentemente pela administração de Campello.



MaisRecentes

Fernanda Colombo deixa a arbitragem, lança livro e quer ser comentarista



Continue Lendo

Audiência pública promete pressionar políticos contra MP que retira recursos do esporte



Continue Lendo

Técnico brasileiro Milton Mendes renova mais alta licença da Uefa para técnicos



Continue Lendo