Conmebol não renova contrato de naming rights da Libertadores. E nem busca substituto



A Conmebol decidiu não renovar o contrato com a Bridgestone pelos naming rights da Copa Libertadores. O contrato se encerra ao fim deste mês, e a entidade não irá negociar a renovação. A Conmebol também não irá atrás de substituto para batizar o nome da competição.

O material produzido para o sorteio da Libertadores de 2018 já não tinha a presença da fabricante japonesa de pneus. A companhia já pretendia reduzir o investimento para redirecionar a verba para os Jogos Olímpicos-2020, em Tóquio.

Ou seja, a Conmebol terá que lidar com uma perda de receita em 2018 por causa da não utilização da propriedade. Mas isso é proposital por algumas questões. Uma delas é o planejamento de deixar limpa marca da competição.

Essa ideia repercute na relação com outros patrocinadores da Libertadores, que, por tabela, tinham que veicular o nome da Bridgestone em seus produtos ou ações promocionais. A Amstel só “escapou” disso porque entrou em acordo e teve autorização.

Nova relação

Por falar em patrocinadores, a Conmebol projeta para o futuro uma mudança no relacionamento com os parceiros. Atualmente, há quatro principais marcas ligadas à Libertadores e outras quatro, com valor inferior de investimento, que formam uma espécie de segundo escalão. A ideia é, a médio prazo, ter um portfólio no qual não haja distinção de peso – a exemplo do que acontece na Liga dos Campeões da Europa.



MaisRecentes

Novo diretor de futebol do Fluminense, Paulo Angioni tem três nomes para lugar de Abel Braga



Continue Lendo

Fernanda Colombo deixa a arbitragem, lança livro e quer ser comentarista



Continue Lendo

Audiência pública promete pressionar políticos contra MP que retira recursos do esporte



Continue Lendo